Outras Notícias

Paz Sim! NATO Não! (06)


*Intervenção CPPC
Iniciativa de 21.05.2012 em Lisboa

Boa tarde amigos,
 
 
Agradecemos sincera e fraternalmente a participação de todos nesta iniciativa que procura expressar, de forma simbólica, mas firme e resoluta, a nossa repulsa pela NATO, pelos seus objectivos e acção, que constituem uma permanente ameaça à paz e segurança internacionais.
Estamos hoje reunidos nesta iniciativa para denunciar a Cimeira da NATO, que ontem e hoje se realizou em Chicago, onde se confirmaram e aprofundaram os objectivos militaristas e bélicos desta organização, que é responsável por guerras injustas e ilegítimas, incontáveis crimes e por graves violações dos direitos humanos e dos povos.

Ler mais...

Paz Sim! NATO Não! (03)

No Porto
Segunda-feira, 21 de Maio 17h30
Praça da Liberdade, junto ao ardina, próximo da igreja dos Congregados.


Nos próximos dias 20 e 21 vai realizar-se uma cimeira da NATO em Chicago. Consideramos que é imprescindível assinalar este momento, demonstrando o nosso repúdio por esta organização agressiva e militarista.
Contamos com a vossa presença!


Paz Sim! NATO Não!

A NATO, criada em 4 de Abril de 1949, sob a égide dos E. U. A., assume a função de guarda pretoriana do imperialismo, sendo um instrumento de repressão dos povos que lutam pela construção de um mundo de Paz e progresso social.

Ler mais...

Paz Sim! NATO Não! (04)

Dezenas de activistas, de várias organizações, entre as quais o CPPC, participaram, no passado dia 21 de Maio, numa acção simbólica de denúncia da NATO enquanto principal ameaça à paz mundial. Assinalando desta forma, em Lisboa, o último dia da cimeira da NATO que decorreu em Chicago. Na iniciativa foi colocada uma faixa com 15 metros na passagem do elevador da Glória sobre a rua do Carmo, onde se podia ler "Paz Sim! NATO Não!", foram ainda distribuídos centenas de documentos.

Paz Sim NATO Nao lx2

Paz Sim NATO Nao lx3

Paz Sim NATO Nao lx4

Paz Sim NATO Nao lx5

Paz Sim NATO Nao lx6

Paz Sim NATO Nao lx7

Paz Sim NATO Nao lx8

Paz Sim NATO Nao lx9

 

PAZ SIM! NATO NÃO! (02)

PAZ SIM! NATO NÃO!

A Aliança do Tratado do Atlântico Norte (NATO) realiza uma nova Cimeira em Chicago, a 20 e 21 de Maio.
A NATO é uma estrutura militar ofensiva, responsável por guerras injustas e ilegítimas, por graves violações dos direitos do homem, por autênticos crimes – na Jugoslávia, no Afeganistão, no Iraque ou na Líbia.
Sob o pretexto do “combate ao terrorismo”, da não proliferação de “armas de destruição massiva” ou da dita “ingerência humanitária”, a NATO tem promovido a militarização das relações internacionais, a corrida aos armamentos, a ameaça do terror nuclear, a ingerência, as agressões e ocupações militares, tornando o mundo mais inseguro e violento e comprometendo a paz mundial.
Liderada pelos EUA e tendo a União Europeia como seu “pilar europeu”, a NATO tem vindo a aumentar o número de países membros e a reforçar as suas parcerias e meios, no sentido de ampliar a sua área de intervenção.
A revisão do seu conceito estratégico na sua última cimeira, realizada em Lisboa, em Novembro de 2010, definiu a intervenção em todas as regiões do mundo como objectivo da NATO e alargou o leque de pretextos a serem usados para “justificar” a sua acção belicista.
Através da NATO, os EUA e os seus aliados procuram impor pelo domínio militar o controlo de recursos naturais e de mercados e a superioridade geoestratégica – liquidando milhares de vidas humanas, destruindo países e recursos, espalhando a violência e o sofrimento; desrespeitando os direitos dos povos e as soberanias nacionais; instrumentalizando a Organização das Nações Unidas e subvertendo a sua Carta.
Num momento em que a crise tem servido de desculpa para atacar os direitos e as conquistas dos trabalhadores e dos povos, as despesas e o investimento em novas tecnologias militares não cessam de aumentar, sendo que cerca de 70% dos gastos militares no mundo são dos países membros da NATO – os grandes responsáveis pela agudização da situação económica e social são os mesmos que promovem a corrida aos armamentos, a militarização das relações internacionais e a guerra.
Portugal, membro fundador da NATO pela mão do regime fascista, tem vindo a pautar a sua política externa pela submissão a interesses alheios às aspirações e anseios de paz do povo português.
A Constituição da República Portuguesa – nascida da libertação do fascismo e do anseio do fim da guerra colonial e da paz, conquistadas após o 25 de Abril de 1974 – preconiza a resolução pacífica dos conflitos internacionais, o desarmamento, a soberania e a independência nacional, a não-agressão e a não-ingerência, a dissolução dos blocos político-militares, a abolição do imperialismo, do colonialismo e de quaisquer outras formas de agressão, domínio e exploração dos povos.
Contrariando a Lei Fundamental, os sucessivos governos têm vindo a comprometer Portugal com a NATO e os seus crimes, enviando tropas portuguesas para actos de agressão a outros povos. Enquanto se impõem sacrifícios ao povo português e se corta nas despesas sociais, utilizam-se milhões de euros para adaptar e dispor as Forças Armadas Portuguesas às exigências da NATO.
Na sua Cimeira de Chicago, a NATO – ao mesmo tempo que procura assegurar a sua “retirada” ordenada do atoleiro do Afeganistão –, reafirma a instalação do sistema antimíssil dos EUA na Europa e o compromisso dos países membros da NATO na manutenção e no desenvolvimento de capacidades militares e na partilha de meios e de custos da sua política belicista - o que já mereceu a aceitação do governo português.
Este é um rumo que contraria as aspirações e os direitos dos povos a um mundo de paz, de solidariedade e cooperação e que constitui a maior ameaça à paz e à segurança internacional.

Assim, por ocasião da Cimeira da NATO em Chicago, e dando continuidade aos objectivos e aos compromissos da Campanha “Paz Sim! NATO Não!”, realizada em Portugal em 2010, afirmamos:

A exigência da retirada imediata das forças portuguesas envolvidas em agressões da NATO, nomeadamente do Afeganistão;
A rejeição da instalação do sistema míssil dos EUA na Europa e de qualquer participação de Portugal neste;
A rejeição da escalada de guerra no Médio Oriente, nomeadamente contra a Síria e o Irão;
A reclamação do fim das bases militares estrangeiras e das instalações da NATO em território nacional;
A reclamação da dissolução da NATO;
A exigência do desarmamento e do fim das armas nucleares e de destruição massiva;
A exigência do cumprimento dos princípios da Carta das Nações Unidas e da Constituição da República Portuguesa, em respeito pela soberania e igualdade dos povos.

Maio de 2012


Associação de Amizade Portugal Cuba
Associação de Intervenção Democrática – ID
Associação dos Agricultores do Distrito de Lisboa
Associação Portuguesa de Amizade e Cooperação Iúri Gagárin
Associação Projecto Ruído
Casa do Alentejo
Colectivo Mumia Abu-Jamal
Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional
Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura Recreio e Desporto
Conselho Português para a Paz e Cooperação
Ecolojovem – Os Verdes
Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas
Frente Anti-Racista
Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra
Iniciativa Jovem
Interjovem – CGTP-IN
Juventude Comunista Portuguesa
Movimento Democrático de Mulheres
Os Pioneiros de Portugal
Sindicato dos Trabalhadores Civis das Forças Armadas
Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal
Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local
União de Resistentes Antifascistas Portugueses
União dos Sindicatos de Lisboa – CGTP/IN
União dos Sindicatos do Porto
Voz do Operário