Outras Notícias

Brasil

  • Solidariedade com o Brasil - Lisboa

    Teve lugar, na sede do CPPC, uma iniciativa de solidariedade com o Brasil que contou com a presença de dirigentes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Central de Trabalhadoras e Trabalhadores do Brasil (CTB), bem como organizações portuguesas.

    Na mesa estiveram António Lisboa, Secretário de Relações Internacionais da CUT, Raimunda Gomes, Secretária de Imprensa e Comunicação da CTB e Filipe Ferreira, Vice-Presidente da Direcção Nacional do CPPC.

    Na sessão foram abordadas as políticas seguidas pelo governo golpista brasileiro e como estas representam um retrocesso nas conquistas de anos anteriores em termos de justiça e igualdade sociais, de democracia e afirmação soberana do Brasil e também um retrocesso para o papel do Brasil no quadro dos processos soberanos de integração regional na América Latina, denunciando que o governo que resultou do golpe contra a presidente Dilma Roussef, é apoiado por grandes grupos económicos brasileiros e dos EUA, cujos interesses representa. Foi dado destaque à resposta de resistência e luta por parte de forças progressistas, que têm procurado construir a unidade na acção.

  • «Este impeachment é um golpe, não tem base constitucional»

    Gleisi Hoffman, senadora do Partido dos Trabalhadores (Brasil)

    «A Presidente Dilma foi afastada pelo Senado da República num processo de impeachment, que nós consideramos um golpe, por não ter base constitucional. Acusam a Presidente de um crime que não existe. A sua destituição foi casuística, foi pensada para a incriminar e só vai servir para ela, para este caso, porque não configura um crime de responsabilidade.
    A presidente teve 54 milhões de votos e quem assume hoje o poder, para além de não ter recebido quaisquer votos dos brasileiros, mudou radicalmente o programa que foi eleito nas urnas em 2014: nós hoje temos um vice-presidente que assumiu interinamente com um programa económico liberal e posições conservadoras nas áreas sociais, políticas e de comportamento.

  • Assembleia do Conselho Mundial da Paz

    Divulgamos texto do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) a anunciar a realização da próxima Assembleia do Conselho Mundial da Paz, na qual o Conselho Português para a Paz e Cooperação participa de forma empenhada.

    "Conselho Mundial da Paz realizará Assembleia pela primeira vez no Brasil

    São Luís (MA) será a capital da luta pela paz em novembro. O Conselho Mundial da Paz (CMP) realiza pela primeira vez no Brasil a sua Assembleia e escolheu o Maranhão, que já ofereceu a sua combativa hospitalidade, como o ponto de encontro dos movimentos engajados na luta contra a guerra e a opressão. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) será o anfitrião.

    O CMP convida todas as forças democráticas, empenhadas por um mundo mais justo, de amizade e cooperação entre os povos, os trabalhadores, a juventude, as mulheres, negros, indígenas e todos os movimentos sociais engajados na construção de novas relações, livres da dominação e da exploração, a apoiarem e participarem da Assembleia Mundial da Paz, de 17 a 19 de novembro, e da Conferência Mundial da Paz, em 20 de novembro, em São Luís.

  • Assembleia Mundial da Paz (Brasil): Declaração Final

    Fortalecer a solidariedade dos povos na luta pela paz, contra o imperialismo

    A Assembleia de 2016 do Conselho Mundial da Paz, realizada em 18 e 19 de novembro em São Luís e acolhida pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ), concluiu com a adoção da seguinte Declaração.

  • Assembleia Mundial da Paz reúne no Brasil

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) participa nos dias 18 e 19 de Novembro no Brasil na Assembleia Mundial da Paz, órgão máximo do Conselho Mundial da Paz (CMP) de que o CPPC é membro com assento no seu Comité Executivo e Secretariado, sendo ainda seu coordenador para a Europa.

    A Assembleia Mundial da Paz é um grande fórum internacional de movimentos da paz onde as organizações nacionais que integram o CMP analisam a situação internacional, de batendo e decidindo sobre o rumo a seguir na luta pela paz, elaborando campanhas e ações de unidade em torno dos princípios do CMP, pela defesa da autodeterminação dos povos e da soberania nacional, na luta anti-imperialista e anti-colonialista, contra a militarizaçãoas e as armas de destruição massiva, por relações internacionais solidárias, de respeito mútuo, pela não ingerência, pela paz.

    A Assembleia é antecedida por uma reunião do Comité Executivo do CMP e será seguida pela Conferência Mundial da Paz que reúne, para além das organizações membro, organizações amigas, movimentos sociais e personalidades convidadas para a discussão dos desafios atuais e para a análise da conjuntura internacional.

  • Brasil acolheu Assembleia Mundial da Paz

    A esperança constrói-se na acção e na unidade

    Meia centena de representantes de organizações e movimentos da paz de 33 países participaram, a 18 e 19 de Novembro, na Assembleia Mundial da Paz, que se realizou na cidade brasileira de São Luís do Maranhão. No dia seguinte, teve lugar uma conferência internacional.

    O CPPC, que se fez representar pela presidente e por um dos vice-presidentes da Direcção Nacional, respectivamente Ilda Figueiredo e José Batista Alves, foi reeleito para o Comité Executivo e para o Secretariado do Conselho Mundial da Paz (CMP), mantendo igualmente a coordenação da Região Europa. As organizações da Palestina, África do Sul, Nepal e Cuba assumem a coordenação das respectivas regiões: Médio Oriente, África, Ásia e América. Na presidência permanece o Cebrapaz, do Brasil, na pessoa de Socorro Gomes, da mesma maneira que o Secretário-geral e o Secretário-executivo continuam a ser membros do Comité Grego para o Desanuviamento Internacional e Paz.

  • Cebrapaz repudia a perseguição contra os movimentos sociais e manifesta solidariedade ao MST

    Divulgamos texto publicado pelo Centro brasileiro de solidariedade com os povos e luta pela paz:

    "Cebrapaz repudia a perseguição contra os movimentos sociais e manifesta solidariedade ao MST

    O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) manifesta seu profundo repúdio e consternação pela invasão da Escola Nacional Florestan Fernandes pela Polícia Civil de São Paulo, nesta sexta-feira (4 de novembro de 2016). Manifestamos também nossa determinada solidariedade ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), vítima da arbitrariedade cometida pelas autoridades paulistanas.

    Somamo-nos às forças progressistas brasileiras e internacionais que, no grave momento de abusos e perseguições que se instala no país, denunciam, repudiam e combatem a criminalização dos movimentos sociais no Brasil e das ações dos que seguem firmes na luta em defesa da democracia e da justiça social.

  • Contra o golpismo, em defesa da democracia e do Brasil!

     

    Divulgamos posição do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), sobre a situação no Brasil:

    "Contra o golpismo, em defesa da democracia e do Brasil!

    O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz une-se aos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil, aos movimentos sociais e às lideranças ultrajadas pelo crescendo golpista que enfrentamos desde a reeleição da presidenta Dilma Rousseff, no final de 2014. Entretanto, a perplexidade não nos desmobiliza para o enfrentamento ao retrocesso, à intentona ilegítima e desqualificada de impeachment, fartamente documentada como fraudulenta.

  • Divulgação de nota do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz

    Solidários com a luta do povo brasileiro divulgamos nota do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), sobre a situação no Brasil.

    “No Brasil, se fortalece a mobilização popular contra os ataques de um governo golpista

    A Frente Povo Sem Medo e a Frente Brasil Popular, da qual o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) faz parte, têm promovido o fortalecimento da mobilização dos brasileiros e brasileiras na defesa da democracia e dos seus direitos, vilipendiados por um governo nascido do golpe de Estado parlamentar, jurídico e midiático de 2016. As greves e manifestações que mobilizaram mais de um milhão de pessoas em todo o país são evidências da força que cresce.

  • Encontro entre activistas e organizações solidárias com o povo brasileiro

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação esteve presente, na passada terça-feira, no encontro entre activistas e organizações solidárias com o povo brasileiro e a presidente Dilma Roussref deposta num golpe de Estado realizado pelos sectores mais conservadores e retrógados da sociedade brasileira, ligados aos grandes interesses financeiros e económicos deste pais.

    No encontro a presidente deposta abordou o processo golpista no Brasil e desmontou a campanha de desinformação que ecoa a nível global. Foram denunciadas as políticas seguidas pelo governo golpista brasileiro que representam um retrocesso nas conquistas de anos anteriores em termos de justiça e igualdade sociais, de democracia e afirmação soberana do Brasil. Foi reafirmada a resistência do povo brasileiro perante estas políticas anti-sociais e assumida a necessidade de reforçar e alargar a luta popular por um país mais justo e democrático.

  • Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos manifesta apoio aos brasileiros na luta contra o golpe

     

    Declaração do Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos

    O Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos (MovPaz) une sua voz à denúncia regional e mundial contra a grave tentativa de subverter a ordem democrática no Brasil com o golpe em gestação contra a Presidenta Dilma Rousseff, orquestrada pelas forças reacionárias e retrógradas da oligarquia e do capital financeiro brasileiro.

    A situação que hoje afronta o povo, o governo e o Partido dos Trabalhadores do Brasil, com esta tentativa golpista, deve ser vista também no contexto da contraofensiva imperialista que pretende reverter os processos políticos progressistas na região e, particularmente, no Cone Sul latino-americano, e voltar a colocar esses países dentro de sua esfera de influência.

    A grosseira e ilegal manipulação política da direita, que busca tirar a mandatária do poder mediante um juízo político, é uma manobra espúria que pretende que o Brasil saia da trilha do desenvolvimento e da justiça social iniciada há mais de 10 anos com os governos do Partido dos Trabalhadores, encabeçados por Luiz Inácio Lula da Silva e pela presidenta Dilma Rousseff. É também uma amostra de que a burguesia, a oligarquia e o império não cessam seus empenhos antidemocráticos e antipopulares, e que são capazes de recorrer aos métodos mais sujos para impor seus ditames.

    O MovPaz chama todas as organizações e forças progressistas amantes da paz a se solidarizarem com a luta que hoje desempenha o povo do Brasil, que se mobiliza nas cidades, ruas e praças do país, contra o golpe. É hora de deter a rapacidade imperialista impondo a mais ampla solidariedade e denúncia populares.

    Que a reação e o imperialismo saibam que são milhões de pessoas no mundo e em nossa América Latina em particular os que se erguem hoje junto ao nobre e corajoso povo brasileiro e junto à sua Presidenta, na defesa dos mais genuínos interesses e princípios de sua Pátria e da Paz, que hoje se vê ameaçada.

    Em momentos tão perigosos para a estabilidade e o futuro político do Brasil e da região, o Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos reitera sua irrestrita solidariedade com o povo trabalhador brasileiro e seus representantes genuínos e expressa um rotundo “Não ao Golpe”.

    Havana, 4 de abril de 2016.

    (Tadução a partir do texto em espanhol efectuada pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz))

  • Sessão Pública: A situação no Brasil

  • Sessão Solidariedade com o Povo Brasileiro

  • Situação no Brasil debatida em Lisboa

    A sessão pública sobre a situação no Brasil, promovida pelo CPPC ontem, dia 14 de Abril, na Casa do Alentejo em Lisboa, foi um importante fórum de debate e de esclarecimento sobre um decisivo momento que se vive neste país, que contribuiu para desmontar a campanha de desinformação que tem vindo a ser desenvolvida e que igualmente tem eco em alguns meios de comunicação social em Portugal.

    Às intervenções da mesa por parte de Alcione Scarpin e Moara Crivelente juntaram-se vários contributos dos participantes, cidadãos portugueses e brasileiros, que tornaram clara a diversidade dos que reconhecem na tentativa de destituição da Presidente Dilma Roussef um autêntico golpe de Estado por parte dos sectores mais conservadores e retrógados da sociedade brasileira, ligados aos grandes interesses financeiros e económicos deste pais, que controlando grandes meios de comunicação social e contando com o apoio de elementos no sistema de justiça, procuram impor o que não conseguiram alcançar pela via eleitoral nas últimas eleições presidenciais.

  • Solidariedade com o Brasil

    Reunidas em Almada, Portugal, nos dias 19 e 20 de Março de 2016, as organizações da Região Europa do Conselho Mundial da Paz afirmam a sua solidariedade ao Povo Brasileiro, que tem sido o alvo de ataques contra a democracia, a liberdade e o Estado de direito, organizados por sectores anti-democráticos e profundamente retrógrados.
    A actualidade tem sido marcada por graves acções que procuram a desestabilização e a subversão da ordem constitucional brasileira, fomentada pelas forças do capital financeiro, que procuram o que não conseguiram pela via eleitoral: remover a Presidente legitimamente eleita e reverter conquistas progressistas do povo brasileiro.
    As forças reaccionárias contam com sectores do poder judiciário que, afastando-se do dever de defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição, e garantir o Estado de direito, transformam algumas instituições jurídicas em trincheiras das forças agressoras da liberdade e da democracia.
    A Reunião Regional da Europa do Conselho Mundial da Paz expressa a sua confiança de que o povo brasileiro defenderá um caminho que assegure seus direitos, a democracia, a liberdade e a paz.

    Almada, 20 de Março de 2016

  • Solidariedade com o Brasil, contra tentativa de golpe

    Ontem, dia 8 de maio, prosseguiu , no Porto , a iniciativa "PAZ em ciclo: um filme e um debate"

    No Centro Católico de Operários do Porto, a sessão começou com um debate sobre a situação actual no Brasil, em que intervieram, na abertura, a dirigente do CEBRAPAZ, Moara Crivelete, e Ilda Figueiredo, presidente da Direcção Nacional do CPPCC. No debate que se seguiu com algumas dezenas de pessoas presentes, foi salientada a solidariedade do CPPC com o CEBRAPAZ e a confiança de que o povo brasileiro e as forças progressistas do Brasil consigam impedir um golpe e o retrocesso da política brasileira de combate às injustiças sociais, na defesa da democracia e da paz.

    Seguiu-se o visionamento do Filme "A oeste nada de novo", um notável testemunho contra a guerra.

     

  • Solidariedade com o povo brasileiro

    Face à consumação do autêntico golpe institucional contra o Povo Brasileiro, com destituição de Dilma Rousseff, eleita Presidente com 54 milhões de votos dos cidadãos brasileiros e afastada da Presidência por 61 votos de senadores sem qualquer justificação juridicamente válida, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) manifesta a sua solidariedade a Dilma Rousseff, ao povo brasileiro, ao CEBRAPAZ e a todas as forças progressistas brasileiras que continuam a defender a democracia, a justiça, o progresso social.

    O CPPC sublinha que o povo brasileiro tem sido alvo de ataques contra a democracia e o Estado de direito, organizados por sectores anti-democráticos e retrógrados, que têm recorrido aos mais graves processos e acções de subversão da ordem constitucional brasileira, fomentadas pelos grandes grupos económico e financeiros, procurando alcançar os objectivos que não conseguiram pela via eleitoral: remover a Presidente legitimamente eleita e reverter as conquistas progressistas conquistadas pelo povo brasileiro.