Outras Notícias

Palestina

  • Solidariedade com a Palestina em Lisboa: Intervenção do CPPC

    Leia a intervenção do Conselho Português para a Paz e Cooperação na iniciativa desta tarde no Largo de Camões em Lisboa:

    Basta de crimes! Não à provocação de Trump!
    Liberdade para a Palestina!
    Paz no Médio Oriente!

  • Solidariedade com a Palestina no Porto

    Realizou no final da tarde de 15 de Maio uma iniciativa na Praça da Palestina, no Porto, de solidariedade com a Palestina e de denúncia dos massacres que causaram mais de 60 mortos e feriram mais de 2700 pessoas no mesmo dia em que os EUA abriram a sua embaixada em Jerusalém contra as resoluções da ONU e o direito internacional e quando se assinalam os 70 anos da Nakba, a grande tragédia.

    Ali se gritou Palestina Vencerá!Não à provocação, fim à ocupação! Ali estavam presentes cerca de duas centenas de pessoas a apoiar os protestos legítimos e vigorosos do povo palestino, a denunciar a violenta e criminosa repressão contra os que na Palestina estão neste momento também nas ruas a lutar pelos seus direitos e pela paz.

  • Solidariedade com a Palestina, no Porto

    Realizou-se no Porto, no dia 25 de maio, no auditório do Sindicato dos Professores do Norte, uma sessão de solidariedade com a Palestina, promovida pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação, em que interveio Ilda Figueiredo, presidente da DN do CPPC, com a participação do embaixador da Palestina em Portugal, Nabil Abuznaid, e Manuela Mendonça, Dirigente do SPN e da FENPROF.
    A sessão pública foi precedida de uma reunião com membros da coordenação do SPN tendo-se abordado possíveis iniciativas de solidariedade no norte e no país.
    Durante a sessão, foi dada uma informação sobre a grave evolução da situação na Palestina, no momento em que se assinalam os 75 anos da Nakba (a catástrofe), saudou-se a resistência do povo palestino contra a ocupação, colonização e opressão israelitas e exigiu-se o reconhecimento do Estado da Palestina pelo governo português, tendo em conta a Constituição da República Portuguesa e as Resoluções da ONU.
    Como foi assinalado, as ocupações militares israelitas de território palestino; as destruições de povoações inteiras; os assassínios; e as prisões arbitrárias, incluindo de menores de idade; a segregação e demais crimes e violações do direito internacional perpetrados pelo Estado de Israel contra o povo palestino, têm-se vindo a intensificar ao longo de décadas, com a complacência dos Estados Unidos da América e da União Europeia. Apresentando-se, de facto, como protetoras do Estado de Israel e das suas ações, estas potências têm procurado silenciar quem se solidariza com o povo palestino e denuncia aqueles crimes, enquanto tiram proveito de negócios com o Estado israelita e da localização geoestratégica deste.
    Nestes tempos em que é necessário romper com a malha de silêncio e hipocrisia que alguns procuram tecer em torno da causa palestina, a sessão mostrou que há muitas pessoas e instituições portuguesas que se mantêm ao lado desse corajoso povo, incentivando todos os democratas e defensores da paz na reafirmação da exigência da criação do Estado da Palestina nas fronteiras anteriores a 4 de junho de 1967 e capital em Jerusalém Oriental, pelo direito de regresso dos refugiados palestinos e a libertação de todos os presos políticos palestinos das prisões israelitas.

  • Solidariedade com o povo palestininano - Covilhã

    402859318_616841910660588_6701817361720718732_n.jpg

    Na tarde do dia 17 de novembro, na Covilhã, realizou-se uma concentração em solidariedade com o povo Palestiniano.
    As intervenções dos representantes das organizações promotoras, Vítor Reis Silva (Conselho Português para a Paz e Cooperação), Casimiro Santos (União de Resistentes Antifascistas Portugueses) e Sérgio Santos (União de Sindicatos de Castelo Branco / CGTP-IN), reiteraram a necessidade de parar a guerra e pôr fim ao massacre em curso na Faixa de Gaza levado a cabo por Israel.
  • Solidariedade com o Povo Palestino

    solidariedade com o povo palestino 1 20201202 1646355436
    Assinala-se a 29 de Novembro, o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, iniciativa da Assembleia Geral da ONU.
    Esta data assinala a aprovação, , em 1947, pela Assembleia-Geral das Nações Unidas, da Resolução 181, que estipuls a divisão da Palestina em dois estados, um árabe e um judeu, sendo que o primeiro seria constituído em 44 por cento do território e o segundo em 55 por cento; Jerusalém e Belém permaneceriam zonas internacionais.
    Mais de sete décadas depois, só o Estado de Israel existe, mantendo a ilegal ocupação de território pela força das armas, com o apoio das potências ocidentais. Quanto ao povo palestino, resiste para permanecer na sua terra sob a mais violenta opressão. A ilegal ocupação de territórios da Palestina por parte de Israel é responsável por incontáveis crimes e pela tentativa de, por todos os meios, apagar o sentimento nacional palestino.
  • Solidariedade com o povo palestino - Aveiro (2014)

    Realizou-se ontem, dia 6 de Agosto, em Aveiro uma acção de solidariedade com a Palestina.

    Marcada ao final da tarde num dos sítios com mais circulação do concelho - a estação de comboio - esta foi uma iniciativa com grande impacto, quer pela participação de várias dezenas de pessoas, quer pela chamada de atenção a algumas centenas que por lá passaram, havendo mesmo algumas que se juntaram à acção e assinaram a petição do CPPC.

    Esta iniciativa, promovida pelo CPPC em conjunto com a União de Sindicatos de Aveiro, contou com a presença e intervenção de Joaquim Mesquita, da Direcção Nacional do CPPC, que sublinhou a solidariedade do povo português e, particularmente, dos habitantes do distrito de Aveiro, com a Palestina e a sua justa luta pela paz, liberdade e independência - contra o fim da ocupação e do genocídio!

     

  • Solidariedade com o povo palestino! Fim à ocupação e aos crimes de Israel!

    cartaz solidariedade com o povo palestino fim a ocupacao e aos crimes de israel 1 20211124 1537428391

    A 29 de Novembro assinala-se o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino.
    Há 74 anos, as Nações Unidas prometeram criar um Estado da Palestina, em território da Palestina. Essa promessa nunca foi cumprida. Há décadas que o povo da Palestina vive a brutal ocupação israelita. É tempo de fazer justiça!
    Todos os dias Israel viola o Direito Internacional e as resoluções da ONU:
    • É a ilegal ocupação e a limpeza étnica que desde sempre a acompanha.
    • São os bombardeamentos de Israel sobre a população de Gaza e sobre os países vizinhos.
    • São os ilegais colonatos que Israel não pára de construir nos territórios ocupados em 1967, anexando cada vez mais território palestino.
    • São as inaceitáveis expulsões de palestinos das suas casas em Jerusalém e outras cidades.
    • É a protecção e a cumplicidade do exército israelita com a acção dos bandos armados de colonos que semeiam o terror entre a população palestina.
  • Solidariedade com o povo palestino! Fim à ocupação e aos crimes de Israel! Intervenção do CPPC

    solidariedade com o povo palestino fim a ocupacao e aos crimes de israel intervencao do cppc 3 20211130 1304548888

    Estimados amigas, amigos,
    Saímos hoje e uma vez mais à rua em solidariedade com a Palestina, para exigir o fim da agressão, da violência e das humilhações infligidas por Israel ao povo palestino – numa palavra, para exigir o fim da ocupação.
    Neste dia 29 de novembro, Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestiniano, é necessário reafirmar o direito do povo palestino a um Estado independente, viável e soberano, como vinculado neste mesmo dia, em 1947, numa resolução aprovada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas.
    Hoje, volvidas mais de sete décadas desde esta decisão, a existência de um Estado da Palestina continua a ser impedida e negada por Israel através da força da armas, da agressão, da opressão, da ocupação.
    Esta ocupação ilegal por parte de Israel tem condenado o povo palestino a viver sob um autêntico regime de apartheid, como um povo a quem são negados os seus direitos na sua própria terra, a quem são impostas as mais variadas formas de humilhações e violências, que marcam de forma brutal o dia-a-dia de gerações de palestinos.
  • SOLIDARIEDADE COM OS PRESOS PALESTINOS EM GREVE DA FOME NOS CÁRCERES DE ISRAEL

    Conjunto de 25 organizações portuguesas subscreve documento em solidariedade com presos palestinos em greve de fome nas prisões israelitas.

    SOLIDARIEDADE COM OS PRESOS PALESTINOS EM GREVE DA FOME NOS CÁRCERES DE ISRAEL

    Cerca de 1500 palestinos encarcerados nas prisões de Israel por resistirem à ocupação e à repressão lançaram no dia 17 de Abril uma greve da fome designada «greve da liberdade e dignidade».

    A greve da fome é uma medida extrema: privados de outros meios de protesto, os presos usam o seu próprio corpo, põem em risco a sua própria vida para reclamar a melhoria das suas condições e a sua libertação.

    Os presos em greve da fome, de todas as tendências políticas, reivindicam direitos básicos como o direito de telefonar às suas famílias, visitas familiares, o acesso ao ensino superior à distância, cuidados médicos e tratamento adequados e o fim dos regimes de isolamento e de detenção sem acusação nem julgamento.

  • Solidariedade com os presos políticos palestinianos em greve de fome nas prisões Israelitas

    presos politicos palestinos em greve de fome 1 20170518 1721968828

     

    Completa-se, hoje, um mês desde que cerca de mil e quinhentos presos políticos palestinianos em prisões israelitas iniciaram uma greve de fome, como forma de protesto pela negação por parte das autoridades de Israel de direitos básicos, consagrados no direito internacional, como o acesso à assistência médica, contra a tortura e outras formas de violência a que são sujeitos, pelo direito a receber visitas de familiares, entre outras exigências.

     

    No momento em que, dada a duração do protesto, perante a inflexibilidade das autoridades israelitas, se agrava, ainda mais, o estado de saúde dos presos, divulgamos a posição de Solidariedade para com os presos políticos palestinianos em greve de fome nas prisões israelitas” subscrita por organizações do movimento da paz de vários países, exigindo o respeito dos direitos e a libertação destes presos políticos.

     

    17 de Maio de 2017

     

    A posição:

     

    Solidariedade com os presos políticos palestinianos em greve de fome nas prisões Israelitas

  • Solidariedade e justiça para os presos políticos palestinos nas prisões de Israel

    solidariedade e justica para os presos politicos palestinos nas prisoes de israel 1 20220124 1874489002

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), na continuação das suas anteriores iniciativas de denúncia e de expressão de solidariedade, condena o contínuo desrespeito do direito internacional, incluindo várias resoluções da Organização das Nações Unidas, por parte de Israel, que mantém a sua política colonialista e xenófoba, ocupando ilegalmente territórios da Palestina, agredindo e oprimindo o povo palestino, contando com o apoio das potências ocidentais, nomeadamente dos Estados Unidos da América e da União Europeia.
    É particularmente grave a situação dos presos políticos palestinos detidos nas prisões de Israel, sendo que a muitos dos quais, para além da prisão sem acusação, continua a ser negado o direito ao julgamento, podendo a detenção ser renovada, o que permite às autoridades israelitas encarcerar palestinos, incluindo menores de idade, por tempo indefinido.
  • Solidariedade para com a activista da Paz Moara Crivelente

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação manifesta a sua solidariedade para com a activista da Paz Moara Crivelente, membro do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ), com quem tem trabalhado há já vários anos no âmbito do Conselho Mundial da Paz, pelo injusto tratamento e expulsão de Israel de que foi vítima no dia 24 de Julho.

    O CPPC lembra ainda todos os muitos activistas que já passaram por situações semelhantes e condena as contínuas arbitrariedades e crimes cometidos pelo Estado Israelita, de que o povo palestino continua a ser a principal vítima.

    Afirmamos que as tentativas de Israel intimidar o movimento de solidariedade não só não demoverão os que defendem a causa palestina como lhes dão, ainda mais, a força da razão.

    Palestina vencerá!

    Leia o artigo de Moara Crivelente

  • Todos pela Palestina e pela Paz no Médio Oriente!

    Screenshot_2023-11-30_10-23-07.png

    Todos pela Palestina e pela Paz no Médio Oriente!
    Independentemente do desenvolvimento da situação nos próximos dias, a solidariedade com o povo palestiniano tem de prosseguir.
    É preciso com urgência:
    -um cessar-fogo imediato e permanente;
    -pôr fim a novos bombardeamentos e ataques israelitas;
    -assegurar que o massacre acabe de uma vez por todas;
    -impedir a expulsão dos palestinianos das suas casas e terra;
    -garantir a ajuda humanitária e a reconstrução da Faixa de Gaza;
    -pôr fim à violência dos militares e colonos israelitas na Cisjordânia;
    -pôr fim a 17 anos de desumano cerco da Faixa de Gaza;
    -libertar todos os detidos;
    É preciso que, após muitas décadas de promessas incumpridas, seja concretizado um Estado Palestiniano independente, com controlo soberano das suas fronteiras e recursos.
    A Palestina e o Médio Oriente precisam de paz, o que passa pelo reconhecimento e cumprimento dos direitos nacionais do povo palestiniano.
    É necessário o nosso empenhamento e a nossa solidariedade.
    Dia 8 de Dezembro, às 15 horas, voltamos às ruas de Lisboa, em Manifestação entre o Martim Moniz e o Largo José Saramago.
  • Um ano da Grande Marcha de Retorno - A luta do povo palestino pelos seus direitos

    um ano da grande marcha de retorno a luta do povo palestino pelos seus direitos 1 20190408 1293581218

    No momento em que se completa um ano do início das manifestações da população palestina na Faixa de Gaza, conhecidas como a Grande Marcha de Retorno – iniciadas a 30 de Março de 2018 –, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) saúda a resistência do povo palestino contra a ocupação e a opressão israelita e reafirma a sua solidariedade para com a sua justa causa pelo respeito e cumprimento dos seus direitos nacionais.

    O dia 30 de Março marca o dia da Terra Palestina, data que recorda a greve geral e as grandes manifestações de 1976 contra a ocupação por Israel de mais terra do povo palestino, sobre as quais se abateu uma violenta repressão pelas forças militares israelitas que provocou a morte a seis jovens palestinos e centenas de feridos e presos.

  • Vigília de Solidariedade com a Palestina - Braga 2014

     

    Vigília de Solidariedade com a Palestina
    Fim ao Massacre!
    Fim à Ocupação!

    21h | 13 de Agosto (4ª Feira )

    Av. Central (Arcada) - Braga

    www.facebook.com/events/1443004579313630/

     

  • Vigília de Solidariedade com a Palestina - Coimbra 2014

    O núcleo de Coimbra, do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), com o apoio da União dos Sindicatos de Coimbra (USC), realizou ontem, dia 28, uma vigília de solidariedade com o povo da Palestina.

    A iniciativa contou com a presença de mais de uma centena de pessoas.

     

  • Vitória da luta dos presos políticos palestinianos em prisões israelitas

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação saúda a vitória da corajosa luta dos presos políticos palestinianos, em prisões israelitas, com a cedência das autoridades israelitas a justas exigências destes presos, na sequência do protesto “Liberdade e Dignidade”, em que mais de mil presos políticos palestinos se encontravam em greve de fome há já 40 dias.

    Os presos políticos palestinianos suspenderam o seu protesto, após mais de vinte horas consecutivas de negociações, quando as autoridades israelitas acederam a várias das suas exigências como o direito a duas visitas mensais da família ou a receberem assistência médica condigna.