Outras Notícias

Lisboa

  • Culminando uma campanha em defesa da Paz e de denúncia da NATO e dos objectivos belicistas da sua cimeira de Bruxelas, "Sim à Paz! Não à NATO!", subscrita por 28 organizações portuguesas, muitos foram os activistas que percorreram ao final da tarde de dia 24 as ruas da baixa lisboeta exigindo a dissolução da NATO, o fim da corrida aos armamentos e das bases militares estrangeiras, o desarmamento.

    A campanha que contou com iniciativas em várias outras cidades do país, nomeadamente com a distribuição de milhares de documentos, foi expressão do desejo de paz e repúdio pela NATO, enquanto bloco político-militar agressivo caracterizado como a maior ameaça à paz mundial.

    A acção, convocada pelo conjunto das organizações e movimentos subscritores, decorreu sob palavras de ordem como "Sim à Paz! Não à NATO", "Defender a Constituição! NATO não!", "Trabalho sim! Guerra Não", entre outras, e decorreu na véspera da cimeira da NATO em Bruxelas ao mesmo tempo que, na capital belga, milhares de pessoas faziam também ouvir a sua voz em defesa da paz, onde também participava uma delegação do CPPC.

    No final, intervieram representantes da CGTP-IN, do MDM, da Associação «Projecto Ruído» e do CPPC.

  •  sim a paz nao a nato lisboa 2018 1 20180714 1051838237

    Ontem, dia 9 de Julho em Lisboa, a campanha "Sim à Paz! Não à NATO!", realizou um acto público em Lisboa continuando a denúncia da NATO e dos objectivos belicistas da sua cimeira de Bruxelas, que terá lugar nos dias 11 e 12 deste mês. Muitos foram os activistas que percorreram ao final da tarde as ruas da baixa lisboeta exigindo a dissolução da NATO, o fim da corrida aos armamentos e das bases militares estrangeiras, o desarmamento geral e controlado e o respeito por parte das autoridades portuguesas, dos princípios constitucionais, nomeadamente com o estabelecimento de um política externa de paz e cooperação.

    O acto, convocado pelo conjunto das organizações e movimentos subscritores, decorreu sob palavras de ordem como "Sim à Paz! Não à NATO", "Defender a Constituição! NATO não!", "Trabalho sim! Guerra Não", entre outras.

  • O CPPC participou nas comemorações populares do 25 de Abril em Lisboa.

    Aderentes e amigos do CPPC desceram a Avenida da Liberdade com uma faixa onde se podia ler "Pela Paz, por Abril!", tendo distribuido centenas de documentos.

  • debate na escola secundaria camoes em lisboa 3 20181222 1222149611

    O Conselho Português para a Paz e a Cooperação, no âmbito das suas actividades em defesa da paz, da segurança e da cooperação internacionais e pela amizade e solidariedade entre os povos, tem continuado a marcar a sua presença em escolas, através de debates, exposições e outras iniciativas. Estas têm-se que se têm caracterizado por um grande entusiasmo e activa participação dos jovens estudantes em discutirem e aprofundarem o conhecimento sobre questões tão importantes para o presente e o futuro da Humanidade.

    Exemplo desse interesse são as iniciativas promovidas pelos próprios alunos, como foram os casos de duas turmas da Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira, localizada na Torre da Marinha (Seixal), que organizaram uma sessão, no dia 10 de Dezembro, sobre Os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Paz no Mundo, e três turmas do Escola de Camões (antigo Liceu Camões) que instalaram no átrio da Biblioteca uma exposição do CPPC, evocativa dos 100 anos da Grande Guerra e a Luta pela Paz, e realizaram, no dia 12 do mesmo mês, uma sessão/debate: Da 1.ª Guerra Mundial á Actualidade.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) esteve na rua, em Lisboa e noutras cidades do país, no passado dia 16 de Maio, a distribuir um documento de solidariedade com os refugiados.

    O assinalar de um dia de acção contra a guerra e em solidariedade com os refugiados a 16 de Maio, em vários países europeus, surge na sequência de uma decisão de organizações membro do Conselho Mundial da Paz na Europa, reunidas em Almada no passado mês de Março.

    Esta iniciativa insere-se num conjunto mais vasto de outras actividades, designadamente colóquios e debates, em torno das causas e responsáveis por esta situação, considerando que a solidariedade aos refugiados é um imperativo de respeito pelos mais elementares direitos humanos. É necessário denunciar as causas e os responsáveis que levam tantos homens, mulheres e crianças a arriscar a vida à procura de refúgio. E essas causas estão nos inúmeros conflitos, ingerências e guerras de agressão a estados soberanos, levadas a cabo por EUA, Nato e seus aliados, designadamente na Europa.

    Com estas iniciativas, o CPPC apela à Paz e à solidariedade.

  • O CPPC realizou hoje, 1 de Fevereiro, no Chiado em Lisboa uma conferência de imprensa sobre a campanha visando a adesão de Portugal ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares.

    Enquanto decorria a conferência de imprensa, activistas do CPPC distribuíram folhetos e recolheram assinaturas para a petição promovida pela campanha.

    O comunicado de imprensa:

  • A «Administração Trump, a situação nos EUA e suas repercussões na situação internacional» foi o tema do debate promovido pelo CPPC no dia 20, na Casa do Alentejo, perante uma numerosa audiência. Na mesa, estiveram Ilda Figueiredo, presidente da Direcção Nacional do CPPC, o jornalista José Goulão e o major-general na reserva Pedro Pezarat Correia.

    Na intervenção inicial, Ilda Figueiredo adiantou que, com este debate, o CPPC procurava contribuir para o aprofundamento da análise da situação internacional decorrente da eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA, não esquecendo o contexto em que esta decorreu, quer nos próprios EUA quer no resto do mundo. Esta situação, lembrou, era e é marcada pela persistência e agravamento da profunda crise económica e social, por uma grande incerteza e instabilidade e pela proliferação de conflitos, sobretudo no Médio Oriente e em África.

  • Em Lisboa, mais de uma centena de pessoas participaram ontem, dia 19 de Setembro, no acto público "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!".
     
    O desfile iniciou-se junto aos Armazéns do Chiado e terminou no Largo Camões onde foi aprovada por unanimidade a seguinte moção:
     
    "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!
     
    Assistimos a um prolongado conflito na Síria, que tendo aparentemente surgido a partir de manifestações de insatisfação social, rapidamente foi apropriado por organizações subversivas armadas
  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou, em Lisboa, da manifestação convocada pela CGTP-IN para comemorar o Dia do Trabalhador, sob o lema "Abril e Maio de novo com a força do povo". Durante o percurso os activistas do CPPC distribuíram centenas de exemplares do mais recente Notícias da Paz.
    O CPPC marcou ainda presença com uma banca na Alameda D. Afonso Henriques.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou nas comemorações do 1º de Maio promovidas pela CGTP-IN em Lisboa.

    Activistas do CPPC desfilaram com uma faixa e distribuíram o mais recente número do Notícias da Paz.

    O CPPC esteve ainda presente ao longo do dia, na Alameda Dom Afonso Henriques, com uma banca onde os interessados puderam contactar com o CPPC, com as suas posições e materiais.

  • O CPPC participou nas comemorações populares do 25 de Abril em Lisboa. Durante o desfile, ao longo da Avenida da Liberdade, foram distribuídos centenas de exemplares do mais recente "Notícias da Paz".

  • PELA PAZ, POR ABRIL! - TODOS NÃO SOMOS DEMAIS!

    O CPPC participou nas comemorações populares do 25 de Abril em Lisboa.

    Aderentes e amigos do CPPC desceram a Avenida da Liberdade com uma faixa onde se podia ler "Pela Paz, por Abril! Todos não somos demais", tendo distribuído centenas de documentos.

  •  

    Importante iniciativa sobre “ A Actualidade do Apelo de Estocolmo. A Ameaça Nuclear 65 Anos Depois" na Casa da Paz

    Em vésperas de abertura da conferência da ONU, em Nova York, sobre o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, o Conselho Português para a Paz e Cooperação realizou, em 21/4/2015, uma sessão na Casa da Paz, em Lisboa, onde se assinalou a comemoração do 65º aniversário do Apelo de Estocolmo.

    Na abertura da iniciativa intervieram: Ilda Figueiredo - Presidente da direcção do CPPC; Frederico Carvalho – Investigador; Manuel Simões - Liga Operária Católica; Rui Namorado Rosa - Vice-presidente da direcção do CPPC e Sérgio Ribeiro – Economista.

  • A presidente da Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação, Ilda Figueiredo, participou, ontem, numa acção de sensibilização para a importância da luta pela paz dirigida aos participantes da reunião do Conselho Regional de Delegados da Direcção Regional de Lisboa do STAL.

     

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação realiza um almoço convívio no próximo dia 18 de Março pelas 13h na Rua Víctor Cordon, nº1.

    Refeição completa (10 CPPCs)

    Ementa

    • Creme de Legumes
    • Bacalhau Cremoso ou Strogonoff de Peru ou Lasanha Vegetariana
    • Fruta, Gelatina, Mousse de Chocolate ou Mousse de Manga
    • Café

    Inscrições e informações pelo email Este endereço de correio electrónico está protegido contra leitura por robôs. Necessita activar o JavaScript para o visualizar. ou pelo telefone 213 863 575 até o dia 16 de Março.

    Participa, divulga traz um amigo!

  • dia do trabalhador 2014 2 20140504 1997945126

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) chama a atenção e repudia o constante desrespeito que Governo e Presidente da República demonstram pelos portugueses, pela Constituição da República Portuguesa (CRP) e pelas leis do Estado.

    O CPPC considera ser urgente pôr fim a uma política externa, marcada pela total subserviência aos interesses e políticas belicistas da NATO, dos Estados Unidos da América e da União Europeia, em total desrespeito pela Constituição da República, que leva o nosso país a um alinhamento com aqueles na violação do direito internacional,

  • O CPPC realizou no passado sábado, uma Assembleia da Paz onde foram aprovados o Relatório de actividades e a conta de gestão relativos ao ano de 2016.

    Após a Assembleia houve um momento de discussão e análise da actualidade internacional, com a intervenção de várias organizações e activistas presentes, onde ficou sublinhada a necessidade de fortalecer o movimento e a luta pela Paz, ao qual se seguiu um animado almoço convívio.

  • A Assembleia da Paz do CPPC, realizada no sábado, 16, de manhã nas instalações da Escola Profissional Bento de Jesus Caraça, em Lisboa, projectou a acção em prol da paz e da solidariedade para o próximo biénio. A defesa da paz e do desarmamento, a exigência de dissolução da NATO e do fim das bases militares estrangeiras, a solidariedade aos povos que se batem pela seu direito ao desenvolvimento soberano e a luta por uma política externa portuguesa coerente com o espírito e a letra da Constituição da República Portuguesa são eixos prioritários da acção do CPPC.