Outras Notícias

Solidariedade com os Povos da Venezuela e da América Latina

O Conselho Português para a Paz e Cooperação promoveu, no passada sexta-feira dia 3, uma sessão de solidariedade com o povo Venezuela e restante América Latina.

A sesão foi um momento para aprofundar o conhecimento sobre a situação que se vive naquela região no marco do 4º aniversário do falecimento de Hugo Chávez a quem foi prestada homenagem com um momento de poesia dita por Rui Lobo e Manuel Diogo.

A mesa presidida por Baptista Alves Vice-presidente da Direcção Nacional do CPPC contou com a presença do Ex.mo Senhor Embaixador da República Bolivariana da Venezuela, João Barreiros do Departamento Internacional da CGTP-IN e Augusto Fidalgo da Associação de Amizade Portugal-Cuba, na sessão estiveram ainda presentes as Embaixadas de Cuba e da República Dominicana.

Solidariedade com o Saara Ocidental - 41º aniversário da RASD

 

Realizou-se na sede da UPP, no Porto, no passado sábado, dia 4 de Março, uma ação de solidariedade com o Saara Ocidental por ocasião 41 aniversário da RASD. Foi promovida pelo CPPC e FENPROF com participação do Representante da Frente Polisário em Portugal.

Na sessão que incluiu a exibição de um pequeno filme sobre a repressão marroquina e a luta do povo saaraui pela autonomia e independência, intervieram, entre outros, Ilda Figueiredo pelo CPPC, Henrique Borges pela FENPROF, Ahamed Fal representante da Frente Polisário em Portugal, Moara Crivelente do Cebrapaz, que visitou recentemente os acampamentos saarauis na Argélia.

Ali se afirmou a determinação de prosseguir ações de solidariedade, designadamente exigindo a libertação dos ativistas saarauis presos nas cadeias marroquinas.

CPPC, solidário com a Palestina, denúncia recente legislação de Israel

O parlamento israelita aprovou recentemente a lei que visa dar cobertura “legal” retroactiva a cerca de 4000 casas já construídas por israelitas nos territórios palestinianos ocupados, em colonatos que sempre foram e são ilegais à luz do Direito Internacional e que também o eram pela lei israelita antes daquela aprovação.

Ao colocar sob jurisdição civil a construção de colonatos nos territórios palestinianos ocupados a lei aprovada consubstancia igualmente a política de anexação que o Estado de Israel tem prosseguido na região e da qual nunca desistiu.

Como se isso não bastasse, o governo de Israel, usando da impunidade com que a comunidade internacional lhe tem permitido actuar, anunciou já projectos de construção de novos colonatos – cerca de mais 6000 casas – nos territórios palestinianos da Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

Ler mais...