Outras Notícias

Sim à Paz! Não à NATO! Cimeira de Bruxelas é acrescida ameaça à paz

sim a paz nao a nato 2 20180704 1807815146

Os principais tópicos da Cimeira da NATO foram apresentados dia 28 de Maio pelo seu Secretário-geral, Jens Stoltenberg, na assembleia parlamentar daquela organização militar.
Por mais que os tenha procurado dissimular, sob 'pacíficas' palavras, os objectivos belicistas são evidentes.

Nesta Cimeira os líderes da NATO vão debater, entre outros aspectos:

- o gradual aumento das despesas militares dos membros europeus da NATO para dois por cento do seu Produto Interno Bruto, até 2024;
- a presença militar da NATO no Afeganistão, no Iraque e na Líbia, países destruídos por guerras de agressão da responsabilidade da NATO e de seus membros;
- o reforço do estacionamento de forças militares da NATO, incluindo dos EUA, no Leste da Europa, visando a Federação Russa;
- o reforço da União Europeia como «pilar europeu» da NATO, sendo que a militarização da UE – que avançou consideravelmente nos últimos meses – é apontada como complementar à NATO, que se mantém como 'tutora' e principal organização de cariz militar.

Stoltenberg aponta como objectivo no quadro da NATO, e de forma propagandista, a existência de 30 batalhões mecanizados, de 30 esquadrões aéreos e de 30 navios de combate, que possam estar em 30 dias prontos para combate.

Sim à Paz! Não à NATO!

sim a paz nao a nato 1 20180704 1593137836

Realizou-se no dia 28, na baixa lisboeta, uma conferência de imprensa das organizações e movimentos que integram a campanha «Sim à Paz! Não à NATO!», que deram nota das iniciativas previstas e explicitaram os seus objectivos. Em seguida, o texto da Conferência de Imprensa e as organizações promotoras.

......

Ler mais...

Debate em Almada pela paz e o desarmamento

debate em almada pela paz e o desarmamento 1 20180527 1183676974

Mais de 60 professores e estudantes do ensino recorrente da Escola Secundária Cacilhas-Tejo, em Almada, participaram no dia 24 de Maio numa sessão sobre paz e desarmamento, inserida na campanha do CPPC pela adesão de Portugal ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares. Após a apresentação do tema, a cargo de Gustavo Carneiro e João Jorge, respectivamente da direcção nacional e do núcleo de Almada, seguiu-se um vivo debate sobre os riscos actuais para a paz e a segurança, a necessidade imperiosa de pôr fim às armas nucleares e de destruição massiva e a urgente acção pela paz e a solidariedade. No final, foram recolhidas dezenas de assinaturas para a petição que o CPPC tem em curso que reclama das autoridades portuguesas a assinatura e ratificação desse tratado.

Mais de 10 mil assinaram a petição «Pela Paz, Pela Segurança, Pelo Futuro da Humanidade

mais de 10 mil assinaram a peticao pela paz pela seguranca pelo futuro da humanidade 1 20180621 1573505543

Mais de 10 mil assinaram a petição «Pela Paz, Pela Segurança, Pelo Futuro da Humanidade – Pela assinatura por parte de Portugal do Tratado de Proibição de Armas Nucleares»

O CPPC realizou no dia 20, em Lisboa, uma conferência de imprensa em plena rua para informar da recolha de mais de 10 mil assinaturas para a petição que exige das autoridades portuguesas a adesão ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares. Participaram Ilda Figueiredo e Amílcar Campos, respectivamente presidente e vice-presidente da direcção nacional do CPPC, e Gonçalo Costa, da Associação Projecto Ruído, que dinamiza a campanha Desarma a Bomba, com o mesmo objectivo de pôr fim às armas nucleares e promover o desarmamento.

Ler mais...

Pela paz e o desarmamento!

pela paz e o desarmamento 1 20180523 1153454515

Não à Cimeira da NATO – não ao militarismo e à guerra!

Nos dias 11 e 12 de Julho, irá realizar-se uma Cimeira da NATO – Organização do Tratado do Atlântico Norte –, em Bruxelas, tendo como o objectivo o reforço da sua capacidade de intervenção belicista.

Com quase 70 anos de existência, a NATO é um instrumento destinado a servir, embora não sem querelas internas, os interesses políticos, económicos e geostratégicos dos EUA e das grandes potências da União Europeia (UE), que impulsiona a corrida aos armamentos, promove focos de tensão e de conflito, intensifica o intervencionismo militar, e prossegue guerras de agressão a Estados e povos que defendem a sua soberania e não se submetem ao seu domínio.

Ler mais...