Outras Notícias

solidariedade

  • O Secretariado do Conselho Mundial da Paz (CMP) divulgou neste domingo (7) uma nota de solidariedade aos prisioneiros políticos palestinos em greve de fome desde 17 de abril. Já são mais de 1.500 palestinos e palestinas aderindo ao protesto desde as prisões israelitas e a manifestação tem mobilizado o apoio internacional.

    Declaração do Conselho Mundial da Paz exigindo a libertação de todos os prisioneiros políticos palestinos das prisões israelitass

    O CMP expressa sua séria preocupação sobre a ofensiva acelerada do regime de ocupação israelita na Palestina, com a continuação da colonização na Cisjordânia, as prisões e perseguição dos palestinos, até mesmo crianças, e a retórica e esforços pela judaização de Israel, assim como o impasse das negociações pela solução do problema palestino por causa do lado israelita, que recebe apoio completo dos EUA e da União Europeia.

  • O Conselho Mundial da Paz submeteu uma comunicação escrita elaborada por um grupo de organizações saaráuis para a 36ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, a realizar-se entre 11 e 29 de Setembro. No texto, o foco das denúncias é a situação das crianças saaráuis, desprotegidas e vítimas de diversos tipos de abuso e violações dos seus direitos, sob a ocupação militar marroquina. O apelo sublinha a responsabilidade das Nações Unidas na protecção dos direitos humanos dos saráuis. Leia o documento a seguir.

    Comunicação escrita submetida pelo Conselho Mundial da Paz para a 36ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (11 a 29 de Setembro de 2017), a pedido de um grupo de organizações saaráuis.
    Tradução: Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz)

  •  
    O repúdio de todos os amantes da paz no Mundo pela presença de organizações ultra-nacionalistas de inspiração fascista e nazi no governo de Kiev, foi pedra de toque na sessão que no passado domingo, 11 de Maio, no Moinho de Maré da Mourisca, no Faralhão, o CPPC e a Junta de Freguesia do Sado realizaram conjuntamente, com o apoio da Câmara Municipal de Setúbal. Ele é parte integrante da mensagem de Socorro Gomes, Presidente do Conselho Mundial da Paz, emitida logo após os massacres na Casa dos Sindicatos de Odessa, a 2 de Maio, inseridos no plano de desestabilizar a Ucrânia e nele instalar um regime fantoche que aceite alargar a NATO até às fronteiras da Rússia.
  •  

    É com grande indignação que o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) reage perante o atentado que foi levado a cabo contra a redacção do semanário francês Charlie Hebdo, em Paris.

    O CPPC manifesta o seu pesar e a sua solidariedade às famílias das vítimas e a todos os franceses que vivem com preocupação esta situação e estão empenhados na defesa das liberdades, dos direitos e da dignidade humana, do progresso social, da soberania, da democracia, da paz e da amizade entre os povos em França e em todo o mundo.

  • O CPPC manifesta o seu total repúdio pelos criminosos atentados terroristas perpetrados em Paris na noite de sexta-feira, dia 13 de Novembro, dos quais resultaram mais de uma centena de mortos e centenas de feridos, e manifesta a sua solidariedade com as vítimas, seus familiares, a todo o povo francês e ao Movimento da Paz de França.

    Estes atentados em França não podem ser desligados ou fazer esquecer os muitos actos de horror, de barbárie e de destruição perpetrados por organizações de cariz xenófobo e fascista que vitimam as populações da Síria, do Iraque e da Líbia e que estão na origem do drama de milhões de refugiados – mas também as populações do Líbano, onde, em Beirute, se deu mais um atentado na quinta-feira, matando mais de 40 pessoas, da Turquia, da Tunísia, da Nigéria, entre outros países.

    Por isso, neste momento, não é possível esquecer o papel dos EUA e outras potências militares, nomeadamente no Médio Oriente e em África que, pelas suas agressões, ingerências, promoção e apoio a grupos, como o “estado islâmico”, são responsáveis pela desestabilização de Estados soberanos e o derrube de governos legítimos – sendo, de facto, os principais responsáveis pela proliferação de grupos de cariz xenófobo e fascista e da sua acção de terror.

    Os atentados, como aquele que agora ocorreu em Paris, servem os interesses daqueles que, através da criação de uma atmosfera aterrorizante procuram levar os povos à aceitação da crescente utilização da violência nas relações internacionais e ao cerceamento de liberdades e direitos fundamentais.

    O CPPC, na sua intransigente acção em defesa da Paz e dos valores e conquistas civilizacionais da Humanidade que estiveram na base da sua criação, condenando com veemência tais actos de terror e morte, apela à afirmação da superioridade dos valores da Paz, da democracia, da liberdade e do respeito pela igualdade de direitos de todos os povos do Mundo, combatendo a xenofobia e o militarismo, na certeza de que será neste quadro de valores, inscritos na Carta das Nações Unidas e na Constituição da República Portuguesa, que o desanuviamento e a Paz nas relações internacionais terão lugar, conduzindo ao necessário e imperioso fim das ingerências, agressões e guerras, em particular no Médio Oriente.

    Pela Paz!

    Direcção Nacional do CPPC

  •  

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) expressa o seu mais profundo pesar pelas vítimas dos recentes atentados terroristas perpetrados na Bélgica, que provocaram mais de 30 mortos e cerca de 270 feridos, e transmite às famílias das vítimas e ao povo belga a sua consternação e solidariedade.

    O CPPC reafirma a sua condenação de todos os actos de terrorismo, de todas as agressões aos povos, e chama a atenção para o desafio comum que está colocado a todos os amantes da Paz: a mobilização pela causa da Paz, pela denúncia e rejeição de todas as formas de terrorismo – incluindo o terrorismo de Estado –, da opressão, da agressão e da guerra.

    Mobilização pela causa da Paz que exige igualmente a rejeição da promoção da xenofobia e do racismo.

    O CPPC não pode deixar de denunciar as políticas de agressão e guerra contra Estados soberanos que os EUA, a União Europeia e a NATO continuam a praticar, inclusive, apoiando e usando grupos que espalham o terror e a destruição no Norte de África, no Médio Oriente ou na Ásia Central e, agora, em países da Europa.

    O CPPC considera que se coloca a exigência e a premência de parar as agressões e guerras, criar condições favoráveis ao desenvolvimento e progresso social, defendendo a liberdade e a democracia, respeitando os direitos e a soberania dos povos e a independência dos Estados, pugnando pela cooperação e diálogo para a resolução política dos conflitos internacionais de acordo com os princípios da Carta da ONU – objectivo que exige de todos os amantes da Paz um maior envolvimento em favor da causa da Paz e da solidariedade com os povos vítimas destas situações de agressão e guerra.

  • O CPPC e a Câmara Municipal de Almada homenagearam, no sábado, 17, as vítimas do atentado que, dias antes, vitimou dezenas de pessoas em Ancara, na Turquia, que participavam numa marcha pela paz. A homenagem teve lugar no Fórum Municipal Romeu Correia, onde está patente a exposição «Almada pela Paz», resultante da parceria existente entre ambas as estruturas e que até final do ano dará o mote à realização de diversas iniciativas sobre a paz.

    A sessão, apresentada por Fernando Fitas (que declamou diversos poemas relativos à paz e à guerra), contou com a presença solidária de um conjunto de artistas almadenses - De la Karta/Geração Kool, Manuel Loureiro, Nelson Paiva, Grupo Coral e Etnográfico «Amigos do Alentejo» e Sandra Costa e João Vieira - e ainda da classe de ginástica rítmica do Vitória Clube Quintinhas.

    Na sessão intervieram o membro da Direcção Nacional do CPPC Gustavo Carneiro e o presidente da Câmara Municipal de Almada Joaquim Judas, que sublinhou a importância de, hoje, defender a paz, questão essencial para construir um futuro de progresso, justiça social e soberania. O dirigente do CPPC inseriu o atentado de Ancara no processo de desestabilização do Médio Oriente, do qual o governo turco é um dos principais promotores, denunciou o carácter agressivo dos exercícios da NATO que por estes dias ocorrem no nosso País, envolvendo forças militares portuguesas e apelou à participação no desfile de sábado, 24, em Lisboa. A Constituição da República, lembrou, consagra a «dissolução dos blocos político-militares».

    A homenagem terminou com uma largada de balões brancos, onde estava impressa a célebre pomba pintada por Pablo Picasso para o movimento da Paz e inscrita a frase «Almada pela Paz».

     

  • Face aos brutais actos terroristas que têm vitimado centenas de pessoas nos últimos tempos, de que são exemplo, o acto terrorista em Nice – cujos contornos continuam por apurar na sua totalidade – ou os atentados recentemente perpetrados em Bagdade, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) transmite, em particular, aos povos francês e iraquiano a sua solidariedade neste momento difícil, de dor e consternação.

    Compreendendo os naturais sentimentos de indignação dos povos vítimas do terrorismo, o CPPC reafirma que a forma mais eficaz de combater este fenómeno é pôr fim às causas que o geram e, em especial, às guerras de agressão que, nos últimos anos, as potências ocidentais têm perpetrado contra Estados soberanos, particularmente no Médio Oriente.

    A agressão dos EUA/NATO ao Iraque, ao Afeganistão, à Líbia e, de forma encapotada, à Síria, levou à promoção e multiplicação de actos terroristas – em primeiro lugar nestes países, mas também noutros locais do mundo, nomeadamente em países da Europa – pelo que a solução não poderá nunca passar pela intensificação desta política de agressão mas pela sua substituição por uma política de desanuviamento, cooperação e respeito pela soberania e independência dos Estados e pelos direitos dos povos, uma efectiva política de Paz.

    O CPPC alerta ainda para as tentativas, aliás já em curso, de instrumentalizar os legítimos sentimentos de dor e indignação, para implementar políticas securitárias e antidemocráticas, promover o racismo e a xenofobia e justificar novas agressões.

    O que se impõe é salvaguardar o legítimo direitos dos povos a viver em paz e a decidir soberanamente dos seus destinos, promovendo a solidariedade e a amizade entre os povos, promovendo o progresso e a Paz.

    Direcção Nacional do CPPC

  • O CPPC realizou no dia 14 uma sessão pública intitulada «Pela salvaguarda dos direitos do povo sírio, da paz e da soberania. Fim à agressão à Síria!». Foram oradores os jornalistas José Goulão e Ribeiro Cardoso e o vice-presidente da direcção nacional do CPPC, Filipe Ferreira, que perante uma sala cheia e participativa denunciaram a agressão externa à Síria, que dura há já sete anos, e a forma truncada e manipulada como a generalidade da comunicação social aborda o assunto.

  • Ao tomar conhecimento da inadmissível atitude das autoridades da Turquia relativamente a organizações e movimentos sociais turcos, ordenando a sua suspensão por um período de três meses, como a Associação de Paz da Turquia, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) expressa a sua condenação da decisão das autoridades turcas.

    O CPPC denuncia este ataque aos direitos e liberdades de organizações e movimentos sociais turcos, a repressão de que está a ser vítima a Associação de Paz da Turquia, pelas forças policiais e expressamos a séria preocupação sobre os reais motivos e objetivos por detrás desta ação autoritária e anti-democrática, dado que não são aceitáveis os argumentos utilizados

    O CPPC expressa a sua solidariedade com o povo da Turquia, com as forças amantes da Paz e com os nossos amigos da Associação de Paz da Turquia, que é membro do Conselho Mundial da Paz e com quem partilhamos a luta pela paz na região e no mundo.

    O CPPC junta a sua voz a todos os que condenam esta atitude das autoridades turcas, exigindo o levantamento da suspensão de atividade da Associação de Paz da Turquia e o respeito pela sua actividade na defesa da paz.

    Direcção Nacional do CPPC

  • cppc solidario com venezuela bolivariana 1 20180523 1079343863

    No próximo domingo, dia 20 de Maio, realizam-se eleições para a presidência da República Bolivariana da Venezuela, culminando um processo eleitoral que tem decorrido com normalidade, apesar da acção desestabilizadora que EUA e seus aliados continuam a protagonizar, seja através da aplicação de ilegais e inaceitáveis sanções e do bloqueio económico e financeiro, seja da ameaça de intervenção militar e do apoio a acções golpistas naquele país, criando acrescidas dificuldades ao povo venezuelano, e procurando desmobilizar a participação, criar medo e desconfiança no futuro, desacreditar ou mesmo impedir o processo eleitoral.

    As constantes declarações de responsáveis dos EUA e seus aliados contra o Governo de Nicolas Maduro e a permanente tentativa do seu isolamento político visam dificultar a evolução da situação democrática no país e influenciar resultados eleitorais para facilitar a ingerência externa ao serviço da oligarquia venezuelana.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação condena veementemente a acção terrorista praticada por grupos para-militares de extrema-direita e fascistas contra as forças progressistas e revolucionárias venezuelanas, de que é exemplo recente o hediondo assassinato do dirigente e deputado do Partido Socialista Unificado da Venezuela (PSUV), Robert Serra, assim como da sua companheira e activista, María Herrera.

  • O parlamento israelita aprovou recentemente a lei que visa dar cobertura “legal” retroactiva a cerca de 4000 casas já construídas por israelitas nos territórios palestinianos ocupados, em colonatos que sempre foram e são ilegais à luz do Direito Internacional e que também o eram pela lei israelita antes daquela aprovação.

    Ao colocar sob jurisdição civil a construção de colonatos nos territórios palestinianos ocupados a lei aprovada consubstancia igualmente a política de anexação que o Estado de Israel tem prosseguido na região e da qual nunca desistiu.

    Como se isso não bastasse, o governo de Israel, usando da impunidade com que a comunidade internacional lhe tem permitido actuar, anunciou já projectos de construção de novos colonatos – cerca de mais 6000 casas – nos territórios palestinianos da Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

  •  

    No passado dia 25 de Agosto, quando se assinala um ano sobre a mais recente agressão de grande escala de Israel contra o território palestino da Faixa de Gaza, foi assinalado no Brasil, com a plantação de um bosque dedicado às 551 crianças assassinadas durante a operação.

    Foi desta forma que o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ), encerrou o ciclo “Ocupação e Resistência na Palestina – Um ano da Ofensiva israelense”.

    No local da plantação das 551 árvores também foi instalada uma placa com os nomes das crianças palestinas vitimadas e suas idades. Das 2.251 pessoas mortas pela agressão de Israel em 2014, um quarto eram crianças.

    A iniciativa que contou com a participação do Embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben, da presidente do CEBRAPAZ e do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes (na foto), de autoridades locais e de cerca de 30 alunos do sexto ano da escola Senador Luís Carlos Prestes, teve lugar na Cidade Tiradentes e reafirmou a solidariedade dos brasileiros com o povo palestino, na luta pela paz e na resistência contra a ocupação israelita.


  • Mais de 700 assinaturas recolhidas! Assine e divulgue!

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT74233

     

  • A agressão israelita ao povo palestino agrava-se diariamente.
    Ao arrepio das resoluções da ONU e do direito internacional:
    - prossegue a ocupação por Israel dos territórios palestinos, que dura desde 1967
    - intensifica-se a construção de colonatos de Israel nos territórios ocupados palestinos, em que já vivem mais de 600.000 colonos
    - está em risco a sobrevivência dos dois milhões de palestinos em Gaza, cercada há mais de 10 anos por Israel
    - acelera-se o plano do governo israelita de extrema-direita para a anexação dos territórios palestinos ilegalmente ocupados.
    - acentua-se a natureza segregacionista e xenófoba do Estado de Israel.
    - agravam-se as ingerências e a política agressiva de Israel no Médio Oriente

  • Lisboa voltou a ser palco de um acto público de solidariedade com a Palestina, ao final da tarde de dia 31 de Janeiro junto à Embaixada de Israel.

    Convocada pelo CPPC, CGTP-IN, MDM e MPPM, a iniciativa reuniu mais de uma centena de pessoas, que acompanharam a delegação que naquele dia dirigiu uma carta ao primeiro-ministro de Israel. Momentos antes, na Embaixada dos Estados Unidos, tinha sido entregue outra missiva, endereçada ao presidente Donald Trump.

  • debate em corroios pela paz da america latina ao medio oriente 1 20180621 2004539496

    O CPPC promove, em parceria com a Junta de Freguesia de Corroios, um debate no dia 28 de Junho, às 20h30, nas instalações daquela autarquia. O lema «Pela Paz! Da América Latina ao Médio Oriente» será lançado por Gustavo Carneiro, do CPPC, e pela activista brasileira Tânia Veiga.