Outras Notícias

Porto

  • O núcleo do Porto do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) promoveu um importante debate sobre "Armas robóticas e outras aplicações bélicas do trabalho científico", com o investigador Frederico Carvalho, membro da Presidência do CPPC, que deu particular atenção à utilização da investigação científica com objectivos agressivos, designadamente aos perigos que podem advir da utilização da inteligência artificial ao serviço de quem pretende manter uma posição de domínio global, tendo informado que os EUA têm um orçamento muito elevado para o avanço rápido neste domínio das armas autonomizadas letais.

    No debate que se seguiu foi sublinhada a importância que assume a luta pela paz e o esclarecimento público para exigir que a investigação científica não seja colocada ao serviço da guerra, tendo ainda Ilda Figueiredo, presidente da direcção do CPPC, dado alguma informação sobre a campanha " Paz sim! NATO Não!".

    Na abertura da sessão interveio Rui Vaz Pinto, presidente da direcção da UnICEPE, onde decorreu a iniciativa, que entregou um cartaz ao CPPC com a palavra Paz escrita em 118 línguas acompanhada de uma pequena mas significativa definição: "A paz não é só o contrário da guerra ou o espaço de tempo entre duas guerras. PAZ é muito mais. É a lei da existência humana. Paz é, portanto, quando actuamos correctamente e quando a justiça reina entre todos os indivíduos e entre todos os povos na terra."

  • Organizado por 13 associações culturais e cívicas da cidade do Porto, que subscreveram o Apelo "Nos 40 anos da Constituição nascida da luta do Povo", entre as quais o CPPC, e com apoio da Câmara Municipal do Porto, realizou-se em 2 de Abril, no Auditório Municipal da Biblioteca Almeida Garrett, o espetáculo comemorativo do 40º aniversário da Constituição da República Portuguesa.

  • Realizou-se, no passado dia 11 de Fevereiro, no Porto, o Almoço da Paz promovido pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), que contou com a participação de mais de 70 pessoas que reafirmaram o seu compromisso com a Paz, dando continuidade ao rico património de luta contra a guerra e de promoção da Paz.

    Ali se recordaram, como fez José Pedro Rodrigues, a luta contra o colonialismo e o fascismo, os elevados custos do militarismo, nomeadamente da NATO, e se falou das actividades que prosseguem, como fez Ilda Figueiredo, que salientou o recente Concerto pela Paz, realizado no passado dia 7 de Janeiro, no Teatro Rivoli, Porto, e anunciou o próximo, já em preparação, para o dia 31 de Março, em Vila Nova de Gaia.

    Houve também um momento cultural com música, canto e poesia, além de um sorteio de uma obra de arte. Vários dos participantes inscreveram-se no CPPC e foi distribuído por todos o boletim Notícias da Paz.

    Foi prestada uma curta homenagem ao ativista, recentemente falecido, António Henriques Sá Magalhães, membro do núcleo do Porto, e grande entusiasta do Almoço da Paz.

  • O CPPC participou nas comemorações populares do 25 de Abril, no Porto, com uma faixa, bandeiras e distribuição de centenas de " Notícias da Paz".

  • Um grande concerto pela paz na cidade do Porto

    Promovido pelo CPPC realizou-se neste Domingo, dia 18, no histórico e lindíssimo Teatro Rivoli da cidade do Porto, mais uma sessão cultural pela Paz. Numa sala totalmente lotada pelas centenas de pessoas que afluíram ao belíssimo concerto de artistas e músicos portuenses, não podemos deixar de enaltecer o espírito presente em todos os que participaram neste evento, de alegria, confiança e apego aos valores da paz e da solidariedade com todos os povos do mundo.

  • Na biblioteca da Escola Secundária Filipa de Vilhena, no Porto, onde está a exposição " Construir a Paz com os valores de Abril" do Conselho Português para a Paz e Cooperação, decorreu uma palestra com a participação da Presidente da Direcção Nacional do CPPC, Ilda Figueiredo e cerca de 100 alunos e diversos professores.

    Em debate estiveram a importância da revolução de Abril e a Constituição da República Portuguesa, pondo fim ao colonialismo e ao fascismo, definindo o caminho para se conseguir o desenvolvimento e progresso social, a paz, defendendo a soberania e independência nacionais, a solidariedade e a cooperação com todos os povos do mundo.

  • Muitas dezenas de sindicalistas de diversos setores de atividade participaram recentemente, no Porto, no debate promovido pela União dos Sindicatos do Porto e o CPPC sobre "Os conflitos no Médio Oriente" com a participação do coordenador da USP/CGTP e os membros do Conselho Português para a Paz e Cooperação: José Goulão, jornalista e Ilda Figueiredo, economista e presidente da direção nacional do CPPC.

    Ali se reafirmou a importância da defesa da paz para conseguir o desenvolvimento e o progresso social.

     

  • No dia 9 de Agosto o CPPC assinalou a tragédia de Hiroxima e Nagasáqui em 1945, quando os EUA lançaram as bombas atómicas contra aquelas duas cidades japonesas no final da Segunda Guerra Mundial.

    Para que não se esqueça esse hediondo crime e não se repita o holocausto nuclear, activistas do CPPC vieram para a rua distribuir de documentos que apelam à mobilização da população pela exigência do fim das armas nucleares. A iniciativa foi bem acolhida pelas pessoas contactadas.

  • No Porto, na rua de Santa Catarina, a Campanha “Sim à Paz! Não à NATO!” realizou um Acto Público, no passado sábado, 9 de Julho, segundo e último dia da Cimeira da Nato em Varsóvia. A iniciativa contou com a participação de muitos activistas da Paz que se associaram à campanha promovida por 26 organizações portuguesas, na defesa da Paz e contra os propósito agressivos da NATO e da sua cimeira em Varsóvia.

    Durante a iniciativa foram distribuídos jornais da campanha e ocorreram intervenções, de Tiago Oliveira, coordenador da USP/CGTP, que deu a conhecer a Moção “Paz e solidariedade” aprovada no dia anterior no 11º Congresso da União dos Sindicatos do Porto/CGTP- IN. Aí se afirma , por exemplo, que “a guerra e a violência não servem os interesses de classe dos trabalhadores e do povo, se manifesta o repúdio por todas as formas de ingerência, agressão e violência contra os trabalhadores e os povos, se exige a dissolução da NATO tal como previsto na Constituição da República Portuguesa, se exige de todos os países o acolhimento e tratamento digno dos refugiados, travando firme combate a qualquer forma de manifestação xenófoba ou racista”.

    No final, Ilda Figueiredo, presidente da direcção do Conselho Português para a Paz e Cooperação, denunciou de um modo particular a evolução recente da NATO, com intervenções, ingerências e agressões aos povos, destacando os casos da Líbia, Afeganistão, Iraque e Síria, a nova corrida aos armamentos e a crescente militarização no Leste da Europa, em especial na Polónia, Roménia e Estados do Báltico. Mas reafirmou também que a guerra não é inevitável, com a mobilização dos povos na luta pela Paz, tão necessária ao desenvolvimento e ao progresso social.

  • "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” no Porto
     
    Realizou-se ontem, 20 de Setembro, na Baixa do Porto, uma acção de solidariedade com o povo sírio, pelo fim da agressão contra a Síria e contra as acções de desestabilização do país, promovidas por potências estrangeiras. Nesta acção de contacto e esclarecimento da população sobre a situação na Síria estiveram presentes representantes de várias organizações subscritoras da moção "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!”, culminando nas intervenções de Ilda Figueiredo, Presidente da Direcção do CPPC, e Elisabete Silva, Coordenadora Nacional da Juventude Operária Católica.
  • sim a paz nao a nato porto 2018 1 20180714 2010369754

    No âmbito da campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" activistas do CPPC realizaram no dia 10 de Julho, no Porto, uma distribuição de documentos da campanha, a iniciativa serviu também para apelar à participação no acto público "Sim à Paz! Não à NATO!" que se vai realizar amanhã, dia 12 de Julho, pelas 18 horas, na Rua de Santa Catarina, no Porto.

  • sim a paz nao a nato porto 2018 1 20180714 1145256854

    Decorreu no centro do Porto, no final da tarde de 12 de Julho, mais uma iniciativa inserida na campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" promovida por mais de 40 organizações que subscrevem a campanha e que já realizaram muitas outras iniciativas em diversas cidades do país.

    Nesta iniciativa denunciaram-se os objectivos belicistas da NATO, bem patentes nas conclusões da Cimeira de Bruxelas, que apontam para o reforço do militarismo e o aumento das despesas militares, protestou-se contra a posição do governo português de se comprometer cada vez mais com esse bloco político militar ao serviço do imperialismo dos EUA e dos seus aliados, designadamente da União Europeia, que se apresenta como o pilar europeu da NATO. Foi particularmente denunciado o compromisso do primeiro-ministro português de aumentar as despesas militares ligadas à NATO, quando se sabe que Portugal é um dos países membros da NATO com maior percentagem do seu PIB em despesas com a política de defesa ligada à NATO nos próximos orçamentos de estado, embora continue com grandes carências de investimento público, designadamente nas áreas da saúde, da educação, da segurança social e da habitação.
    Neste acto público, que incluiu também distribuição de documentos, intervieram representantes do CPPC, da USP/CGTP, do MDM e da Associação de Estudantes da Escola Secundária Aurélia de Sousa.

  • Também no Porto se realizou um acto público da Campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" no momento em que se realizava uma reunião da Nato, em Bruxelas.

    Culminando uma campanha em defesa da Paz e de denúncia da NATO e dos objectivos belicistas da sua cimeira de Bruxelas, "Sim à Paz! Não à NATO!", subscrita por 28 organizações portuguesas, que contou com uma iniciativa pública no dia anterior em Lisboa, ou a distribuição de milhares de documentos em várias outras cidades do país

    A acção, convocada pelo conjunto das organizações e movimentos subscritores, decorreu sob palavras de ordem como "Sim à Paz! Não à NATO", "Defender a Constituição! NATO não!", "Trabalho sim! Guerra Não", entre outras

    No final intervieram representantes do Movimento Democrático de Mulheres, da União dos Sindicatos do Porto e do Conselho Português para a Paz e Cooperação. Foram distribuídos documentos da pelas pessoas que passaram ou se juntaram à iniciativa que decorreu na Rua da Santa Catarina, no centro do Porto.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou nas comemorações do 1º de Maio promovidas pela CGTP-IN no Porto.

    Activistas do CPPC desfilaram com uma faixa e distribuíram o mais recente número do Notícias da Paz.

  • O núcleo do Porto do Conselho Português para a Paz e Cooperação participou no desfile do 1º de Maio no Porto e os seus activistas da paz distribuíram centenas de documentos.

  • O CPPC que participa na Comissão Organizadora das Comemorações Populares do 25 de Abril, associa-se e participa no desfile na cidade do Porto.

    Assim, convidamos todos os amantes da Paz para que se juntem ao pano do Conselho Português para a Paz e Cooperação.

    O local de encontro será pelas 14 horas junto ao Museu Militar ( ex-pide) na Rua do Heroísmo.

  • No Porto, o CPPC também participou nas comemorações populares do 25 de Abril. Durante o desfile, foram distribuídos centenas de exemplares do mais recente "Notícias da Paz".

  • O CPPC participou nas comemorações populares do 25 de Abril no Porto com uma faixa onde se lia "Pela Paz, por Abril!".

  • PELA PAZ, POR ABRIL! - TODOS NÃO SOMOS DEMAIS!

    O CPPC participou nas comemorações populares do 25 de Abril no Porto.

    Aderentes e amigos do CPPC desfilaram com uma faixa onde se podia ler "Pela Paz, por Abril! Todos não somos demais", tendo distribuído centenas de documentos.