Outras Notícias

O Conselho Português para a Paz e Cooperação repudia com veemência a brutal violência com que o exército israelita reprimiu as manifestações populares palestinianas por ocasião do 63.º aniversário da *Nakhba* (catástrofe), ou seja, a expulsão dos palestinianos dos seus territórios. Confirmados estão 24 mortos e centenas de feridos, alguns com gravidade. Estas manifestações mobilizaram dezenas de milhares de palestinianos em Jerusalém Leste, na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, bem como nas fronteiras do Líbano e Síria com Israel.

 

Estas manifestações surgem num momento em que mais de uma centena de países do mundo já reconheceu oficialmente o Estado palestiniano nas fronteiras de 1967 (aliás, como estabelece a Organização das Nações Unidas) e em que 17 partidos palestinianos (entre os quais a Fatah, o Hamas, a FPLP, a FDLP, o PPP e a Jihad Islâmica) assinaram um acordo de cooperação com vista à formação de um governo de unidade nacional, acabando com a divisão que desde há anos vinha minando a luta do povo da Palestina.
 
Saudando estes esforços de unidade do povo da Palestina, o CPPC reafirma a necessidade urgente de:
    •    Acabar com a ocupação israelita;
    •    Desmantelar os colonatos e impedir a construção de novos colonatos;
    •    Remover o muro de separação;
    •    Levantar o bloqueio a Gaza;
    •    Estabelecer o Estado da Palestina dentro das fronteiras de 4 de Junho de 1967, com Jerusalém Leste como capital;
    •    Garantir o direito de regresso dos refugiados.
 
 
O CPPC exige do Estado português que se bata por estes pontos, previstos em sucessivas resoluções da ONU, e que reconheça o quanto antes o direito do povo palestiniano a um Estado independente, soberano e viável. Desta forma estará a cumprir o que está inscrito na Constituição da República Portuguesa.

 

Lisboa.