Outras Notícias

PELA PAZ! TODOS NÃO SOMOS DEMAIS!
 
«1. Portugal rege-se nas relações internacionais pelos princípios da independência nacional, do respeito dos direitos do homem, dos direitos dos povos, da igualdade entre os Estados, da solução pacífica dos conflitos internacionais, da não ingerência nos assuntos internos dos outros Estados e da cooperação com todos os outros povos para a emancipação e o progresso da humanidade.
2. Portugal preconiza a abolição do imperialismo, do colonialismo e de quaisquer outras formas de agressão, domínio e exploração nas relações entre os povos, bem como o desarmamento geral, simultâneo e controlado, a dissolução dos blocos político-militares e o estabelecimento de um sistema de segurança colectiva, com vista à criação de uma ordem internacional capaz de assegurar a paz e a justiça nas relações entre os povos.
3. Portugal reconhece o direito dos povos à autodeterminação e independência e ao desenvolvimento, bem como o direito à insurreição contra todas as formas de opressão.»
In Constituição da República Portuguesa,
Artigo 7.º - Relações internacionais
 
INTRODUÇÃO
Confirmando-se as principais tendências na evolução da situação mundial apontadas na última Assembleia da Paz do Conselho Português para a Paz e Cooperação, realizada em Novembro de 2009, ganha redobrada importância o alerta, que então foi enunciado, para «os manifestos perigos que a Humanidade enfrenta, caso a investida imperialista não seja travada».
O sistema capitalista, afundado numa grave crise, encontra no incremento da exploração, na opressão, e na guerra, a única resposta para o beco em que se encontra.
O pacto que estabelece os princípios que deveriam nortear as relações entre os Estados – resultante da Segunda Guerra Mundial e consubstanciado na Carta das Nações Unidas –, encontra-se ameaçado pela recorrente subversão do direito internacional e instrumentalização da ONU, através das quais os EUA e seus aliados procuram camuflar a sua política de guerra.
O imperialismo recrudesce a sua agressividade, fazendo-a acompanhar de uma sistemática e orquestrada campanha ideológica e de desinformação que procura «legitimar» e «branquear» a barbárie da guerra – a morte, o sofrimento e a destruição –, através da dita «guerra preventiva», do chamado «direito de ingerência» ou da designada «guerra contra o terrorismo».
Ao mesmo tempo, incrementa a corrida aos armamentos, a indústria armamentista e as despesas militares. O investimento na investigação destinada à produção de novos e mais sinistros armamentos – incluindo armas nucleares, os drones e as chamadas armas não letais, estas destinadas sobretudo à repressão interna – consomem orçamentos astronómicos.
Face à globalização neoliberal e à ofensiva do imperialismo, aumenta a fome, a pobreza extrema e a doença, quantas vezes assumindo-se elas também como eficazes instrumentos de guerra. São colocados em causa direitos fundamentais conquistados pelos trabalhadores e pelos povos durante décadas de luta de emancipação social e nacional. É imposto ao Planeta um sistema de produção destruidor, incompatível com a imprescindível relação sustentável entre as comunidades humanas e a natureza.
No entanto, como afirmámos na última Assembleia da Paz e como a evolução da situação mundial nestes dois últimos anos comprova, «é neste contexto tão adverso que se assiste a uma admirável resistência e luta dos povos contra a opressão e a exploração, contra a injustiça e os grilhões, pela liberdade e a paz, numa prova inequívoca que o futuro do Mundo será aquilo que a humanidade determinar».
 
A AGUDIZAÇÂO DA CRISE DO CAPITALISMO - ACRESCIDA AMEAÇA À PAZ
Nos últimos dois anos confirmou-se a tendência da agudização da crise do sistema capitalista, cuja dimensão e profundidade comprovam a sua dimensão estrutural e sistémica, ultrapassando o mero carácter cíclico das crises que o caracterizam, que tendem a tornar-se crónicas, e confirmando a incapacidade do sistema em dar resposta às suas contradições.
Face às consequências da crescente apropriação, acumulação e concentração privada da riqueza, da financeirização da economia e da especulação financeira – que levaram a uma situação insustentável de grande parte do sistema financeiro mundial –, está em curso um processo de colossal transferência de dívidas e prejuízos da banca para os orçamentos de Estado, do privado para o público.
Na União Europeia, os chamados «pacotes de ajuda», ditos de «combate à crise», que a UE, o BCE e o FMI impuseram à Irlanda, à Grécia e a Portugal, e também já a Itália, significam o reforço de mecanismos de transferência da riqueza criada para a banca, o controlo de importantes sectores económicos por interesses privados, a intensificação da exploração de quem vive do seu trabalho e a colocação em causa de avanços sociais que, a serem concretizados, configurariam uma brutal degradação nas condições de vida da esmagadora maioria da população e um generalizado e violento agravamento das desigualdades e injustiças sociais.
No quadro da crise – em que se evidenciam rivalidades e contradições entre grandes potências e o relativo declínio dos EUA e a emergência de novas potências económicas no mundo –, as tentativas de impor uma «nova ordem mundial» hegemonizada pelos EUA e outras grandes potências imperialistas originam uma crescente instabilidade e insegurança, com grandes perigos para a paz, a liberdade, a democracia, a soberania, a independência e o progresso social, em todo o mundo.
O sistema capitalista em crise, destrutivo, explorador e belicista, ameaça lançar o planeta numa tragédia de grandes proporções. A deriva belicista do imperialismo, que se lança ao assalto do planeta na tentativa de fazer retroceder as vitoriosas lutas de emancipação social e nacional que caracterizaram o século XX, prossegue, intensifica-se e torna-se mais agressiva.
Prosseguem as consecutivas guerras de agressão e ocupação, nos Balcãs, no Médio Oriente, na Ásia Central e, agora, em África – com a genocida agressão da NATO à Líbia –, ao mesmo tempo que se anunciam e repetem sérias ameaças de novas agressões à Síria e ao Irão, entre outros exemplos, que vão da Península da Coreia, passando por África – do Norte à subsaariana - até à América Latina.
Guerras e ameaças de novas agressões que são acompanhadas pelo mais completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas, a descarada subversão do direito internacional e a instrumentalização da ONU e que mais não visam que abater a emancipação e resistência dos povos, a destruição de processos de desenvolvimento económico nacionais, a pilhagem de recursos naturais, económicos e financeiros, e o domínio de mercados ou de regiões de importância geoestratégica vital para os seus interesses, num processo de tentativa de recolonização planetária.
Para a ingerência e para a guerra não falta o dinheiro. Prossegue a vertiginosa corrida aos armamentos, encabeçada pelos EUA que, no momento em que se confrontam com a mais grave crise económica e social, bate novos recordes no aumento do orçamento militar, sendo o orçamento para 2011 (estimado em 708 mil milhões de dólares) o maior de sempre da sua história e correspondente a cerca de metade das despesas militares a nível mundial. Recorde-se que o orçamento militar dos países da NATO e do Japão, Coreia do Sul e Austrália (seus aliados) representam conjuntamente 72% das despesas militares no mundo (SIPRI, 2011).
Actualmente, a despesa mundial para fins militares é estimada em cerca de 1600 mil milhões de dólares (dados de 2010), representando um incremento de 50% face às despesas militares registadas em 2001 e cerca de 2,6% do produto interno bruto mundial (SIPRI 2010 Yearbook).
Em Portugal, ao mesmo tempo que se utiliza o orçamento nacional para financiar agressões militares da NATO a outros povos – totalmente contrárias aos interesses nacionais e em claro desrespeito pela Constituição da República –, impõem-se sacrifícios àqueles e àquelas que vivem do seu trabalho, aos reformados, aos mais pobres e desprotegidos (ao mesmo tempo que, crescem os lucros, benesses e benefícios imorais para uma minoria).
Os grandes responsáveis pela agudização da situação económica e social mundial são os mesmos que, afinal, promovem a corrida aos armamentos, a militarização das relações internacionais, o desrespeito da soberania dos povos e a guerra.
O Sistema de Escudo Anti-míssil (Sistema de Escudo para Primeiro Ataque Global Por meio de Mísseis) dos EUA – que readapta e renova o projecto da «Guerra das Estrelas» de Regan-Bush –, é assumido pela NATO e instala-se em Espanha e noutros países da Euro-Ásia, como a Turquia, dirigindo-se à Rússia, à China e ao Irão.
Relativamente às Armas Nucleares, não se verificam sinais de real progresso relativamente à aplicação efectiva do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, nem do Tratado para o Banimento Completo de Testes Nucleares, ”prosseguindo, em clara contradição com este Tratado, os desenvolvimentos armamentistas para fins tácticos, nomeadamente nos EUA. De novo se evidencia que «o desarmamento simultâneo e controlado por parte das oito potências nucleares reconhecidas continua a ser uma urgente questão prévia para obviar à proliferação nuclear e ao recurso à arma nuclear para fins de chantagem ou até bélicos» (XXI Assembleia da Paz).
As Bases Militares Estrangeiras e as Esquadras Navais, designadamente dos EUA, instrumentos de ingerência, de domínio e agressão em qualquer ponto do mundo, continuam a ser reestruturadas e reforçadas – refira-se a este propósito a transferência para Portugal do «comando operacional» da força marítima de reacção rápida «Strikfornato», que superintende a Sexta Esquadra dos EUA.
A escalada de guerra, para além de não cessar, alarga-se. No Afeganistão (2001-2011, dez anos de guerra) e na agressão não declarada ao Paquistão, prossegue a guerra, com trágicas consequências para a população e para a segurança de toda a região. No Iraque, após a Guerra do Golfo (1990-91) e a intermitência de 12 anos de embargo inumano, a Segunda Guerra do Golfo, prolongada por 8 anos de ocupação brutal (2003-2011), a última «retirada» significou a permanência de ainda 50.000 militares.
No Norte de África e no Médio Oriente, depois dos levantamentos populares verificados em diversos países árabes, como na Tunísia e no Egipto, assistimos à tentativa de recuperação da iniciativa por parte daqueles que sempre foram responsáveis e coniventes com a opressão e exploração a que foram submetidos estes povos e suas riquezas. No Bahrein – onde se encontra uma importante base militar dos EUA – a revolta popular foi violentamente esmagada com o apoio da invasão de forças militares da Arábia Saudita. A Líbia foi alvo de uma brutal agressão da NATO. A Síria sofre a ingerência estrangeira e está sob a ameaça de agressão declarada.
Na Palestina prossegue a luta contra a colonização, a instalação de colonatos, a opressão do povo palestino e a ocupação dos seus territórios por parte de Israel, que – para além de ser a única potência nuclear da região, conta com o apoio e cumplicidade dos EUA para os seus crimes – se encontra cada vez mais isolado face à sua política genocida e de desrespeito dos direitos do povo palestino.
Israel que mantém uma politica de agressão a outros Estados árabes, continuando a ocupar ilegalmente os Montes Golã, na Síria, e as Quintas de Sheba, no Líbano, para além das crescentes ameaças de ataque ao Irão.
Na Península da Coreia, os EUA, que mantêm há seis décadas uma forte presença militar na região, estimulam o agravamento da tensão, através do não cumprimento de acordos estabelecidos, da realização de manobras militares e de ameaças de agressão à República Popular Democrática da Coreia, utilizando como argumento o seu programa nuclear.
Em África e na América Latina, através dos seus dois comandos para este continente e sub-continente – respectivamente o AFRICOM e o SOUTHCOM –, os EUA reforçam os seus instrumentos de intervenção militar directa ou indirecta (por exemplo, camuflada pela dita «assistência ao desenvolvimento»). Aliás, o que já ocorre de forma aberta em África, onde se multiplicam as intervenções militares, com cobertura ou não da ONU, por parte dos EUA e outras potências da NATO, como aconteceu na Costa do Marfim.
E, como apontámos na última Assembleia da Paz, «a guerra, a desigualdade económica e o subdesenvolvimento do terceiro mundo estão inexoravelmente ligados à sistemática degradação do Planeta e das condições de vida da maioria dos povos do mundo». O sistema capitalista, pela sua necessidade de acumulação constante, aprofunda a exploração dos recursos naturais para além do limiar de sustentabilidade da Terra, procurando pela guerra o domínio geopolítico das áreas mais ricas em recursos. Porque a Natureza não pode ser vista como uma realidade exterior à sociedade humana, a luta pelo equilíbrio ecológico é inseparável da luta contra o imperialismo, o qual assume mais amplo significado quando entendido como exploração insustentável e desenfreada dos recursos naturais também.
 
NATO: A MAIS SÉRIA E SIGNIFICATIVA AMEAÇA À SEGURANÇA E À PAZ NO MUNDO
Tal como o Conselho Português para a Paz e Cooperação e a «Campanha Paz sim! NATO não!» em devido tempo e correctamente alertaram, a NATO – na sua Cimeira que se realizou em Lisboa, a 19 e 20 de Novembro de 2010 –, adoptou um conceito estratégico que mais não visa que o reforço deste bloco político-militar como instrumento de ingerência e de agressão.
Trata-se de um novo salto qualitativo que representa a mais séria e significativa ameaça à segurança e à paz ao nível mundial, como a realidade está a demonstrar.
Com esta Cimeira da NATO – e face à crescente crise com que se confrontam –, os EUA chegaram a acordo (não isento de contradições) com os seus aliados para a criação de uma escalada de conflito que mais não procura que assegurar o controlo da exploração de recursos e mercados, de que avidamente necessitam, através da ameaça e uso da força militar quando necessárias, aliás como ficou bem demonstrado na agressão da NATO à Líbia e na realimentação de todos os focos de tensão e ameaças de escalada de conflito e agressão, nomeadamente contra o Irão.
Com o seu renovado conceito estratégico, a NATO arvora-se o direito de ingerir-se e intervir em qualquer ponto do Mundo, sob a desculpa de um qualquer pretexto, avançando com a formulação de ditas «novas ameaças» à medida dos seus reais propósitos, na tentativa de justificação da sua existência e acção criminosa.
Como correctamente denunciou a «Campanha Paz sim! NATO não!», «a NATO provoca e provocará as situações que posteriormente – perante uma opinião pública intencionalmente manipulada através de campanhas de desinformação – utilizará para tentar «justificar» a sua agressão».
Neste quadro relança a corrida aos armamentos e o aumento das despesas militares, a instalação de bases militares estrangeiras, a transformação das forças armadas nacionais em forças expedicionárias ao serviço da NATO, a militarização das relações internacionais e a guerra.
A NATO reafirma a manutenção e utilização das armas nucleares na sua doutrina estratégica, insistindo na manutenção da instalação de armas nucleares dos EUA no território de outros países membros da NATO.
A NATO assume como seu o projecto de instalação na Europa de novos sistemas de míssil com carácter ofensivo, como o projecto de sistema anti-míssil dos EUA – de que um dos componentes centrais será instalado na Base da Rota, em Espanha.
A NATO reafirmou a intenção de alargar a sua esfera de acção, quando possível, a partir do estabelecimento de ditas «parcerias» com países, organizações regionais e internacionais (incluindo a ONU), com conteúdo, forma e duração variáveis, de forma a permitir a sua presença e acção directas ou a colocação de outros ao serviço da concretização da sua estratégia de domínio. Deste modo, a NATO desempenharia, conforme as necessidades ou possibilidades, o papel de director e actor central ou de director de outros actores.
Para tal, a NATO tem como objectivo a instrumentalização da ONU para «branquear» a sua acção ilegal, e, quando não o consiga, não recusa o total desrespeito da Carta das Nações Unidas e do direito internacional.
Em síntese, a Cimeira da NATO representa uma declaração de guerra aos povos do mundo.
Neste quadro, a União Europeia reafirma-se como o pilar europeu da NATO e seu parceiro estratégico, sublinhando-se o conteúdo e significado do Tratado de Lisboa para a efectiva concretização deste objectivo belicista – aliás, realçando-se que esta dimensão militarista se alia às dimensões federalista e neoliberal da União Europeia.
Esta Cimeira da NATO colocou uma vez mais em evidência que, apesar da existência de crescentes contradições entre potências da União Europeia e os EUA, a sua relação tem sido pautada por uma concertação estratégica, num quadro de subordinação dos primeiros à lógica hegemónica dos segundos.
A União Europeia tem vindo a apoiar e a integrar, de um modo cada vez mais ostensivo, a deriva militarista e intervencionista dos EUA e da NATO, participando, coadjuvando e, mesmo, substituindo a NATO nas suas agressões e ocupações de países soberanos.
O Governo português que, participou nas negociações ao nível da NATO, escondeu ao povo português os compromissos que assumiu e as gravosas consequências do amarrar de Portugal a esta deriva militarista e de guerra, que está em flagrante contradição com o consagrado na Constituição da República Portuguesa.
Face aos inaceitáveis propósitos e acção da NATO, o Conselho Português para a Paz e Cooperação reafirma com acrescida legitimidade e validade o compromisso que a Campanha «Paz sim! NATO não!» assumiu a 20 de Novembro de 2010 de «continuar a reforçar o movimento pela paz e anti-imperialista, persistindo na sua activa intervenção em prol: da oposição à NATO e aos seus objectivos belicistas; da retirada das forças portuguesas envolvidas em missões militares da NATO; do fim das bases militares estrangeiras e das instalações da NATO em território nacional; da dissolução da NATO; do desarmamento e o fim das armas nucleares e de destruição maciça, e da exigência do respeito e cumprimento da Constituição da República Portuguesa e das determinações da Carta das Nações Unidas, pelo direito internacional e pela soberania e igualdade dos povos».
 
A RESISTÊNCIA DOS POVOS FACE À DESTRUIÇÂO E À BARBARIE
Perante as sérias ameaças à paz no mundo e a crescente ingerência e agressividade do imperialismo, os povos resistem.
Face à autêntica onda de destruição e à barbárie imperialista, em todos os continentes há povos que continuam a levantar-se e a lutar corajosa e persistentemente em defesa da liberdade, da soberania e da independência nacional, enfrentando a agressão, a ingerência mais descarada, as ameaças, as chantagens, os ultimatos políticos, económicos ou militares, assumindo, quantas vezes, pesados sacrifícios. Entre outros muitos exemplos:
Na Palestina, onde Israel se encontra cada vez mais isolado internacionalmente face à sua política genocida e colonialista, o martirizado povo palestino, em condições muito difíceis, levanta bem alto a exigência do seu direito inalienável a um Estado livre, soberano e independente, no respeito das fronteiras de 1967 e com Jerúsalem-Leste como capital. Ao mesmo tempo, em Israel, reforça-se o movimento pela paz, que faz da liberdade do povo irmão da Palestina sua causa comum.
No Afeganistão, que vive dez anos de agressão e ocupação da NATO, continua a resistência contra as forças ocupantes, que não cessam de sofrer ataques e baixas militares. Tal como no Iraque, os EUA e seus aliados procuram saídas para o autêntico atoleiro em que se encontram.
No Iraque, continua a brutal ocupação iniciada pelos EUA e seus aliados em 2003, com as suas horríveis consequências e sofrimento para o povo iraquiano, que continua a exigir o pleno respeito pela sua soberania e a saída de todas as forças ocupantes do seu território.
Na Líbia, após sete meses de bombardeamentos e do autêntico genocídio praticado pela NATO contra o povo líbio, assistimos à partilha do saque entre as potências agressoras - os EUA e as potências da União Europeia – que procuram re-colonizar e perpetuar a sua presença militar neste país.
No Sahara Ocidental, apesar da violenta repressão do Reino de Marrocos, o povo Saharaui resiste contra a ocupação, exige o respeito dos direitos humanos dos Saharauis que vivem nos territórios ocupados e do seu inalienável direito à auto-determinação, lutando pela edificação do seu Estado livre, soberano e independente.
Em Cuba, apesar da manutenção e mesmo reforço do inaceitável bloqueio dos EUA – condenado ano após ano na Assembleia-Geral das Nações Unidas – o povo cubano resiste e luta pelo legítimo direito ao exercício pleno da soberania, pelo direito a decidir do seu projecto de desenvolvimento, do seu sistema político e económico, livre de bloqueio económico e ingerências externas.
Na América Latina, apesar das pressões e ingerência directa dos EUA – de que é exemplo, a frustrada tentativa de golpe no Equador –, muitos dos seus povos reforçam ou iniciam caminhos de emancipação nacional, de afirmação de projectos de desenvolvimento soberanos, democráticos e progressistas, alguns dos quais referenciando o socialismo.
 
DEFENDER A CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA
Por uma política externa de paz, amizade e cooperação com todos os povos
Nos últimos dois anos a política externa de Portugal continuou a ser caracterizada pela subordinação, alinhamento e seguidismo face aos interesses e às estratégias dos EUA, da NATO e das grandes potências europeias, em prejuízo dos interesses do povo português e de outros povos do mundo.
Recorde-se que Portugal participou, por vezes em posição relevante, com bases em seu território ou com forças armadas ou militarizadas, em todas as denominadas «missões militares» e «policiais», isto é, nas agressões da NATO e da União Europeia, designadamente nos Balcãs (Jugoslávia), no Médio Oriente (Iraque, Líbano), na Ásia Central (Afeganistão), em África (Somália, Líbia).
Portugal tem sido conivente com a instrumentalização das Nações Unidas em função dos propósitos dos EUA e da NATO, pactuando com graves violações dos princípios da Carta da ONU, de que são exemplo as resoluções do Conselho de Segurança de branqueamento da agressão da NATO à Líbia. Portugal absteve-se na UNESCO no voto que admitiu a Palestina como membro de pleno direito nesta agência das Nações Unidas.
O 25 de Abril de 1974 teve como uma das suas razões de ser e aspiração o fim da guerra colonial – e dos seus milhares de mortos e mutilados – e da conquista da paz para o povo português e para os povos irmãos africanos vítimas do colonialismo. A paz, legítima e genuína aspiração e conquista do povo português, ficou consagrada na Constituição da República Portuguesa, aprovada a 2 de Abril de 1976.
Hoje as forças armadas ou militarizadas portuguesas são utilizadas para levar a guerra – a morte, o sofrimento e a destruição – a outros povos, desrespeitando a letra e o espírito do consagrado na Constituição da República Portuguesa, que nasceu da aspiração de paz e amizade por parte do povo português com todos os povos do mundo.
Coloca-se como um imperativo para todos os activistas e amantes da paz a defesa dos princípios plasmados na Constituição da República Portuguesa para a política externa portuguesa.
 
PAZ, UMA CAUSA ACTUAL E PREMENTE!
A luta pela paz é, nos nossos dias, uma causa com toda a actualidade e premência.
Perante os sérios perigos e as grandes e exigentes questões que se colocam à humanidade, levantam-se, com igual elevação e significado, vastas possibilidades de ampliar a resistência e fortalecer as forças geradoras e protagonistas da edificação de um futuro melhor.
O movimento da paz é parte integrante desta ampla conjugação de vontades e de acção combativa, tanto mais, quanto mais audaciosa, diversificada, forte e determinada for a sua intervenção.
Neste sentido, o Conselho Português para a Paz e Cooperação reafirma, com renovado empenhamento, o seu compromisso de fortalecer a sua acção em prol da promoção dos seus princípios fundadores: o desarmamento geral e controlado; a coexistência pacífica entre Estados; o desenvolvimento equilibrado tendo em vista o bem-estar da Humanidade; o respeito pelos direitos do Homem e pelas suas liberdades fundamentais, a eliminação de todas as formas de discriminação e o fascismo; o respeito pelo direito dos povos à soberania e à independência e pela cooperação internacional.
 
Deste modo, o CPPC assume como principais linhas de intervenção para o próximo biénio 2011/2013:
- O reforço do movimento da paz em Portugal, promovendo o desenvolvimento de uma ampla intervenção em defesa da Constituição da República Portuguesa e por uma política externa portuguesa em consonância com o consagrado nos três primeiros pontos do seu Artigo 7º, assim como dos princípios consagrados na Carta da ONU e do Direito Internacional;
- A luta contra a guerra e o militarismo (contra os blocos político-militares, como a NATO, contra a militarização da União Europeia, contra as bases militares estrangeiras, pelo fim da corrida aos armamentos, por um mundo livre de armas nucleares, pela rejeição da participação de tropas ou forças militarizadas portuguesas em agressões a outros povos e por uma política externa independente de Portugal).
- A solidariedade e cooperação com todos os povos do mundo, em particular com os povos vítimas de guerras imperialistas (solidarizando-se com a resistência contra a agressão e a ocupação, contra a ingerência estrangeira, a chantagem, o bloqueio ou ameaça de intervenção militar, apoiando a luta dos povos pelo seu inalienável direito à auto-determinação, à soberania, à liberdade, à independência dos seus respectivos países).
Em coerência, o CPPC continuará a pautar a sua acção pela denúncia e combate às crescentes e intoleráveis injustiças, a todas as formas de opressão, exclusão e discriminação geradas por um sistema capitalista cuja crise se agudiza e que encontra, igualmente, na guerra uma forma de impor o seu domínio.
A luta pela paz é parte integrante e condição necessária para a justiça e o progresso social.
O CPPC considera que «a luta pela paz é contributo decisivo e marco intransponível para ultrapassar a crise económica e construir um mundo de justiça e progresso social, baseado na democratização das relações económicas e no desenvolvimento de uma relação sustentável entre as comunidades humanas e a natureza, no respeito pelos direitos e anseios de todos os povos do mundo» (Assembleia da Paz, 14 de Novembro de 2009).
O anseio e direito dos povos à paz consubstanciam-se na conquista e concretização dos direitos ao bem-estar, à alimentação, à água, à saúde, à habitação, à educação, ao trabalho, à cultura, ao lazer e à recreação, a um ambiente saudável e a uma relação equilibrada com a natureza, à liberdade, à soberania, à justiça, ao desenvolvimento económico, a disporem das condições materiais necessárias a uma vida digna e estável.
Para a concretização destas linhas centrais de intervenção, o Conselho Português para a Paz e Cooperação aponta como objectivo o seu reforço orgânico.
O CPPC terá que encontrar os caminhos e as soluções para ultrapassar insuficiências e debilidades existentes, para dinamizar o pleno funcionamento dos seus órgãos, para promover a participação dos aderentes nas suas actividades, para acolher e impulsionar a criação e o funcionamento regular de comissões de paz, para assegurar uma melhor divulgação da sua intervenção e para assegurar uma adequada situação financeira que suporte o desenvolvimento da sua actividade.
Neste quadro, o CPPC continuará a assumir as suas responsabilidades no Conselho Mundial da Paz como membro coordenador da região da Europa e do seu Executivo, contribuindo, na medida das suas possibilidades e responsabilidades, para o reforço do movimento da paz a nível internacional.
Tal como sublinhámos na última Assembleia da Paz, e a evolução da situação mundial nestes dois últimos anos demonstrou, «os tempos que vivemos, sendo instáveis, inseguros, tremendamente perigosos e de grandes incertezas quanto ao futuro, face à agressividade imperialista, são igualmente tempos de resistência, luta e conquistas, que demonstram que não estamos perante um mundo obrigatória e fatalmente injusto, prisioneiro do militarismo e à mercê dos seus crimes».
É pois com inabalável determinação na justeza dos seus ideais e princípios e confiança na construção de um futuro melhor que o Conselho Português para a Paz e Cooperação reafirma o seu compromisso de sempre agir lado a lado com todos os homens e mulheres, no plano nacional e internacional, que resistem e intervêm com a aspiração e a convicção de que é possível construir um mundo justo, democrático, solidário e de paz.