Outras Notícias

Divulgamos declaração da presidente do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, emitida na sequência da histórica votação de ontem, na Assembleia Geral das Nações Unidas, onde pela primeira vez nenhum país votou contra a resolução que defende o fim do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA a Cuba, com uma votação de 191 cotos a favor e duas abstenções, uma vez mais a esmagadora maioria dos países aí representados condenou o bloqueio.

"Pelo fim do bloqueio imperialista a Cuba, já!

O bloqueio imperialista e criminoso imposto pelos Estados Unidos contra a revolucionária Cuba já tem mais de cinco décadas, renovado anualmente pelo governo estadunidense através, inclusive, de uma lei anacrônica, datada de 1917. Neste 26 de outubro de 2016, entretanto, na 25ª vez em que os membros da Organização das Nações Unidas (ONU) votaram por uma resolução contrária ao bloqueio, na Assembleia Geral, um placar histórico foi marcado pela abstenção dos EUA, que se opunham consistentemente à resolução de condena da sua própria política de ingerência.

Em todo o mundo, os movimentos pela paz, pela soberania dos povos e das nações, pela não ingerência e contra o imperialismo somam-se à demanda pelo fim imediato do bloqueio estadunidense contra Cuba. Neste momento, como disse o embaixador cubano nos EUA, José Ramón Cabañas, seguiremos ao lado do povo cubano na continuidade desta luta.

O Conselho Mundial da Paz (CMP), como organização civil internacional composta por entidades nacionais de mais de 90 países também se mobiliza de forma empenhada e determinada na solidariedade ao povo cubano, denunciando as arbitrariedades da política anacrônica, agressiva e imperialista dos Estados Unidos contra a ilha revolucionária.

O histórico das votações por uma resolução contra o bloqueio é persistente e, no ano passado, os únicos países a votarem contra a resolução foram, sem qualquer surpresa, os próprios EUA e seu aliado mais fiel na promoção de uma política abrangente de agressão e imperialista: Israel. Desta vez, entretanto, foi a primeira vez em que nenhum dos 193 membros da ONU votou contra a resolução, enquanto as únicas duas abstenções foram somente as dos EUA e de Israel.

Ao lado do heroico povo cubano, o Conselho Mundial da Paz e incontáveis organizações, governos e movimentos sociais promovem uma campanha internacional pelo fim imediato do bloqueio a Cuba, através, inclusive, de uma votação virtual.

A página de internet Cuba VS. Bloqueio promoveu a campanha com o apelo ao voto pelo fim de uma política de ingerência nos assuntos internos cubanos, uma vez que o bloqueio estadunidense tem por fim a tentativa de minar um governo revolucionário, legitimado, apoiado e construído por um povo revolucionário.

Há mais de 50 anos o bloqueio estadunidense atinge frontalmente a soberania, a política e a economia do povo cubano, dificultando as suas relações com o mundo e a partilha da sua rica experiência na luta por justiça social, igualdade e soberania nacional.

Ao todo, o governo cubano estima que o bloqueio, imposto em 1962 pelos EUA, tenha custado ao povo cubano mais de 753 bilhões de dólares em valores correntes.

Ainda assim, o povo cubano estende sua mão aos povos que lutaram e lutam pela descolonização dos seus países, pela superação de mazelas que deveriam envergonhar toda a humanidade – como a própria fome, ou as epidemias – e pela integração soberana e solidária da América Latina e Caribe.

Por isso, somamo-nos ao apelo pela manifestação massiva, à escala global, pelo fim incondicional do bloqueio estadunidense! Pelo fim da ingerência imperialista em Cuba e na América Latina, pelo respeito à soberania das nações e pela responsabilização dos EUA por mais de cinco décadas de bloqueio!

Esta campanha mostra, assim como a mobilização mais abrangente em solidariedade ao povo cubano e a todos os povos que enfrentam as políticas de agressão, ingerência, colonialismo e guerras que, juntos, podemos derrotar o imperialismo!

Socorro Gomes
Presidenta do Conselho Mundial da Paz"