Outras Notícias

Siria

  • Preocupado com a escalada de agressão dos EUA e seus aliados na Síria, com os riscos que a situação representa para Paz mundial e consciente da necessidade de uma ampla unidade das forças que defendem a Paz o Conselho Português para a Paz e Cooperação subscreveu e divulga o apelo internacional "EUA - tirem as mãos da Síria".
    O apelo pode ser subscrito em handsoffsyriacoalition.net/

  • Folheto distribuído com o Notícias da Paz no início de Setembro.

  • Pela Paz na Síria

    Fim à ingerência e à agressão

    Pelo respeito da soberania e independência da Síria

    Há mais de cinco anos que a Síria e o seu povo enfrentam uma cruel agressão, resultante da ingerência externa e da acção de terror de grupos de mercenários, financiados, treinados e armados pelos EUA, a França, o Reino Unido, Israel, a Turquia, a Arábia Saudita, o Qatar, entre outros países. Uma guerra de agressão que provocou centenas de milhares de mortos e feridos, milhões de deslocados e refugiados, a destruição de um país, com tudo o que significa para a vida dos trabalhadores e população em geral.

  • PORTO

    Pela Paz! Não à Agressão à Síria!

    20 de Setembro - 17,30

    Praça da Liberdade

    junto à igreja dos Congregados

  • É com profunda preocupação que o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) acompanha a escalada de tensão em torno da Síria e repudia veementemente as ameaças dos EUA, Reino Unido e França de uma nova agressão contra aquele país.

    Esta nova agressão seria não só totalmente ilegítima e ilegal como teria imprevisíveis e graves consequências, com repercussões não só no Médio Oriente, mas também por todo o mundo.

    A Síria, com os seus aliados, já fez saber que responderá firmemente a qualquer nova escalada na agressão de que é vítima desde há sete anos.

  • É com profunda preocupação que o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) constata a intensificação da propaganda de guerra com que se tenta legitimar a continuação e, mesmo, o agravamento da agressão contra a República Árabe da Síria e o povo sírio, procurando abrir caminho à aceitação de que esta agressão se passe a realizar, agora, de uma forma abertamente directa.

    Após sete anos de uma ininterrupta e brutal agressão por parte de grupos terroristas – criados, armados, financiados e apoiados pelos EUA e outros países da Europa e do Médio Oriente, como o Reino Unido, a França, a Turquia, Israel, a Arábia Saudita, o Qatar ou a Jordânia –, o CPPC chama a atenção para a tentativa daqueles que, face à derrota dos seus grupos terroristas, procuram pretextos, a coberto de mentiras, para impor uma escalada na guerra e, consequentemente, mais morte e sofrimento ao povo sírio, a exemplo do que aconteceu noutros momentos e noutros países, como o Iraque e a Líbia.

  • Contra a agressão dos EUA, Reino Unido, França e seus aliados

    Os povos do Médio Oriente têm sido vítimas de permanentes agressões protagonizados pelos EUA e seus aliados, nomeadamente da Europa e do Médio Oriente. São exemplo disso as guerras de agressão contra o Afeganistão, o Iraque, a Líbia ou a Síria.

    Também a agressão contra o Iémene, a ilegal ocupação dos territórios palestinianos por Israel e a sua repressão sobre o povo palestiniano – não esquecendo a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e de mudar a sua embaixada para esta cidade –, são exemplos da política belicista contra Estados soberanos e desrespeitadora da soberania e direitos dos povos do Médio Oriente por parte das potências ocidentais e seus aliados.

  • A SITUAÇÃO NA SÍRIA

    12 de Dezembro de 2016 - 21h30 - Ateneu de Coimbra

    com Ilda Figueiredo, Presidente da Direcção Nacional do CPPC

    Organização
    Conselho Português para a Paz e Cooperação

    Apoios

    Ateneu de Coimbra

    Sindicato dos Professores da Região Centro

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) denuncia os ataques dos EUA em território da Síria, contra alvos do dito “Estado Islâmico” (EI), como mais um estratagema na sua já longa história de interferência e de desestabilização da Síria e do Médio Oriente.

    Estas acções militares dos EUA violam a soberania e ameaçam a integridade territorial da Síria, são realizadas à margem do direito internacional e desrespeitam os princípios da Carta das Nações Unidas.

    A actuação norte-americana expressa, uma vez mais, a arrogância dos que se julgam acima da legalidade internacional e que, violentando através da força a soberania dos povos, pretendem dominar os recursos desta região – recordem-se os objectivos colonialistas dos EU de criação de um “Grande Médio Oriente”.
  • por José Goulão*

    O cessar-fogo na Síria patrocinado pelos Estados Unidos e a Federação Russa, levando a reboque uma ONU cada vez mais desqualificada, manipulada e irrelevante, poderá poupar vidas humanas, permitir um sabor de normalidade a populações sujeitas há meia década ao pavor da guerra, proporcionar até alguns dias e noites livres da angústia do medo. Mas pode ser também uma traiçoeira ilusão, se os tutelares desta iniciativa não forem além dela de forma a encontrarem uma solução capaz de restabelecer a soberania, a integridade e a paz na Síria.

    Este é o cerne da questão. Além de precário e periclitante, o cessar-fogo não está a ser acompanhado por medidas credíveis capazes de o consolidar e transformar em acordo de paz. Procurando não interpretar as violações já cometidas como sinais de fracasso à vista – como fazem os que vêem na guerra um caminho inevitável – a verdade é que os episódios de violência ocorridos já durante a suspensão dos combates revelam a fragilidade do acordo, apesar de conseguido pelas duas mais poderosas potências mundiais.