Outras Notícias

Palestina

 

Nas Nações Unidas considera-se que o futuro da Palestina como estado independente está hoje mais ameaçado do que nunca. Isso mesmo foi demonstrado pelo coordenador especial da ONU para o processo de Paz no Médio Oriente, Nickolay Mladenov, na sessão do Conselho de Segurança do passado dia 23 de novembro. Na opinião deste responsável a comunidade internacional deve, pois, intervir mais ativamente para proteger o direito do povo palestino a um estado independente em conformidade com as resoluções já adotadas pela organização.

De acordo com aquele coordenador especial da ONU, a colonização israelita de territórios palestinos ocupados não só prossegue sem entraves como é apoiada pelo poder de estado. Contra leis e decisões internacionais, o estado de Israel continua a fomentar a construção de colonatos na margem ocidental do rio Jordão insistindo, para tal, nas suas políticas de demolição de infraestruturas e confiscação de terras. Os palestinos tornam-se, assim, deslocados na sua própria terra.

Com a construção de colonatos o Estado de Israel visa, segundo as Nações Unidas, expulsar os palestinos de vastas áreas de modo a alterar a demografia nos territórios ocupados, a favor dos israelitas.

Israel procura cimentar a ocupação

Com 58 votos a favor e 50 contra, o parlamento israelita aprovou no passado dia 17 de novembro um projeto de lei com o fito de “regularizar” retroativamente os colonatos israelitas ilegalmente construídos na margem ocidental do rio Jordão, em território palestino ocupado. O projeto terá ainda de passar por mais votações antes de se tornar lei.

Com esta iniciativa o parlamento israelita procura fabricar uma pretensa legalidade para cobrir a contumaz usurpação de territórios palestinos por parte de colonos israelitas, processo que tem contado com a tolerância, quando não apoio oficial e instigação, do próprio estado israelita.

Tal ocupação é ilegal à luz do direito internacional; e até mesmo da lei israelita – embora, neste caso, em termos meramente formais como tem sido notório.

Ler mais...

PRESOS PALESTINIANOS EM SITUAÇÃO CRÍTICA

Três presos palestinianos correm neste momento perigo de vida em consequência da greve da fome que iniciaram há várias semanas em protesto contra a prepotência e arbitrariedade do poder israelita. Anas Ibrahim Shadid, de 20 anos, e Ahmad Abu Fara, de 29, estão presos há mais de três meses sem culpa formada, ao abrigo da chamada detenção administrativa. Nour al-Din Amar, de 30 anos, a cumprir pena de prisão perpétua, está há mais de três anos em prisão solitária e, segundo a família, tem-lhe sido negado tratamento ao braço partido durante um espancamento por soldados israelitas.
Os três presos estão em estado crítico e um deles, Anas Shadid, pode morrer a qualquer momento.

A detenção administrativa é uma medida que permite ao poder executivo e comandos militares israelitas manter indivíduos presos indefinidamente sem acusação e sem serem presentes a tribunal, com base em alegada “informação secreta”. Porém, quer ao detido quer a seu advogado é negado acesso a tal informação, com o pretexto de proteger as fontes.
Conquanto esta medida possa ser aplicada a qualquer pessoa, incluindo cidadãos israelitas – até hoje houve nove israelitas a quem foi aplicada –, na prática tem recaído quase em exclusivo sobre palestinianos dos territórios ocupados por Israel. De acordo com a associação de apoio aos presos, Addameer, em outubro deste ano havia cerca de 7000 palestinianos em prisões israelitas, dos quais 10% sob detenção administrativa.

Debate participado em Gaia sobre Médio Oriente e paz

A situação no Médio Oriente e a luta pela Paz foi o tema do debate muito participado que decorreu no auditório da Biblioteca Municipal em Vila Nova de Gaia, iniciativa do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), que contou com o apoio da Câmara Municipal de Gaia e as intervenções do jornalista José Goulão, Ilda Figueiredo e João Rouxinol.

Debateu-se a grave situação no Médio Oriente, destacando José Goulão as causas e os responsáveis, desde a invasão do Afeganistão, passando pelo Iraque, a Líbia e a Síria, sem esquecer a Palestina e toda a região. Foi particularmente denunciada a estratégia de rapina de recursos e de controlo da região que tem sido conduzida por EUA, NATO, União Europeia e seus aliados,sem esquecer Israel e a Arábia Saudita, responsáveis principais pela tragédia que se vive na região, com destruição de Estados, sofrimento e deslocação de milhões de pessoas. Ilda Figueiredo e João Rouxinol sublinharam a importância da luta pela paz, da solidariedade com os povos vítimas das guerras, a convergência de esforços e vontades no alargamento do movimento pela paz e o contributo que o CPPC e o Conselho Mundial da Paz estão a dar, dando como exemplo a próxima Assembleia Mundial da Paz, no Brasil, de 17 a 20 de Novembro, onde o CPPC participará.

No debate muito animado que se seguiu, sublinhou-se a importância de reforçar o CPPC e a luta pela paz, tendo-se verificado algumas novas adesões no final desta importante sessão.