Outras Notícias

Inauguração em Montalvo da exposição "100 anos da Grande Guerra e a Luta pela Paz"

Foi apresentada em Montalvo a exposição “100 Anos da Grande Guerra e a Luta pela Paz” produzida pelo CPPC com o apoio dos municípios de Constância, Vila Nova da Barquinha e Loures, contou com a presença e intervenção na sessão de abertura, dos respectivos Presidentes de Câmara e da Presidente da Direcção do Conselho Português para a Paz e Cooperação.

O evento contou ainda com um colóquio sobre “A participação Portuguesa na 1ª Guerra Mundial”, tendo como oradores Joana Pereira (CPPC), Isabel Pestana Marques, Anabela Cardoso e Susana Silva.

No mesmo espaço encontrava-se também a exposição Memórias da I Guerra Mundial no Concelho de Constância, tendo sido exibido um documentário com o mesmo nome.

Inauguração em Loures da exposição "100 anos da Grande Guerra e a Luta pela Paz"

Na passada Sexta-feira foi inaugurada, em Loures, a exposição "100 Anos da Grande Guerra e a Luta Pela Paz", produzida pelo CPPC com o apoio dos munícipios de Constância, Loures e Vila Nova da Barquinha.

A iniciativa contou com a presença dos presidentes das Câmaras Municipais de Loures e de Constância.

A exposição permanecerá aberta ao público no Edifício 4 de Outubro em Loures.

13 anos da invasão e ocupação militares do Afeganistão

Completam-se, no próximo dia 7 de Outubro, 13 anos da invasão e ocupação do Afeganistão. A pretexto dos atentados ocorridos a 11 de Setembro de 2001, em Nova Iorque, os EUA lançaram a denominada “luta contra o terrorismo”, a partir da qual partiram para a agressão a Estados soberanos, para a colocação em causa de liberdades e direitos fundamentais, para a prática sistemática da tortura – uma política de autêntico terrorismo de Estado.

Ler mais...

Sobre os bombardeamentos norte-americanos em território da Síria

O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) denuncia os ataques dos EUA em território da Síria, contra alvos do dito “Estado Islâmico” (EI), como mais um estratagema na sua já longa história de interferência e de desestabilização da Síria e do Médio Oriente.

Estas acções militares dos EUA violam a soberania e ameaçam a integridade territorial da Síria, são realizadas à margem do direito internacional e desrespeitam os princípios da Carta das Nações Unidas.

A actuação norte-americana expressa, uma vez mais, a arrogância dos que se julgam acima da legalidade internacional e que, violentando através da força a soberania dos povos, pretendem dominar os recursos desta região – recordem-se os objectivos colonialistas dos EU de criação de um “Grande Médio Oriente”.
Ler mais...