Outras Notícias

América Latina

  • No passado dia 17 de Setembro, o CPPC acolheu, na Casa da Paz em Lisboa, a inauguração pela Embaixada da República Bolivariana da Venezuela da exposição em honra do artista plástico venezuelano, Armando Reverón.

    Na iniciativa em que participou o Sr. Embaixador da Venezuela em Portugal, também estiveram presentes, representantes de missões diplomáticas e outras organizações, para além de público em geral.

    A exposição estará presente em 50 cidades de todo o mundo, e realiza-se no marco da transladação dos restos mortais do artista para o Panteão Nacional que ocorreu no passado dia 18.

     

     

     

  • Iniciou-se em Setúbal, na passada segunda-feira, na antiga Escola Conde Ferreira, a semana cultural da Venezuela promovida pela Embaixada da República Bolivariana da Venezuela e pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), com apoio da União das Freguesias de Setúbal. A primeira actividade consistiu na inauguração da Exposição "Reverón Luz de Venezuela", que ficará patente ao público até sexta-feira, 21 de Outubro.

    Esta exposição consiste em catorze as obras de pintura de Armando Reverón evocativas dos 125 anos do seu nascimento e da sua militância, entre 1912 e 1920, no famoso agrupamento "Círculo de Bellas Artes", em oposição à "Academia de Artes e seus dogmas", segundo a expressão de Juan Calzadilla.

    Perante dirigentes do Conselho Português para a Paz e Cooperação, representantes da Associação de Amizade Portugal-Cuba (AAPC), da Delegação da União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP), Fernando Casaca, encenador do Teatro do Elefante e um colectivo de marinheiros do petroleiro Luisa Cáceres de Arismendi, em reparação na Lisnave, entre outros, tomaram a palavra o Embaixador da Venezuela, General Lucas Rincón Romero e Rui Canas, Presidente da União de Freguesias de Setúbal.

    A semana cultural continua na 4ª feira pelas 18h com a conferência "Venezuela e a Revolução Bolivariana" e encerra na sexta, pelas 18h00, com a exibição do filme "Mirada al Mar".

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação promoveu, no passada sexta-feira dia 3, uma sessão de solidariedade com o povo Venezuela e restante América Latina.

    A sesão foi um momento para aprofundar o conhecimento sobre a situação que se vive naquela região no marco do 4º aniversário do falecimento de Hugo Chávez a quem foi prestada homenagem com um momento de poesia dita por Rui Lobo e Manuel Diogo.

    A mesa presidida por Baptista Alves Vice-presidente da Direcção Nacional do CPPC contou com a presença do Ex.mo Senhor Embaixador da República Bolivariana da Venezuela, João Barreiros do Departamento Internacional da CGTP-IN e Augusto Fidalgo da Associação de Amizade Portugal-Cuba, na sessão estiveram ainda presentes as Embaixadas de Cuba e da República Dominicana.

  • e preciso defender o dialogo soberano e a paz na nicaragua contra a ingerencia estrangeira 1 20180808 2086483367

    Divulgamos texto de Socorro Gomes, presidente do Conselho Mundial da Paz, publicado pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz.

    "É preciso defender o diálogo soberano e a paz na Nicarágua contra a ingerência estrangeira

    A escalada da crise na Nicarágua tem atraído redobrada atenção das forças populares e da paz na América Latina e Caribe e em todo o mundo. Já se evidenciam os contornos da ingerência externa, em particular, estadunidense, na disputa política doméstica que, de reivindicações legítimas no plano econômico, escalou para a violência que hoje se verifica nas ruas, apesar dos apelos do governo do presidente Daniel Ortega pelo diálogo e dos compromissos que fez.

  • Gleisi Hoffman, senadora do Partido dos Trabalhadores (Brasil)

    «A Presidente Dilma foi afastada pelo Senado da República num processo de impeachment, que nós consideramos um golpe, por não ter base constitucional. Acusam a Presidente de um crime que não existe. A sua destituição foi casuística, foi pensada para a incriminar e só vai servir para ela, para este caso, porque não configura um crime de responsabilidade.
    A presidente teve 54 milhões de votos e quem assume hoje o poder, para além de não ter recebido quaisquer votos dos brasileiros, mudou radicalmente o programa que foi eleito nas urnas em 2014: nós hoje temos um vice-presidente que assumiu interinamente com um programa económico liberal e posições conservadoras nas áreas sociais, políticas e de comportamento.

  • Dario Vivas, deputado do Partido Socialista Unido da Venezuela

    «Está neste momento em curso uma forte campanha mediática de desqualificação e calúnias contra a República Bolivariana da Venezuela e a sua revolução. Dizem que somos uma ditadura, mas a oposição concorre a eleições e até as vence, como sucedeu em Novembro de 2015. A direita no nosso país tem governadores, autarcas e deputados, mas apesar disso grandes órgãos de comunicação social nacionais e estrangeiros recorrem a esta mentira para tentar desqualificar a revolução bolivariana.
    Isto não é novo para nós, pois desde há 17 anos, quando o Comandante Supremo Hugo Chávez ganhou pela primeira vez as eleições presidenciais, que se trava uma guerra contra a estabilidade democrática do país, agravada após o falecimento, em 2013, do nosso Comandante Supremo. Em 2014, o companheiro Nicolás Maduro mereceu o voto universal, directo e secreto da maioria do povo venezuelano e foi eleito Presidente da República. Mas a direita, que quer retomar o poder a todo o custo, gerou de imediato uma onda de violência que provocou vários mortos.
    A campanha mediática foi retomada e intensificada e foi lançada uma guerra económica contra o país, em que empresários ligados ao grande capital escondem da população os alimentos e os medicamentos, o que tem graves consequências sociais. O presidente Barack Obama pôs-se à frente desta campanha, aprovando um decreto que considera a Venezuela uma ameaça inusual e extraordinária à segurança dos EUA, o que é ridículo, pois a verdadeira ameaça é o imperialismo norte-americano, contra a estabilidade, a democracia e a independência da nossa pátria. Também Álvaro Uribe e John Kerry vieram a público defender uma intervenção armada contra o nosso país.
    Da nossa parte, decidimos lançar uma acção organizativa interna, de modo a estarmos preparados para defender a nossa pátria de qualquer intervenção externa e para defender a democracia participativa, a democracia do povo. Estamos também a procurar dinamizar um clima de participação e poder popular na nossa pátria.»

    (Depoimento recolhido na sessão de solidariedade com a América Latina realizada no dia 17 de Maio na Casa do Alentejo, em Lisboa)

  •  
    No passado dia 12 de Setembro cerca de 100 pessoas assinalaram o 15º aniversário da detenção dos patriotas cubanos, pelas autoridades norte-americanas, com a exigência da libertação imediata dos 4 cidadãos cubanos que ainda permanecem presos.
    A concentração, promovida por um conjunto de organizações portuguesas, entre as quais o CPPC, contou também com a presença dos embaixadores de Cuba e da Venezuela.


  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação esteve hoje presente na iniciativa promovida pela embaixada da República Bolivariana da Venezuela, junto ao busto do libertador Simon Bolívar em Lisboa, para assinalar o 205º aniversário do início da luta pela independência da Venezuela.

    Participaram na iniciativa dezenas de pessoas, incluindo representantes de várias organizações e do corpo diplomático.

     

     

     

     

  • O CPPC participou na iniciativa promovida pela Embaixada da República Bolivariana da Venezuela, para assinalar o 22º aniversário do movimento civico-militar de 4 de Fevereiro de 1992.

    Nesta iniciativa foi projectado o documentário "4 de Fevereiro - A Quixotada", que apresenta o ponto de vista de vários dos protagonistas do movimento civico-militar e como amplas camadas da população, nomeadamente as mais desfavorecidas, apoiaram o movimento e o seu líder, o então Tenente Coronel Hugo Chávez.

    Na sequência da projecção do documentário o Exmo. Sr Embaixador da Venezuela, falou ainda sobre a evolução da situação, o momento actual na Venezuela e as conquistas da Revolução Bolivariana.

  • No passado dia 28, no Estádio 1º de Maio, em Lisboa, decorreu a 2ª edição da Taça Hugo Cháves em Portugal, o jogo de futebol promovido pelo Consulado Geral da Venezuela em Portugal, juntou duas equipas que incluíram, activistas do CPPC, cidadãos venezuelanos e outros amigos da Revolução Bolivariana.

    O encontro, que primou pelo clima festivo e de amizade, assinalou a data do aniversário de Hugo Chávez e o ideal por si defendido da prática do desporto como um direito e parte fundamental do desenvolvimento do ser humano como um todo.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou no lançamento, em Lisboa, da campanha de recolha assinaturas pela retirada da nota presidencial de Barack Obama, que reforçou as sanções contra a República Bolivariana da Venezuela, considerando que esta representa uma "ameaça inusual e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos". Uma nota que consiste em mais um grave passo na continuada campanha de pressão e ingerência que os EUA têm dirigido contra o povo venezuelano.
    Nesta iniciativa participaram dezenas de portugueses e também de venezuelanos que se encontram no nosso país.
    Lembramos que pode apoiar esta iniciativa em www.change.org/p/presidente-de-ee-uu-barack-obama-retiro-in…

  • A Venezuela está a ser alvo de uma acção de ingerência e  desestabilização que, explorando reais problemas económicos, visa paralisar a acção do seu legítimo governo, confrontar a Constituição venezuelana e atacar o processo bolivariano e as suas realizações.

     Não são os interesses do povo venezuelano que estão por detrás do boicote económico, açambarcamento e especulação. Não são os valores democráticos que estão por detrás dos actos de violência com que grupos reaccionários e de extrema direita tentam lançar o caos naquele País. Não é a verdade que se defende quando se apresenta como opressor um governo democraticamente eleito que tenta manter a ordem e assume a defesa da lei e da Constituição. Não são os interesses da Venezuela e os valores da paz que estão por detrás das acções de uma “oposição” que instiga à agressão externa contra a Venezuela.

  • acto publico em apoio a democracia no brasil 1 20180817 1070708196

    Ontem, 15 de Agosto, dia em que Lula da Silva oficializou a sua candidatura, o CPPC participou, com várias outras organizações, no Largo Camões em Lisboa, no acto público em apoio à democracia no Brasil e ao direito a Lula da Silva sair em liberdade e poder se candidatar, em pé de igualdade com os restantes candidatos, às eleições presidenciais no Brasil.

  • Foi com determinação que hoje, 13 de Abril, também no Porto, se juntaram portugueses e brasileiros num Acto público, em frente ao Consulado do Brasil. Foi
    uma manifestação de solidariedade com o povo brasileiro, em defesa da democracia e de protesto face à grave evolução da situação no Brasil, nomeadamente com a prisão de Lula da Silva, que constitui mais um passo no desenrolar do golpe de Estado institucional iniciado em 2016, com o escandaloso afastamento da legítima Presidente Dilma Rousseff.

  • "Movimentos, organizações e intelectuais debaterão em Havana os desafios da América Latina e Caribe como Zona de Paz

    Quase três anos desde a declaração da América Latina e do Caribe como Zona de Paz pelos chefes de Estado e Governo da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), movimentos regionais e do mundo reúnem-se em Havana, Cuba, entre 21 e 23 de setembro de 2016, para debater a conjuntura. A presidenta do Cebrapaz e do Conselho Mundial da Paz (CMP) Socorro Gomes participa do evento, o Primeiro Seminário Internacional “Realidade e Desafios da América Latina e Caribe como Zona de Paz”. Leia a convocatória a seguir, difundida pelo Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos (MovPaz), à frente da coordenação regional do CMP.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação informa e apela à participação de todos no acto de solidariedade com a Revolução Bolivariana e o governo do presidente Nicolás Maduro, que se realizará frente à estátua do Libertador Simón Bolívar, localizada no cruzamento da Avenida da Liberdade com a Rua das Pretas, em Lisboa, na próxima quinta-feira, dia 20, pelas 18h.

     

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação participa na Cimeira dos Povos a decorrer em Bruxelas.

  • CINEMA E PAZ
    Ciclo de Cinema e Debates sobre a Paz na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

    27 Março | 18h | Sala 2.13

    No próximo dia 27 de Março será realizada a 2ª sessão do Ciclo "Cinema e Paz", nesta sessão poder-se-á ver e debater o documentário "Soy Cuba" de Mikhail Kalatozov, tendo como convidado para o debate a Associação de Amizade Portugal Cuba.

    Este documentário relata momentos da história revolucionária cubana, mostrando diversas situações da vida em Cuba pouco antes da queda do regime de Fulgêncio Batista.

    PARTICIPA!

  •  
    No passado dia 22 de Abril, na Casa do Alentejo em Lisboa a Embaixada da República Bolivariana da Venezuela assinalou o 204º aniversário do início do processo de independência da Venezuela, com uma exposição de fotografia e litografia. O Conselho Português para a Paz e Cooperação, que colaborou na realização da iniciativa, abriu a sessão com a intervenção de José Baptista Alves, vice-presidente da Direcção Nacional.
  • "A Federação Mundial da Juventude Democrática (FMJD) realiza uma missão de solidariedade à Venezuela, com o apoio e a participação do Conselho Mundial da Paz (CMP), entre os dias 20 e 28 de fevereiro. A presidenta do CMP e do Cebrapaz Socorro Gomes está em Caracas, onde participou da Tribuna Anti-Imperialista, na quarta-feira (24), ao lado dos representantes de 27 países membros da FMJD. A delegação também foi recebida pelo Ministério das Relações Exteriores, pelo Ministério da Educação e pela Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados da Venezuela. Além disso, Socorro participou de um programa de rádio com o presidente venezuelano Nicolás Maduro.