O CPPC participou, no dia 19, num debate na Escola Secundária Camões, em Lisboa, inserido na campanha pela adesão de Portugal ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares. A iniciativa nasceu dos próprios estudantes, que, em Reunião Geral de Alunos, mandataram a direcção da Associação de Estudantes para que promovesse acções pela Paz. Daí partiu o convite ao CPPC.

Nesse debate, em que participaram duas turmas da escola, o dirigente do CPPC Gustavo Carneiro explicou os riscos inerentes à existência de armas nucleares, garantindo que a actual tensão militar que se vive no planeta aumenta os riscos de uma conflagração militar de grandes proporções, com a possibilidade do recurso a armas nucleares, que inevitavelmente teria graves consequências para a própria sobrevivência da Humanidade. A este propósito foi lembrada a frase de Albert Einstein: «a Terceira Guerra Mundial não sei como será; a quarta será travada com paus e pedras».

O activista do CPPC garantiu, na ocasião, que a defesa da paz está nas mãos dos povos, com a sua acção e intervenção. No caso concreto, também através da assinatura e promoção da petição que reclama das autoridades portuguesas a adesão ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares. Um pouco por todo o mundo os povos estão a exigir dos seus governos a adesão a este tratado.

No final, estudantes e professores assinaram a petição e levaram consigo o mais recente número boletim do CPPC Notícias da Paz. Vários comprometeram-se a recolher apoios à petição na comunidade escolar.