Outras Notícias

  • CPPC expressa condolências pelo falecimento de Roland Weyl 30-04-2021

      O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta profundamente o falecimento de Roland Weyl, no passado dia 20 de abril. Advogado, anti-fascista,...

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

O Conselho Português para a Paz e Cooperação saúda a República Bolivariana da Venezuela por ocasião do 229.º aniversário do nascimento de Simon Bolívar, pai da independência do país e inspiração para a edificação de uma sociedade mais justa, mais livre e mais próspera.
Nesta ocasião, o CPPC presta homenagem a todos quantos, ao longo da história, se bateram pela independência política e económica dos países da América Latina que, uma vez libertados do colonialismo espanhol, cedo se viram confrontados com o domínio dos Estados Unidos da América sobre os seus importantes recursos naturais e, em consequência, sobre a sua vida política.


O preço pago por estes povos foi dramático, tendo suportado a violência das ditaduras fascistas apoiadas pelos EUA, a cruel e desumana exploração dos trabalhadores e dos povos indígenas e a mais profunda miséria.
Mas não é possível lembrar, hoje, Simon Bolívar sem destacar os processos de emancipação económica, social e política, de forte cariz popular e anti-imperialista, actualmente em curso em vários países da região, particularmente na Venezuela, onde nos últimos 14 anos foi possível colmatar algumas das mais profundas chagas abertas por séculos de domínio colonial e neocolonial e abrir radiosas perspectivas de um desenvolvimento harmonioso da sociedade, em favor da maioria do seu povo.
O CPPC rejeita com veemência as tentativas vindas do exterior para os inverter, de que são contundentes exemplos os golpes de Estado nas Honduras e no Paraguai, a reactivação da IV Frota Naval dos EUA, estacionada precisamente na América Latina, ou a instalação de novas bases militares norte-americanas, de que são exemplo as novas basesna Colômbia.
Reafirmando o seu apoio aos processos libertadores em curso, o CPPC apela aos povos da América Latina para que se mantenham unidos na defesa da soberania dos seus países, da liberdade, da democracia e da paz.