Outras Notícias

Dia do Trabalhador

  •  
    O CPPC participará e apela à participação de todos, em Coimbra, Lisboa e Porto, nas manifestações comemorativas do 1º Maio, convocadas pela CGTP-IN. Para os amigos que queiram participar com o CPPC, os pontos de encontro serão:

    Coimbra
    Praça da República junto do nº 28, às 14h30.

    Lisboa
    Martim Moniz junto ao Centro Comercial da Mouraria, às 14h30.

    Porto
    Avenida da Liberdade, em frente ao Café Guarany, pelas 15h00.
     
    SAUDAÇÃO AO 1º DE MAIO

    No ano em que decorre o 40º Aniversário da Revolução do 25 de Abril e da reconquista do direito a comemorar, em liberdade, o 1º de Maio - DIA INTERNACIONAL DO TRABALHADOR – o Conselho Português para a Paz e Cooperação – CPPC – saúda os trabalhadores portugueses e associa-se às manifestações, convocadas pela CGTP-IN, para fazerem desta jornada de luta um ponto alto na crescente manifestação popular de repúdio pelas severas, injustas e insuportáveis políticas de austeridade que têm vindo a aprofundar o aumento da exploração e empobrecimento dos trabalhadores, dos reformados e das classes e camadas sociais de mais baixos rendimentos.

    Se tais medidas, impostas pela tróica e levadas a cabo pelo governo, tinham como pretexto reduzir o défice orçamental e a dívida publica, três anos passados o balanço é profundamente negativo. A dívida pública passou de 94 % do Produto Interno Bruto, em 2010, para 130 % no final de 2013, o défice continua na ordem dos 4 %, o número real do desemprego ronda um milhão e meio de trabalhadores, dos quais quase 50% são jovens. Esta situação agrava a pobreza, fome, miséria e a exclusão social. Mais de 2,5 milhões de portugueses são obrigados a viver com rendimentos inferiores ao limiar da pobreza.
    Muitos jovens, mesmo aqueles que têm habilitações profissionais e académicas elevadas, são forçados a aceitar trabalhos menos qualificados e mal remunerados ou a emigrarem. Cerca de 30 % da população viu reduzido o seu poder de compra e ser-lhe retirada parte substancial do valor dos salários e pensões, assim como o aumento do tempo de trabalho e formas de trabalho precário.

    Mas os principais grupos económicos, sobretudo dos sectores não produtivos, vêm os seus lucros aumentar de forma imoral. Portugal é já um dos países da União Europeia com um dos mais injustos parâmetros de redistribuição do Rendimento Nacional.

    Estas políticas e as amarras impostas pela União Europeia, tais como o “tratado orçamental”, aumentam a dependência do nosso país em relação ao estrangeiro e põem em causa a soberania nacional.

    No âmbito da política externa, as políticas prosseguidas pelo actual governo têm vindo a acentuar a subserviência dos interesses dos Portugueses aos interesses económicos e militares das grandes potências da União Europeia e da NATO, o que contribui para agravar a penosa situação social e económica vivida no país.

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação defende um Portugal de Paz e de progresso económico e social só possível com o fim das medidas de austeridade e com novas políticas que garantam a independência económica e política face ao exterior, que assegurem o bem-estar de todos os cidadãos, que permitam que todos os portugueses possam usufruir de uma vida digna no presente e assegurem o futuro das gerações futuras.

    O CPPC saúda, pois, a CGTP-IN, os trabalhadores e outras camadas da população pela luta que têm vindo a travar contra estas políticas e por mais justas condições de vida para o povo português.

    Defendemos e lutamos por um Portugal de Paz, Bem-estar e Progresso Social, na senda dos caminhos abertos com a Revolução libertadora do 25 de Abril de 1974.

    Neste Dia Internacional dos Trabalhadores, saudamos os trabalhadores e povos de todo o mundo que, com determinação, coragem e combatividade lutam por um mundo mais justo, mais fraterno, mais solidário. Por um mundo de Paz.

    Viva o Primeiro de Maio.

    Viva a Paz.
  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou, em Lisboa, da manifestação convocada pela CGTP-IN para comemorar o Dia do Trabalhador, sob o lema "Abril e Maio de novo com a força do povo". Durante o percurso os activistas do CPPC distribuíram centenas de exemplares do mais recente Notícias da Paz.
    O CPPC marcou ainda presença com uma banca na Alameda D. Afonso Henriques.

  • O núcleo do Porto do Conselho Português para a Paz e Cooperação participou no desfile do 1º de Maio no Porto e os seus activistas da paz distribuíram centenas de documentos.

  • cppc participou nas comemoracoes do 1 de maio 2 20190510 1549159358

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou nas comemorações do 1.º de Maio promovidas pela CGTP-IN em vários pontos do País.

    Em Lisboa, para além da presença com uma banca, onde foram distribuídos milhares de documentos, os activistas da paz e da solidariedade participaram no desfile empunhando uma faixa de solidariedade com o povo venezuelano e a Revolução Bolivariana, que na véspera derrotaram uma nova tentativa de golpe de Estado perpetrada pela extrema-direita golpista, em coordenação e às ordens dos Estados Unidos da América, contra a soberania, a democracia e a paz na Venezuela. Entre as palavras de ordem entoadas, soaram com particular vigor «Venezuela soberana é bolivariana» e «Golpe e agressão não passarão».

    No Porto os activistas participaram no desfile empunhando uma faixa da campanha pela Assinatura por parte de Portugal do Tratado de Proibição de Armas Nucleares.

    Em Coimbra o CPPC marcou presença com uma faixa de solidariedade com a Venezuela Bolivariana.

  • saudacao ao 1 de maio 1 20190430 2094189907

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação saúda calorosamente todos os trabalhadores, mulheres e homens que lutaram e lutam em defesa das conquistas do 25 de Abril, da democracia, da liberdade e da paz, por um mundo mais justo, mais fraterno e mais solidário. Saúda de forma especial os trabalhadores portugueses, associando-se às manifestações comemorativas convocadas pela CGTP-IN.
    Porque a Paz não é só a ausência da guerra, assumem-se como direitos humanos fundamentais o direito de todos os cidadãos disporem de condições de vida e de trabalho dignas; de uma mais justa distribuição da riqueza; de um ensino que seja potenciador das capacidades de cada um; de emprego seguro, com direitos e justa remuneração; de proteção no desemprego; de pensões de reforma dignas; de um serviço de saúde universal e gratuito; da proteção social na infância, na velhice e em situações de especial necessidade, entre outros.