A participação deste ano, do Conselho Português para a Paz e Cooperação, na Marcha à Rota contou com a presença de 35 activistas da Paz, que de forma alegre e combativa se juntaram às cerca de 5000 pessoas que protestavam contra a instalação do sistema anti-missil, imposto pela NATO e EUA, naquela base e pela dissolução desta organização agressiva, pelo fim das bases militares estrangeiras, pelo fim das agressões imperialistas e exigindo mais justiça social.
que fizeram da edição deste ano a maior mobilização dos últimos anos. No final da manifestação o CPPC foi convidado a usar da palavra.