Outras Notícias

médio oriente

  • Dar voz à solidariedade com a Palestina - Algarve

    No passado dia 31 de Janeiro, em Faro, activistas do CPPC do núcleo do Algarve estiveram nas ruas da cidade a contactar a população e a distribuir um documento em solidariedade com a Palestina, denunciando a ocupação israelita e a cumplicidade dos EUA, nomeadamente a recente declaração da Administração norte-americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e de mudar para aí a sua embaixada.

  • Dar Voz à Solidariedade com a Palestina - Porto

    Ontem, dia 7 de Março, pelas 18 horas, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) realizou, no Porto, no palacete Viscondes de Balsemão, uma sessão de solidariedade com a Palestina que teve a participação do embaixador da Palestina, Nabil Abuznaid, do escritor José António Gomes e de Ilda Figueiredo, presidente da direcção do Conselho Português para a Paz e Cooperação.

  • Mais Guerra Não! AJUDA URGENTE AOS REFUGIADOS!

    Divulgamos posição subscrita por várias organizações que exigem medidas urgente para o drama humanitário dos refugiados.

    Mais Guerra Não!

  • Os conflitos no Médio Oriente - USP / CPPC

    Muitas dezenas de sindicalistas de diversos setores de atividade participaram recentemente, no Porto, no debate promovido pela União dos Sindicatos do Porto e o CPPC sobre "Os conflitos no Médio Oriente" com a participação do coordenador da USP/CGTP e os membros do Conselho Português para a Paz e Cooperação: José Goulão, jornalista e Ilda Figueiredo, economista e presidente da direção nacional do CPPC.

    Ali se reafirmou a importância da defesa da paz para conseguir o desenvolvimento e o progresso social.

     

  • "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” em Lisboa

    Em Lisboa, mais de uma centena de pessoas participaram ontem, dia 19 de Setembro, no acto público "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!".
     
    O desfile iniciou-se junto aos Armazéns do Chiado e terminou no Largo Camões onde foi aprovada por unanimidade a seguinte moção:
     
    "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!
     
    Assistimos a um prolongado conflito na Síria, que tendo aparentemente surgido a partir de manifestações de insatisfação social, rapidamente foi apropriado por organizações subversivas armadas
  • "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” no Porto

    "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” no Porto
     
    Realizou-se ontem, 20 de Setembro, na Baixa do Porto, uma acção de solidariedade com o povo sírio, pelo fim da agressão contra a Síria e contra as acções de desestabilização do país, promovidas por potências estrangeiras. Nesta acção de contacto e esclarecimento da população sobre a situação na Síria estiveram presentes representantes de várias organizações subscritoras da moção "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!”, culminando nas intervenções de Ilda Figueiredo, Presidente da Direcção do CPPC, e Elisabete Silva, Coordenadora Nacional da Juventude Operária Católica.
  • «Pela Paz, Guerra Não! Irão na Mira dos EUA»

    pela paz guerra nao irao na mira dos eua 1 20200120 1230270987

    «Pela Paz, Guerra Não! Irão na Mira dos EUA» foi o lema da sessão que, no final da tarde de 16 de Janeiro, encheu o salão da Casa do Alentejo, em Lisboa. Na mesa estavam, com o dirigente do CPPC Gustavo Carneiro, o jornalista José Goulão e o investigador Carlos Almeida, respectivamente membro da Presidência do CPPC e vice-presidente do Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente.

    Nas várias intervenções procurou-se analisar o real significado do assassinato, pelos EUA, do general iraniano Qassem Soleimani, um dos principais estrategos da vitória sobre os grupos terroristas da AlQaeda e do chamado Estado Islâmico na Síria e no Iraque. Ficou evidente que se tratou de mais um passo – particularmente perigoso – para assegurar o predomínio regional norte-americano, que tem na região milhares de soldados e centenas de bases e instalações militares e frotas navais.

    Realçando-se o carácter ilegal deste assassinato, cujas consequências para a paz na região, e não só, ainda continuam por se revelar, denunciou-se a poderosa mistificação mediática que envolve a abordagem das questões internacionais, com as quais se procura transformar agressores em agredidos e vítimas em carrascos.

    Da sessão saiu uma firme exigência às autoridades portuguesas para que assumam um posicionamento coerente com a Constituição da República Portuguesa, o que exige uma ruptura firme com a submissão aos EUA, à NATO e à União Europeia que marca a actuação do actual governo, como dos anteriores. Portugal tem a obrigação de se bater pela paz, pelo desarmamento, pelo respeito pela soberania dos estados e pelos direitos dos povos. E isso não é compatível com as aventuras militares do imperialismo, motivadas pela intenção de controlar recursos energéticos, matérias-primas, mercados e zonas de importância geo-estratégica e condicionar o desenvolvimento de outros países.

  • 15 anos da agressão ao Iraque

    No momento em que se assinalam 15 anos sobre a agressão militar contra o Iraque, e sua posterior ocupação pelos EUA e seus aliados – ocupação derrotada pela resistência iraquiana, mas que os EUA procuram fazer perdurar sob diversas formas – importa salientar o que ela significou para o povo iraquiano, de brutal violação dos mais elementares direitos humanos, de assassinatos sistemáticos, de desumanas torturas, de morte, sofrimento e destruição.

    Uma agressão e ocupação que representaram e representam ainda o atropelo e violação das mais elementares regras do direito internacional, nomeadamente o direito dos povos a viverem em paz e a decidirem soberanamente sobre o seu futuro, sem ingerências e pressões de qualquer espécie.

  • 31 Anos passados sobre os massacres de Sabra e Chatila

    31 Anos passados sobre os
    MASSACRES DE SABRA E CHATILA
     
    De 15 a 18 de Setembro de 1982, sem qualquer aviso prévio, centenas de famílias palestinas refugiadas – homens, mulheres, crianças e idosos - nos improvisados campos de Sabra e Chatila, nos arredores de Beirute, no Líbano, foram barbaramente massacradas pelas milícias falangistas libanesas, de extrema-direita, e por tropas do exército israelita, comandado por Ariel Sharon.
  • 5º Aniversário dos bombardeamentos de Israel a Gaza

    "OPERAÇÃO CHUMBO FUNDIDO" (27 de Dezembro de 2008)

    A par do opressivo sistema de apartheid em que vivem os palestinos residentes em Israel, o mundo assiste a sucessivas usurpações territoriais na Cisjordânia e a agressões às populações residentes em territórios palestinos, actos de terrorismo de estado cometidos por parte do governo Israelita sobre o povo e o estado palestino.

  • 67 anos depois, a ocupação prossegue

    O povo palestiniano assinala, no próximo dia 15 de Maio, o 67.º aniversário da «Nakba» (a Catástrofe), que marca o início da ocupação israelita da Palestina com o seu rol de massacres, deportações, privação de direitos humanos e violências de todo o género sobre a população árabe, que se prolongam até à actualidade.

    Ao declarar unilateralmente a sua independência no território que as armas e o terror almejaram conquistar, Israel desrespeitou o Plano de Partilha da Palestina elaborado no ano anterior pelas Nações Unidas, que dividia o antigo domínio britânico em dois Estados, Palestina e Israel.
    Se Israel teve efectivamente o seu Estado, cujo território não cessa de aumentar, os palestinianos tornaram-se exilados no seu próprio país, divididos entre Líbano, Síria, Jordânia e Egipto. Graças à «Nakba», é palestiniana uma das maiores comunidades de refugiados do mundo.

  • A justiça é a melhor retaliação

    Por Hikmat Ajjuri, Embaixador da Palestina em Portugal

    Imagens terríveis chegam de Gaza todos os dias desde que Israel começou o genocídio de palestinianos na Faixa de Gaza. Partes de corpos humanos, cabeças divididas a meio, mãe morta com filho bebé abraçados e famílias inteiras enterradas sob os telhados depois de terem sido bombardeadas pelos aviões militares israelitas, navios de guerra e tanques.

    Esta desproporcionalidade da força israelita é, só por si, um crime de guerra, de acordo com a lei da guerra. Se estes crimes tivessem sido perpetrados por qualquer outra força que não a da ocupação israelita, não há dúvida de que a reação da comunidade internacional teria sido obviamente diferente.

    Neste contexto, emergem duas questões legítimas. A primeira n: poderá alguém, com algum senso de humanidade, justificar este genocídio em Gaza às mãos do ocupante contra o ocupado? A segunda é: Não será este assassinato constante dos palestinianos inocentes – enfrentado por um silêncio vergonhoso da comunidade internacional em favor de Israel – o que terá alimentado a criação do radicalismo islâmico?

  • A situação no Médio Oriente e a Luta pela Paz

  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Braga

    acao de solidariedade com a palestina braga 1 20210529 1907919738

    Decorreu ontem, na Arcada – Braga uma concentração em solidariedade com a Palestina, promovida pelo CPPC, USB/CGTP-IN e MDM, onde se concentraram mais de uma centena de pessoas, contra a agressão e ocupação do Palestina, por Israel.
    A iniciativa contou com as intervenções de João Rouxinol, em nome do CPPC, e de Daniel Rodrigues pela USB de Braga/CGTP-IN.
    Foi lida por Raquel Galego da USB de Braga/CGTP-IN uma Moção a entregar ao Governo Português e a Assembleia da República, onde se exige ao Governo que abandone a sua chocante posição de tratar de forma igual o agressor e o agredido. O que se passa na Palestina não é um conflito, é uma violenta ocupação, ilegal e que atenta contra os direitos humanos, os direitos do povo palestino.
    Foram exibidos cartazes e proclamadas palavras de ordem pelo fim da agressão à Palestina, pela libertação dos presos políticos e por uma Palestina livre.
  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Coimbra

    acao de solidariedade com a palestina coimbra 2 20210529 1988003159
     
    Decorreu ontem, dia 25 de maio, uma Caravana de solidariedade com a Palestina e o seu povo, em Coimbra.
    A Caravana, que partiu da Beira Rio, contou com a organização do Conselho Português para a Paz e Cooperação, da União de Sindicatos dos Professores da região Centro /CGTP-IN, Da Associação de Amizade Portugal-Cuba, dos Sindicatos dos Professores da Região Centro/CGTP-IN e do Ateneu de Coimbra. A Caravana denunciou a impunidade de Israel, a ilegal ocupação de territórios Palestinos e exigiu o fim da criminosa agressão contra o povo da Palestina.
    Palestina Vencerá!
  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Faro

    acao de solidariedade com a palestina faro 1 20210529 1481410241
    Mais de 80 pessoas estiveram presentes na ação de Solidariedade com a Palestina, contra a violência e a ocupação israelitas. A iniciativa teve início com um momento musical proporcionado por Luís Galrito e António Hilário, a que se seguiram as intervenções das organizações promotoras, com Ana Simões, pela USAlg, Isa Martins, pelo MDM e Sofia Costa, pelo CPPC.
    Palestina Vencerá!
    Intervenção do CPPC
  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Lisboa

    acao de solidariedade com a palestina lisboa 1 20210529 1441194263

    Largas centenas de pessoas encheram a Praça do Martim Moniz, em Lisboa, em solidariedade com a Palestina, contra a violência e a ocupação israelitas. Intervieram em representação das organizações promotoras Gustavo Carneiro, do CPPC; Carlos Almeida, do MPPM; e Isabel Camarinha, da CGTP-IN. Apresentada pelo ator Fernando Jorge Lopes, a concentração contou ainda com a participação de Maria do Céu Guerra, atriz e presidente do MPPM, que recitou o poema Bilhete de Identidade, do poeta palestino Mahmoud Darwish.
    Palestina vencerá!
    Intervenção do CPPC
  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Viseu

    acao de solidariedade com a palestina viseu 1 20210529 1514279011
     
    Teve lugar ontem, dia 24 de Maio, uma Ação de Solidariedade com o Palestina, no Rossio, em Viseu, promovida pelo CPPC, pela USV/CGTP-IN, pelo MDM e pela URAP contra a terrível agressão de Israel contra o povo palestino.
    Foi exigido o fim da impunidade de Israel, dos seus crimes e da sua politica de ocupação, bem como o fim dos criminosos bombardeamentos a Gaza. Exigiu-se ainda que o governo português abandone a sua posição de colocar em pé de igualdade agressor e agredido, que condene Israel pelos seus crimes e que se pronuncie pela defesa do povo palestino e do seu direito a um Estado independente.
    A iniciativa contou com as intervenções de Helena Barbosa, pelo CPPC, e de Filomena Pires, pelo MDM.
    Palestina Vencerá!
  • Acção de solidariedade com a Palestina. Paz, Liberdade e Independência!

  • Acto público em Lisboa Pela Paz! Fim à agressão à Síria!

    Condenando o ataque dos EUA, do Reino Unido e da França contra a República Árabe Síria, na madrugada de 14 de Abril, e que contou com o expresso apoio da NATO, da União Europeia e de Israel, um conjunto de organizações promove um acto acto público pela paz e pelo fim da agressão à Síria, no próximo dia 19 de Abril, Quinta-feira, no Largo Camões, em Lisboa.

    Esta agressão a um Estado soberano, em completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, e sob o pretexto de uma alegada utilização de armas químicas, até ao momento não comprovada, foi desencadeada quando a Síria e o seu povo têm obtido diversas vitórias face aos grupos terroristas – apoiados pelos EUA e diversos países seus aliados – e quando foram alcançados, pelo diálogo e esforços de vários países, importantes avanços no caminho da paz.