Outras Notícias

solidariedade

  • Elos para a construção de sociedades inclusivas

    Decorreu no passado dia 17 de março, uma palestra na Ancorensis Cooperativa de Ensino, na 10ª edição da Semana da Leitura com o lema "Elos para a construção de sociedades inclusivas" em que participou a presidente da Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação, Ilda Figueiredo, que teve a participação de mais de 100 alunos e alguns professores.

    No debate deu-se particular importância às condições de progresso e desenvolvimento social, à liberdade e à democracia, aos valores de Abril que a Constituição da República consagra, o que foi particularmente assinalado tendo em conta o seu 40º aniversário. Debateram-se também as causas e os responsáveis da situação dos refugiados e abordou-se a solidariedade, a necessidade de respeito pelos direitos e pela dignidade humana, criticando-se as posições de quem fomenta as agressões e as guerras, apelando-se a que cessem nas guerras e se apoie a recuperação para que haja desenvolvimento e progresso social e os refugiados possam voltar às suas terras de origem em condições de paz.

  • Mais Guerra Não! AJUDA URGENTE AOS REFUGIADOS!

    Divulgamos posição subscrita por várias organizações que exigem medidas urgente para o drama humanitário dos refugiados.

    Mais Guerra Não!

  • Não à Guerra! Solidariedade com os refugiados!

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) esteve na rua, em Lisboa e noutras cidades do país, no passado dia 16 de Maio, a distribuir um documento de solidariedade com os refugiados.

    O assinalar de um dia de acção contra a guerra e em solidariedade com os refugiados a 16 de Maio, em vários países europeus, surge na sequência de uma decisão de organizações membro do Conselho Mundial da Paz na Europa, reunidas em Almada no passado mês de Março.

    Esta iniciativa insere-se num conjunto mais vasto de outras actividades, designadamente colóquios e debates, em torno das causas e responsáveis por esta situação, considerando que a solidariedade aos refugiados é um imperativo de respeito pelos mais elementares direitos humanos. É necessário denunciar as causas e os responsáveis que levam tantos homens, mulheres e crianças a arriscar a vida à procura de refúgio. E essas causas estão nos inúmeros conflitos, ingerências e guerras de agressão a estados soberanos, levadas a cabo por EUA, Nato e seus aliados, designadamente na Europa.

    Com estas iniciativas, o CPPC apela à Paz e à solidariedade.

  • Pela liberdade e independência do povo saarauí - Faro

    O CPPC assinalou o 43.º aniversário da Frente Polisário, numa sessão de solidariedade com o povo saarauí que se realizou no auditório da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve, em Faro no dia 13 de Maio com o lema "PELA LIBERDADE E INDEPENDÊNCIA DO POVO SAARAUÍ".

    Esta iniciativa, que teve o apoio do CPPC, foi promovida pelo Sindicato dos Professores da Zona Sul e contou com as intervenções de Ahmed Fal, representante da Frente Polisário em Portugal, Inês Seixas, da Direcção Nacional do CPPC, Mário Nogueira, Secretário-geral da FENPROF.

    O CPPC expressou a sua solidariedade, de sempre, para com a luta e resistência do Povo Saharauí contra a ocupação Marroquina e em prol da Paz.
    Durante a sessão foi também exibido um documentário sobre o Saara Ocidental e uma exposição fotográfica "A última colónia de África" da autoria de José Baguinho.

  • Solidariedade com a Palestina - Loures

    Realizou-se uma sessão de solidariedade com a Palestina, no passado dia 7 de Novembro, na Biblioteca Municipal Ary dos Santos, em Sacavém promovida pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação e pela Câmara Municipal de Loures e que contou com as intervenções do Embaixador da Palestina em Portugal, Hikmat Ajjuri, do Presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares e da Presidente da Direção do CPPC, Ilda Figueiredo.

    Nesta sessão de solidariedade com a Palestina denunciaram-se as violações por parte das autoridades de Israel de inúmeras de Resoluções da ONU e a política de «dois pesos e duas medidas» usada pelos Estados Unidos e pela União Europeia em relação à chamada questão palestiniana, dando assim cobertura à política ilegal e criminosa de Israel.

  • Solidariedade com o Brasil - Lisboa

    Teve lugar, na sede do CPPC, uma iniciativa de solidariedade com o Brasil que contou com a presença de dirigentes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Central de Trabalhadoras e Trabalhadores do Brasil (CTB), bem como organizações portuguesas.

    Na mesa estiveram António Lisboa, Secretário de Relações Internacionais da CUT, Raimunda Gomes, Secretária de Imprensa e Comunicação da CTB e Filipe Ferreira, Vice-Presidente da Direcção Nacional do CPPC.

    Na sessão foram abordadas as políticas seguidas pelo governo golpista brasileiro e como estas representam um retrocesso nas conquistas de anos anteriores em termos de justiça e igualdade sociais, de democracia e afirmação soberana do Brasil e também um retrocesso para o papel do Brasil no quadro dos processos soberanos de integração regional na América Latina, denunciando que o governo que resultou do golpe contra a presidente Dilma Roussef, é apoiado por grandes grupos económicos brasileiros e dos EUA, cujos interesses representa. Foi dado destaque à resposta de resistência e luta por parte de forças progressistas, que têm procurado construir a unidade na acção.

  • Solidariedade com o povo da Venezuela

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação realizou hoje, dia 5 de Julho, data da comemoração dos 206 anos da indepedência da Venezuela, uma iniciativa de solidariedade com o povo da Venezuela.

    A iniciativa contou com forte e empenhada presença de cidadãos e organizações solidários, e com a participação da presidente da Direcção Nacional do CPPC, Ilda Figueiredo e do Sr. Embaixador da República Bolivariana da Venezuela, General em Chefe Lúcas Ríncon Romero, assim como da Sra. Embaixadora de Cuba, Johana Tablada.

    Nas intervenções foi expressa a solidariedade do CPPC e de todos os presentes com a Revolução Bolivariana e o povo venezuelano e denunciada a acção de ingerência e desestabilização de que faz parte uma intensa guerra mediática de desinformação, contra a Venezuela e que procura paralisar a acção do seu legítimo governo, confrontar a Constituição Venezuelana e atacar o processo bolivariano e as suas realizações.

  • Solidariedade com os Povos da Venezuela e da América Latina

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação promoveu, no passada sexta-feira dia 3, uma sessão de solidariedade com o povo Venezuela e restante América Latina.

    A sesão foi um momento para aprofundar o conhecimento sobre a situação que se vive naquela região no marco do 4º aniversário do falecimento de Hugo Chávez a quem foi prestada homenagem com um momento de poesia dita por Rui Lobo e Manuel Diogo.

    A mesa presidida por Baptista Alves Vice-presidente da Direcção Nacional do CPPC contou com a presença do Ex.mo Senhor Embaixador da República Bolivariana da Venezuela, João Barreiros do Departamento Internacional da CGTP-IN e Augusto Fidalgo da Associação de Amizade Portugal-Cuba, na sessão estiveram ainda presentes as Embaixadas de Cuba e da República Dominicana.

  • Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros de Cuba em Portugal

    O CPPC esteve presente, no passado sábado, numa recepção na Embaixada de Cuba em Portugal a propósito da visita, ao nosso, país do vice-ministro dos negócios estrangeiros de Cuba, Marcelino Medina, que agradeceu a solidariedade das organizações portuguesas e reafirmou a necessidade da mesma continuar e ser cada vez mais activa para com o povo cubano e a sua revolução.

  • "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” em Lisboa

    Em Lisboa, mais de uma centena de pessoas participaram ontem, dia 19 de Setembro, no acto público "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!".
     
    O desfile iniciou-se junto aos Armazéns do Chiado e terminou no Largo Camões onde foi aprovada por unanimidade a seguinte moção:
     
    "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!
     
    Assistimos a um prolongado conflito na Síria, que tendo aparentemente surgido a partir de manifestações de insatisfação social, rapidamente foi apropriado por organizações subversivas armadas
  • "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” no Porto

    "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” no Porto
     
    Realizou-se ontem, 20 de Setembro, na Baixa do Porto, uma acção de solidariedade com o povo sírio, pelo fim da agressão contra a Síria e contra as acções de desestabilização do país, promovidas por potências estrangeiras. Nesta acção de contacto e esclarecimento da população sobre a situação na Síria estiveram presentes representantes de várias organizações subscritoras da moção "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!”, culminando nas intervenções de Ilda Figueiredo, Presidente da Direcção do CPPC, e Elisabete Silva, Coordenadora Nacional da Juventude Operária Católica.
  • "Plena solidariedade à Venezuela e seu povo!"

     

    A presidente do Conselho Mundial da Paz (CMP), Socorro Gomes,que regressou recentemente da Venezuela, onde participou numa missão de solidariedade organizada pela Federação Mundial da Juventude Democrática com o apoio do CMP, endereçou ao Presidente Nicolás Maduro a carta que reproduzimos abaixo:

    "Ao Exmº Sr.

    Nicolás Maduro

    Presidente da República Bolivariana da Venezuela

    Plena solidariedade à Venezuela e seu povo!

    Diante da escalada de eventos agravados pela ingerência do imperialismo estadunidense, manifestamos mais uma vez veementemente, em nome do Conselho Mundial da Paz, o repúdio às agressões contra a República Bolivariana da Venezuela, aos intentos golpistas por parte do imperialismo estadunidense em aliança com a oligarquia e a extrema-direita venezuelana.

  • 1º de Maio de 2014

     
    O CPPC participará e apela à participação de todos, em Coimbra, Lisboa e Porto, nas manifestações comemorativas do 1º Maio, convocadas pela CGTP-IN. Para os amigos que queiram participar com o CPPC, os pontos de encontro serão:

    Coimbra
    Praça da República junto do nº 28, às 14h30.

    Lisboa
    Martim Moniz junto ao Centro Comercial da Mouraria, às 14h30.

    Porto
    Avenida da Liberdade, em frente ao Café Guarany, pelas 15h00.
     
    SAUDAÇÃO AO 1º DE MAIO

    No ano em que decorre o 40º Aniversário da Revolução do 25 de Abril e da reconquista do direito a comemorar, em liberdade, o 1º de Maio - DIA INTERNACIONAL DO TRABALHADOR – o Conselho Português para a Paz e Cooperação – CPPC – saúda os trabalhadores portugueses e associa-se às manifestações, convocadas pela CGTP-IN, para fazerem desta jornada de luta um ponto alto na crescente manifestação popular de repúdio pelas severas, injustas e insuportáveis políticas de austeridade que têm vindo a aprofundar o aumento da exploração e empobrecimento dos trabalhadores, dos reformados e das classes e camadas sociais de mais baixos rendimentos.

    Se tais medidas, impostas pela tróica e levadas a cabo pelo governo, tinham como pretexto reduzir o défice orçamental e a dívida publica, três anos passados o balanço é profundamente negativo. A dívida pública passou de 94 % do Produto Interno Bruto, em 2010, para 130 % no final de 2013, o défice continua na ordem dos 4 %, o número real do desemprego ronda um milhão e meio de trabalhadores, dos quais quase 50% são jovens. Esta situação agrava a pobreza, fome, miséria e a exclusão social. Mais de 2,5 milhões de portugueses são obrigados a viver com rendimentos inferiores ao limiar da pobreza.
    Muitos jovens, mesmo aqueles que têm habilitações profissionais e académicas elevadas, são forçados a aceitar trabalhos menos qualificados e mal remunerados ou a emigrarem. Cerca de 30 % da população viu reduzido o seu poder de compra e ser-lhe retirada parte substancial do valor dos salários e pensões, assim como o aumento do tempo de trabalho e formas de trabalho precário.

    Mas os principais grupos económicos, sobretudo dos sectores não produtivos, vêm os seus lucros aumentar de forma imoral. Portugal é já um dos países da União Europeia com um dos mais injustos parâmetros de redistribuição do Rendimento Nacional.

    Estas políticas e as amarras impostas pela União Europeia, tais como o “tratado orçamental”, aumentam a dependência do nosso país em relação ao estrangeiro e põem em causa a soberania nacional.

    No âmbito da política externa, as políticas prosseguidas pelo actual governo têm vindo a acentuar a subserviência dos interesses dos Portugueses aos interesses económicos e militares das grandes potências da União Europeia e da NATO, o que contribui para agravar a penosa situação social e económica vivida no país.

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação defende um Portugal de Paz e de progresso económico e social só possível com o fim das medidas de austeridade e com novas políticas que garantam a independência económica e política face ao exterior, que assegurem o bem-estar de todos os cidadãos, que permitam que todos os portugueses possam usufruir de uma vida digna no presente e assegurem o futuro das gerações futuras.

    O CPPC saúda, pois, a CGTP-IN, os trabalhadores e outras camadas da população pela luta que têm vindo a travar contra estas políticas e por mais justas condições de vida para o povo português.

    Defendemos e lutamos por um Portugal de Paz, Bem-estar e Progresso Social, na senda dos caminhos abertos com a Revolução libertadora do 25 de Abril de 1974.

    Neste Dia Internacional dos Trabalhadores, saudamos os trabalhadores e povos de todo o mundo que, com determinação, coragem e combatividade lutam por um mundo mais justo, mais fraterno, mais solidário. Por um mundo de Paz.

    Viva o Primeiro de Maio.

    Viva a Paz.
  • 1º de Maio de 2014 - Lisboa

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou, em Lisboa, da manifestação convocada pela CGTP-IN para comemorar o Dia do Trabalhador, sob o lema "Abril e Maio de novo com a força do povo". Durante o percurso os activistas do CPPC distribuíram centenas de exemplares do mais recente Notícias da Paz.
    O CPPC marcou ainda presença com uma banca na Alameda D. Afonso Henriques.

  • 1º de Maio de 2014 - Porto

    O núcleo do Porto do Conselho Português para a Paz e Cooperação participou no desfile do 1º de Maio no Porto e os seus activistas da paz distribuíram centenas de documentos.

  • 23 dias de agressão israelita sobre a Faixa de Gaza

    Mais de 1600 assinaturas recolhidas!

    Assine e divulgue!

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT74233

     

     

     

  • A justiça é a melhor retaliação

    Por Hikmat Ajjuri, Embaixador da Palestina em Portugal

    Imagens terríveis chegam de Gaza todos os dias desde que Israel começou o genocídio de palestinianos na Faixa de Gaza. Partes de corpos humanos, cabeças divididas a meio, mãe morta com filho bebé abraçados e famílias inteiras enterradas sob os telhados depois de terem sido bombardeadas pelos aviões militares israelitas, navios de guerra e tanques.

    Esta desproporcionalidade da força israelita é, só por si, um crime de guerra, de acordo com a lei da guerra. Se estes crimes tivessem sido perpetrados por qualquer outra força que não a da ocupação israelita, não há dúvida de que a reação da comunidade internacional teria sido obviamente diferente.

    Neste contexto, emergem duas questões legítimas. A primeira n: poderá alguém, com algum senso de humanidade, justificar este genocídio em Gaza às mãos do ocupante contra o ocupado? A segunda é: Não será este assassinato constante dos palestinianos inocentes – enfrentado por um silêncio vergonhoso da comunidade internacional em favor de Israel – o que terá alimentado a criação do radicalismo islâmico?

  • A Venezuela não é uma ameaça!

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou no lançamento, em Lisboa, da campanha de recolha assinaturas pela retirada da nota presidencial de Barack Obama, que reforçou as sanções contra a República Bolivariana da Venezuela, considerando que esta representa uma "ameaça inusual e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos". Uma nota que consiste em mais um grave passo na continuada campanha de pressão e ingerência que os EUA têm dirigido contra o povo venezuelano.
    Nesta iniciativa participaram dezenas de portugueses e também de venezuelanos que se encontram no nosso país.
    Lembramos que pode apoiar esta iniciativa em www.change.org/p/presidente-de-ee-uu-barack-obama-retiro-in…

  • A Venezuela no contexto mundial - Seixal

    Realizou-se, no passado dia 27 de Novembro, no auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal, o colóquio “Venezuela no contexto mundial” visando divulgar as importantes conquistas do povo venezuelano durante os 16 anos da Revolução Bolivariana, quando se aproximam as eleições legislativas de 6 de Dezembro e há uma forte campanha mediática de desinformação sobre a situação na República Bolivariana da Venezuela.

  • Acampamento pela Paz - Évora 2015