Outras Notícias

América Latina

  • O povo venezuelano persiste no caminho do futuro

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) congratula-se e saúda o povo venezuelano pela forma como decorreram as recentes eleições regionais na República Bolivariana da Venezuela, que tiveram lugar no passado dia 15 de Outubro.

    Nesta eleições votaram mais de 60% dos eleitores, em mais de 40 mil mesas e centros eleitorais, tendo a coligação Grande Pólo Patriótico – constituída pelo Partido Socialista Unido da Venezuela e mais nove outras forças políticas – conquistado 18 dos 23 estados, tendo alcançado 54% dos votos.

    Trata-se de um resultado que – na continuidade da eleição da Assembleia Nacional Constituinte – reafirma a clara rejeição por parte da maioria do povo venezuelano da violência dos grupos armados golpistas, da descarada e inaceitável acção de ingerência e ameaças de intervenção dos EUA contra a Venezuela, e do constante boicote económico e bloqueio financeiro que promove. O povo venezuelano não quer voltar para trás.

  • Obama, a Venezuela não é uma ameaça!

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação associa-se à iniciativa "Pela retirada imediata da ordem executiva contra a Venezuela" e apela à subscrição do texto abaixo, através da ligação www.change.org/p/presidente-de-ee-uu-barack-obama-retiro-in…

    "OBAMA, A VENEZUELA NÃO É UMA AMEAÇA

    PELA RETIRADA IMEDIATA DA ORDEM EXECUTIVA CONTRA A VENEZUELA

    Nós, amantes da paz, dirigimos um apelo ao governo dos EUA para que assuma as suas obrigações internacionais, no respeito pela autodeterminação dos povos e ao direito destes decidirem livremente o seu caminho.

    No dia 9 de Março fomos surpreendidos pela Ordem Executiva emitida pelo presidente Obama através da qual “declara uma emergência nacional perante a ameaça inusual e extraordinária para a segurança nacional e a política externa dos Estados Unidos representada pela situação na Venezuela.”

    Esta declaração é ainda mais surpreendente ao ser feita dois dias após a União de Nações do Sul (UNASUR), órgão de integração regional, ter estado na Venezuela e reunido com todos os poderes públicos deste país, reunido com vários representantes dos diversos partidos da oposição, o que representou um apoio à democracia venezuelana e às eleições parlamentares previstas para o final do ano.

    Destacamos, ainda, que a presença do Secretário Geral da UNASUR e dos ministros dos negócios estrangeiros do Equador, da Colômbia, do Brasil e do Uruguai, aconteceu por iniciativa do próprio Presidente da República Bolivariana da Venezuela, que desde o início do ano pediu a participação deste organismo para que facilite o diálogo com o governo dos EUA.

    Nem as sanções, nem os bloqueios, nem as agressões armadas são caminhos para um diálogo verdadeiro. A história já demonstrou, como o admitiu o governo de Obama, no passado dia 17 de Dezembro em relação a Cuba, que essas são políticas ineficientes e que só prejudicam os povos.

    Nós, amantes da PAZ e acérrimos inimigos da GUERRA, opomo-nos a estas acções e apelamos a que o Presidente Barack Obama retire a Ordem Executiva contra a Venezuela e normalize as relações diplomáticas com o governo, legitimamente eleito, do Presidente Nicolás Maduro, com base no respeito mútuo e no princípio da não ingerência nos assuntos internos de outros países."

    ‪#‎ObamaDerogaElDecretoYa‬

  • Povo brasileiro em defesa da democracia

    Tem lugar hoje, 24 de Janeiro, em Porto Alegre, o julgamento do recurso apresentado pelo antigo presidente brasileiro Luís Inácio «Lula» da Silva relativo ao processo judicial que, como tem sido amplamente apontado, visa inviabilizar a sua candidatura à Presidência da República.

    Trata-se de um processo judicial marcadamente político, que tem como único objectivo prosseguir o golpe de Estado institucional que colocou no poder Michel Temer e os interesses dos grandes grupos económicos e financeiros brasileiros, em sintonia com os interesses dos EUA.

    Os sectores golpistas procuram criar condições para o prosseguimento do golpe, nomeadamente inviabilizando a candidatura de «Lula». Um golpe que alterou o rumo político do país, com a reversão de importantes políticas sociais, a entrega de sectores económicos e recursos naturais a grupos estrangeiros e a ruptura com as estruturas de integração e cooperação soberana e de paz ao nível regional.

    Solidário com o povo brasileiro que se bate pela democracia e os seus direitos, o CPPC reafirma a sua condenação do golpe em curso no Brasil, certo que a unidade das forças e movimentos que defendem a democracia, o progresso e a paz são factores essenciais para resistir e derrotar o projecto golpista neste grande país sul-americano.

    Direcção Nacional do CPPC

  • Presidenta do Conselho Mundial da Paz rechaça exercício militar com os EUA na Amazônia

    Divulgamos posição da presidente do Conselho Mundial da Paz publicada no site da organização brasileira do CEBRAPAZ.

    "Presidenta do Conselho Mundial da Paz rechaça exercício militar com os EUA na Amazônia

    A presidenta do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, emitiu uma declaração nesta segunda-feira (8) em que condena os planos para a realização de um exercício militar conjunto na tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia com a participação de tropas estadunidenses. As notícias foram veiculadas recentemente pela mídia brasileira e o exercício está previsto para novembro. Leia a declaração de Socorro a seguir:

    Contra a presença militar dos EUA na Amazônia!

  • Recepção - Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP)

    No passado dia 17 o CPPC recebeu uma delegação do Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP). Na reunião entre os representantes cubanos e a Direcção do CPPC, em que foram trocadas informações sobre a situação dos dois países, e abordada a solidariedade com Cuba por parte do povo português, e dos povos de todo o mundo, foi dada informação sobre a realização do III Encontro de Solidariedade com Cuba, “Cuba Solidariedade 2014” a realizar em Outubro do próximo ano em Havana.

  • Semana Mundial de Solidariedade com a Revolução Bolivariana

     

    No quadro dos recentes acontecimentos na Venezuela e da Semana Mundial de Solidariedade com a Revolução Bolivariana a assinalar de 1 a 8 de Março, o CPPC, a CGTP e a AAPC colocaram à subscrição das organizações portuguesas o seguinte texto:

    Solidariedade com a Revolução Bolivariana

  • Sessão de solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela

    A sessão de solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela, promovida pelo CPPC, na terça-feira, 10 de Abril, no auditório da Escola Profissional Bento de Jesus Caraça, em Lisboa, que contou com a presença do Ex.mo Sr. Ministro do Poder Popular para as Relações Externas da República Bolivariana da Venezuela, Jorge Arreaza, constituiu mais uma demonstração da firme e constante solidariedade do movimento da paz português com o processo emancipador e libertador iniciado, há quase 20 anos, naquele país sul-americano, na sequência da vitória de Hugo Chávez nas eleições presidenciais de 1998. Foi, também, um importante momento de esclarecimento e compreensão da situação actual na Venezuela e das perspectivas de futuro imediato.

  • Sessão de Solidariedade com a Revolução Bolivariana

    solidariedade com a revolucao bolivariana 1 20140306 1040738683

    Cerca de 150 pessoas estiveram presentes na Sessão de Solidariedade com a Revolução Bolivariana - Hugo Chávez - Memória e Legado de um Líder - que assinalou o primeiro aniversário do falecimento do presidente Hugo Chávez.

    Na intervenção inicial a presidente da direcção do Conselho Português para a Paz e Cooperação, Ilda Figueiredo, abordou o legado de Hugo Chávez, a importância da Revolução Bolivariana para o povo da Venezuela e os contributos positivos para a região, realçando a necessidade de a defender, em especial no momento em que "...aqueles que perderam sucessivas eleições, continuam a recorrer a todos os meios, incluindo a violência, para tentar alterar a ordem constitucional e anular a vontade do povo venezuelano, livremente expressa em sucessivas eleições presidenciais, nacionais, regionais e locais.". Actos de violência, uma vez mais, condenados pelo CPPC.

    Na sua intervenção, o Exmo. Senhor Embaixador da República Bolivariana da Venezuela em Portugal, Lucas Ríncon Romero, agradeceu a solidariedade demonstrado com o povo venezuelano e afirmou que os ideais de Chávez estão mais vivos que nunca nos povos do mundo, tendo realçado muitos dos progressos alcançados pela Revolução Bolivariana, continuou apresentando uma cronologia dos recentes actos de desestabilização e violência perpetrados por forças reaccionárias na Venezuela, denunciando a manipulação e verdadeira guerra mediatica desencadeada contra o seu país por forças estrangeiras e da oposição.


    Os participantes na sessão puderam ainda apreciar a exposição fotográfica "Hugo Chávez Percursor de um Mundo Multipolar".

    Veja mais fotos...

  • Sessão de solidariedade com a Venezuela

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) promove uma Sessão de Solidariedade com a Venezuela na próxima Terça-feira, dia 10 de Abril, pelas 18.00 horas, na Escola Profissional Bento de Jesus Caraça, em Lisboa (Rua Victor Córdon, nº1 – Metro Chiado), que contará com a presença do Ex.mo Sr. Ministro do Poder Popular para as Relações Externas da República Bolivariana da Venezuela, Jorge Arreaza, e da Presidente da Direcção Nacional do CPPC, Ilda Figueiredo.

    Esta será uma oportunidade para conhecer melhor a situação que se vive neste país, alvo de uma intensa operação de desestabilização e agressão externa – com o bloqueio e boicote económico, a tentativa de isolamento político e diplomático, e uma violenta campanha mediática – dirigida contra as instituições democráticas venezuelanas, incluindo os seus legítimos Presidente e Governo. Operação que procura degradar as condições económicas e sociais naquele país, prejudicando seriamente amplos sectores da sociedade venezuelana, que integra uma numerosa comunidade portuguesa.

    Direcção Nacional do CPPC

  • SOLIDARIEDADE COM A AMÉRICA LATINA

    A Cimeira das Américas decorre dias 10 e 11 de Abril, no Panamá, e conta, pela primeira vez com a participação de Cuba.
    Socorro Gomes, Presidente do Conselho Mundial da Paz, que participa nos fóruns que decorrem na Cidade do Panamá nos dias que antecedem esta Cimeira, afirma que “Os EUA ficaram isolados na questão da participação de Cuba. A OEA (Organização dos Estados Americanos) tem servido como uma espécie de instrumento de domínio dos EUA na região”, acrescentando que “Os povos disseram em alto e bom tom que não aceitam nenhuma reunião continental sem a presença de Cuba”.

    Em grande destaque nesta Cimeira estará ainda a República Bolivariana da Venezuela, confrontada recentemente com um inaceitável decreto do Presidente norte-americano onde é classificada como uma «ameaça à segurança dos EUA».
    A Venezuela anunciou que irá apresentar nesta Cimeira os muitos milhões de assinaturas recolhidas na campanha internacional pela revogação imediata do decreto do Presidente Obama contra a República Bolivariana da Venezuela – um abaixo-assinado que em Portugal foi apoiado pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) que, como outras diversas organizações, promoveu a recolha de assinaturas.

    O CPPC expressa a sua solidariedade com Cuba - que é vítima do bloqueio e ingerência dos EUA -, assim como com a Venezuela - vítima da ingerência dos EUA -, e com todos os povos e países da América latina e das Caraíbas que afirmam a sua soberania e independência nacional, que afirmam o direito de decidir do seu futuro.

    O CPPC saúda a acção dos movimentos da paz de Cuba e da Venezuela, assim como de outros países da América Latina, no quadro da realização desta Cimeira, desejando que este seja um momento de fortalecimento da luta pela paz.

  • Solidariedade com a América Latina

    17 de Maio, às 19h00, na Casa do Alentejo, em Lisboa

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), a Associação de Amizade Portugal-Cuba (AAPC) e a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional (CGTP-IN) organizam uma sessão pública de solidariedade com a América Latina que contará, para além de intervenientes destas organizações, com a participação de deputados de países latino-americanos.

    Divulga e participa!

     

  • Solidariedade com a América Latina

    A Casa do Alentejo acolheu ontem, 17, uma sessão de solidariedade com a América Latina, promovida pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), pela Associação de Amizade Portugal-Cuba (AAPC) e pela Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN).

    A iniciativa, que contou com a presença de mais de 20 deputados de forças progressistas de vários países da América Latina, das Caraíbas e da Europa e dos Embaixadores de Cuba e da Venezuela, foi assistida por uma sala completamente cheia, que não deixou nem por um instante de seguir atentamente as intervenções e de manifestar o seu apoio.

    Na mesa, as três organizações promotoras e deputados latino-americanos da Argentina, da Bolívia, do Brasil, de Cuba, de El Salvador, do Equador, do Perú, do Uruguai e da Venezuela partilharam os seus pontos de vista sobre as lutas dos povos, os avanços progressistas, a afirmação soberana e a cooperação, que tão importantes têm sido para o reforço da luta pela paz, mas também a resistência face à ofensiva das oligarquias e dos EUA contra as conquistas e avanços alcançados que melhoraram a vida de muitas dezenas de milhões de pessoas.

    Num ambiente festivo e combativo, que marcou toda a iniciativa, ficou clara a solidariedade entre os presentes e a profunda convicção de que, apesar de todas as ameaças e possíveis recuos momentâneos, o futuro será o que os povos através da luta e da sua solidariedade determinarem, um futuro mais justo e próspero, um futuro de Paz.

    A sessão terminou com um momento musical protagonizado pelo grupo português “El Sur”.

  • SOLIDARIEDADE COM A AMÉRICA LATINA EM LUTA

  • Solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela

    Face às acções de provocação e desestabilização e aos actos de violência e destruição perpetrados na República Bolivariana da Venezuela por sectores mais reaccionários da oposição, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) condena firmemente tais acções e actos e expressa toda a solidariedade com o povo venezuelano na sua luta corajosa na defesa da Revolução Bolivariana e dos importantes desenvolvimentos económico, social e cultural já conseguidos.

    Tais ataques violentos, da parte de forças reacionárias da oposição, demonstram que aqueles que perderam sucessivas eleições continuam a recorrer a todos os meios, incluindo a violência, para tentar alterar a ordem constitucional e anular a vontade do povo venezuelano, livremente expressa em sucessivas eleições presidenciais, nacionais, regionais e locais. O que se passa demonstra que não olham a meios para pôr em causa os importantes passos e contributo dado pela República Bolivariana na consolidação da soberania da Venezuela e para a evolução solidária e progressista da América Latina.

  • Solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela

     

    venezuela-mocao 1 20140303 1230251574

    Consulte aqui a versão em pdf

     

    • Considerando as enormes mudanças, concretizadas nos últimos 14 anos, na República Bolivariana da Venezuela, após a vitória do Presidente Hugo Chávez Frias, e da corajosa acção do povo venezuelano na defesa do seu País, da sua revolução e da Constituição Bolivariana, aprovada em 1999;
    • Considerando que continuam os ataques à Revolução Bolivariana, como o demonstra a actual guerra económica de grupos nacionais e estrangeiros, que o povo venezuelano está a enfrentar, demonstrado que quer continuar o desenvolvimento económico, social e cultural e uma política de paz e cooperação entre os povos;

     

    A Assembleia da Paz, reunida no dia 7 de Dezembro, em Lisboa, na sequência das acções que o Conselho Português para a Paz e Cooperação tem promovido ou em que tem participado ao longo dos últimos anos, de solidariedade com a revolução Bolivariana e o povo venezuelano, na sua afirmação soberana e na defesa das suas instituições democráticas, decide:

     

    • Manifestar toda a solidariedade com o povo venezuelano na luta corajosa que enfrenta na defesa da sua Revolução Bolivariana e do importante desenvolvimento económico, social e cultural já conseguido;
    • Sublinhar as importantes conquistas do povo venezuelano na afirmação da sua vontade, expressa nas urnas e nas ruas, de prosseguir o caminho das transformações revolucionárias e de afirmação da sua soberania e independência nacionais perante a ameaça de ingerências externas;
    • Expressar a vontade de continuar a desenvolver acções de apoio e divulgação do importante contributo dado pela República Bolivariana da Venezuela para a evolução progressista da América Latina e para a sua afirmação soberana, (dando igualmente sequência à decisão da recente reunião do Comité Executivo do Conselho Mundial da Paz, realizada em Caracas.)

     

     Lisboa, 7 de Dezembro de 2013

     

     

     

  • Solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela

     

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) reafirma o seu apoio ao povo venezuelano e à Revolução Bolivariana, a exemplo do que tem feito ao longo dos anos, designadamente quando as forças reaccionárias pretendem, através de uma violenta campanha anti-democrática, pôr em causa as escolhas do povo venezuelano e os seus dirigentes democraticamente eleitos.

    Assim, além de estar empenhado, em conjunto com outras organizações, na realização de acções de solidariedade com a Revolução Bolivariana, o CPPC torna clara a sua firme condenação da recente tentativa de golpe de Estado contra o Governo da Venezuela e o seu legítimo Presidente, Nicolás Maduro, bem como das manobras de desestabilização política, económica e mediática levadas a cabo pelas forças reaccionárias venezuelanas com apoios estrangeiros.

  • Solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela em Coimbra

    5 Março , quinta-feira, 21h30 no ATENEU
    (rua do Cabido- Coimbra)

    Na sessão promovida pelo CPPC e a AAPC será exibido o documentário "A revolução não será televisionada" de Kim Bartley e Donnacha O'Briain seguido de debate sobre a situação na Venezuela.

  • Solidariedade com a Revolução Bolivariana

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação, participou hoje na acção de solidariedade com a Revolução Bolivariana, que reuniu um alargado conjunto de organizações e cidadãos progressistas. As organizações presentes entregaram ao Exmo. Sr. Embaixador da República Bolivariana da Venezuela várias tomadas de posição expressando o seu apoio ao povo venezuelano.

     

  • Solidariedade com a Revolução Bolivariana

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação convida todos os amigos e amigas a participarem na Sessão de Solidariedade com a Revolução Bolivariana a realizar no próximo dia 5 de Março na Casa do Alentejo em Lisboa pelas 18h30.

    A iniciativa promovida pelo CPPC a CGTP-IN e a AAPC contará com a participação da embaixada da República Bolivariana da Venezuela.

    Participa!

     

  • Solidariedade com a Revolução Bolivariana - Intervenção de Ilda Figueiredo

    solidariedade com a revolucao bolivariana 2 20140306 1479396234

    Senhor Embaixador da República Bolivariana da Venezuela
    Caros Amigos

    Em nome do Conselho Português para a Paz e Cooperação saúdo todos os presentes nesta acção de Solidariedade com a Revolução Bolivariana da Venezuela e de homenagem à memória do Presidente Hugo Chavez e ao seu legado de líder que o povo amava porque ele amava o povo. Foram enormes as mudanças concretizadas nos 14 anos da sua presidência da República Bolivariana da Venezuela e da corajosa acção do povo venezuelano na defesa do seu País, da sua revolução e da Constituição Bolivariana, aprovada em 1999.


    O Presidente Hugo Chávez Frías faleceu em Caracas a 5 de março de 2013, cinco meses depois de ter sido reeleito para mais um mandato como Presidente da República Bolivariana da Venezuela, cargo que ocupava desde 1998, período durante o qual não faltaram tentativas das forças reacionárias com apoio exterior, sobretudo dos EUA, de pôr em causa as profundas transformações políticas, económicas e sociais da Revolução Bolivariana.


    Novamente registam-se acções de provocação e desestabilização, actos de violência e destruição perpetrados na República Bolivariana da Venezuela por sectores dos mais reaccionários da oposição, tentando pôr em causa o Presidente Nicolás Maduro, democraticamente eleito o ano passado.


    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) já condenou firmemente tais acções e actos e expressa toda a solidariedade com o povo venezuelano na sua luta corajosa na defesa da Revolução Bolivariana e dos importantes desenvolvimentos económico, social e cultural já conseguidos, além dos importantes contributos que estão a dar para a construção de alternativas progressistas em diversos países da América Latina, de que são exemplos ALBA, UNASUR, CELAC e Mercosul.
    As reformas políticas e sociais levadas a cabo pela Revolução Bolivariana, com a efectiva participação da população, combinando justiça social com respeito pelas liberdades cívicas e direitos humanos, e vontade política de usar a riqueza do país, designadamente o petróleo, para o bem-estar de todos os venezuelanos, visando construir um mundo mais pacífico, baseado em relações mais igualitárias entre países, foram a razão de sucessivas vitórias eleitorais de Hugo Chavez e, agora, de Nicolás Maduro.


     As escolhas políticas progressistas feitas pelo Projecto Bolivariano, na construção de alternativas ao neoliberalismo e na construção de pontes entre instituições e participação popular, estão a provocar violentos ataques da oposição. Tais ataques violentos, da parte de forças reacionárias, demonstram que, aqueles que perderam sucessivas eleições, continuam a recorrer a todos os meios, incluindo a violência, para tentar alterar a ordem constitucional e anular a vontade do povo venezuelano, livremente expressa em sucessivas eleições presidenciais, nacionais, regionais e locais.


    O que se passa demonstra que não olham a meios para pôr em causa os importantes passos e o contributo dado pela República Bolivariana na consolidação da soberania da Venezuela e para a evolução solidária e progressista da América Latina.


    O CPPC tem alertado para a gravidade da situação e apelado à solidariedade de todos os democratas e organizações progressistas para com povo venezuelano e as suas importantes conquistas - alcançadas por sua vontade, expressa nas urnas e nas ruas, de prosseguir o caminho das transformações sociais e de afirmação da soberania e independência nacionais - perante as ameaças de recrudescimento de renovadas ingerências externas.


    Em nome do CPPC renovo aqui a nossa solidariedade com a Revolução Bolivariana e o povo venezuelano na sua afirmação soberana e na defesa das suas instituições democráticas e o nosso apelo para que se denuncie a actual violência e destabilização que o povo venezuelano está a enfrentar, dando provas de que quer continuar o desenvolvimento económico, social e cultural e uma política de paz e cooperação entre os povos, mantendo e prosseguindo o legado do comandante Hugo Chavez.

    Viva a Revolução Bolivariana da Venezuela!