Outras Notícias

bases militares estrangeiras

  • O CPPC participa neste momento na reunião do Comité Executivo do Conselho Mundial da Paz, que decorre de 20 a 21 de Novembro, em Guantanamo, Cuba e onde participam 14 organizações de diversas partes do mundo, entre outros assuntos deverá ser tomada a decisão sobre a data e o local da realização da próxima Assembleia Mundial da Paz, a realizar em 2016.

    A reunião do executivo será seguida do IV Seminário Internacional pela Paz e pela Abolição das Bases Militares Estrangeiras, de 22 a 25 de Novembro, organizado em conjunto pelo CMP e pelo Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos e que reunirá centenas de delegados de todo o mundo, na cidade que tem parte do seu território ocupado pela Base Naval dos EUA na baía de Guantanamo.

    Na abertura da reunião do comité executivo foi inaugurada uma exposição de cartazes pela Paz.

  • Milhares de pessoas manifestaram-se, no dia 14, em Okinawa, no Japão, contra a instalação de uma nova base militar dos EUA no arquipélago, onde se prevê vir a instalar uma nova unidade de Infantaria da Marinha norte-americana.

    O projecto tem a oposição do movimento da paz japonês, de diversas estruturas e organizações e do próprio governador de Okinawa, particularmente activo no combate às bases militares dos EUA.

     

  • A cidade norte-americana de Baltimore acolheu recentemente uma importante conferência sobre as bases militares dos EUA instaladas fora do seu território, na qual se reafirmou a exigência do seu encerramento.

    Promovida pela Coligação Contra as Bases Militares dos EUA (composta por diversas organizações de defesa da paz, do ambiente e dos direitos sociais), a conferência aprovou um conjunto de resoluções: uma na qual se propõe a realização de uma conferência internacional sobre as bases militares dos EUA e de outros países da NATO sediadas em países terceiros; uma outra especificamente sobre a base militar dos EUA de Guantánamo, em Cuba, reclamando o seu imediato encerramento; uma terceira exigindo a retirada das acusações que pendem sobre activistas japoneses que exigem o encerramento da base militar norte-americana em Okinawa, no Japão; e ainda outra convocando para a primavera um dia de acção contra a guerra.

  • La Carlota (base militar)

    Grupos da "oposição" Venezuelana já por várias vezes atacaram com extrema violência a Base Aérea Generalíssimo Francisco de Miranda “La Carlota” em Caracas.

    -/-

    Não ao Terrorismo Golpista
    Solidariedade com a Revolução Bolivariana

    A República Bolivariana da Venezuela está a ser vítima de uma violenta acção de ingerência externa e desestabilização golpista que – procurando tirar partido de problemas económicos e provocando activamente o seu agravamento –, pretende interromper e destruir o processo de avanços democráticos, económicos, sociais, políticos e culturais e de afirmação de vontade soberana e independência nacional iniciado em 1998 e consagrado na Constituição venezuelana de 1999.

  •  no chipre milhares marcharam pela paz 1 20180616 1115287356

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação, participou, no passado dia 10 de Junho, na Marcha Pancipriota pela Paz organizada pelo Conselho da Paz do Chipre.

    A marcha tinha como objectivo a defesa da paz, a denúncia das guerras imperialistas, a recusa da utilização das bases britânicas na ilha para agredir os povos do Médio Oriente, a exigência da retirada de todas as forças militares estrangeiras do Chipre, incluindo as forças de ocupação turcas, o desmantelamento das bases britânicas e a dissolução da NATO. Exigindo paz para o Chipre e o mundo.

  • sim a paz nao a nato 2 20180704 1807815146

    Os principais tópicos da Cimeira da NATO foram apresentados dia 28 de Maio pelo seu Secretário-geral, Jens Stoltenberg, na assembleia parlamentar daquela organização militar.
    Por mais que os tenha procurado dissimular, sob 'pacíficas' palavras, os objectivos belicistas são evidentes.

    Nesta Cimeira os líderes da NATO vão debater, entre outros aspectos:

    - o gradual aumento das despesas militares dos membros europeus da NATO para dois por cento do seu Produto Interno Bruto, até 2024;
    - a presença militar da NATO no Afeganistão, no Iraque e na Líbia, países destruídos por guerras de agressão da responsabilidade da NATO e de seus membros;
    - o reforço do estacionamento de forças militares da NATO, incluindo dos EUA, no Leste da Europa, visando a Federação Russa;
    - o reforço da União Europeia como «pilar europeu» da NATO, sendo que a militarização da UE – que avançou consideravelmente nos últimos meses – é apontada como complementar à NATO, que se mantém como 'tutora' e principal organização de cariz militar.

    Stoltenberg aponta como objectivo no quadro da NATO, e de forma propagandista, a existência de 30 batalhões mecanizados, de 30 esquadrões aéreos e de 30 navios de combate, que possam estar em 30 dias prontos para combate.

  • margaretta darcy 4 20140126 1191325511

    Margaretta D'Arcy, de 79 anos, encontra-se presa na sequência da sua participação em acções de protesto contra a utilização do aeroporto civil irlandês de Shannon, pelos EUA e a NATO, como plataforma de transporte de tropas e equipamentos para as suas agressões a povos de várias partes do globo, como o Iraque e o Afeganistão.

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) denuncia a injusta prisão e exige a imediata libertação da lutadora irlandesa pela Paz, Margaretta D'Arcy.

    O CPPC saúda a Aliança pela Paz e a Neutralidade da Irlanda (PANA), de que Margaretta D'Arcy é membro, e expressa toda a sua solidariedade para com a luta desta organização irmã pelo fim de bases militares estrangeiras em solo nacional.

    Pelo fim do militarismo, não às bases militares estrangeiras. Sim à Paz! Não à NATO!

  • Divulgamos informação sobre concurso de cartazes pela Paz recebida do Movimento Cubano pela Paz e a Soberanía dos Povos promovido por esta organização e pela Associação Cubana de Comunicadores Sociais.

    Este concurso é promovido no quadro do IV Seminário Internacional pela Paz e a Abolição das Bases Militares Estrangeiras, que se realizará na cidade de Guantanamo, Cuba entre os dias 22 e 25 deNovembro de 2015.

     

     

  • O primeiro-ministro japonês foi obrigado a suspender temporariamente as obras de transferência de uma base militar dos EUA para Okinawa, face a uma decisão judicial tomada na sequência de uma iniciativa interposta pelo Governador de Okinawa para impedir tal transferência.

    A interrupção das obras representa uma vitória da persistente luta do movimento pela Paz japonês e da população de Okinawa, que contesta a instalação da nova base e defende o fim da presença militar norte-americana nesta ilha e em todo o Japão.

    Sendo uma importante vitória para a causa da Paz, este é um combate que está longe de estar terminado, pois o governo militarista nipónico parece determinado em garantir o reforço da presença militar dos EUA no Pacífico e a utilizar o Japão para concretizar tal objectivo.