Outras Notícias

Siria

  • "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” em Lisboa

    Em Lisboa, mais de uma centena de pessoas participaram ontem, dia 19 de Setembro, no acto público "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!".
     
    O desfile iniciou-se junto aos Armazéns do Chiado e terminou no Largo Camões onde foi aprovada por unanimidade a seguinte moção:
     
    "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!
     
    Assistimos a um prolongado conflito na Síria, que tendo aparentemente surgido a partir de manifestações de insatisfação social, rapidamente foi apropriado por organizações subversivas armadas
  • "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” no Porto

    "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!” no Porto
     
    Realizou-se ontem, 20 de Setembro, na Baixa do Porto, uma acção de solidariedade com o povo sírio, pelo fim da agressão contra a Síria e contra as acções de desestabilização do país, promovidas por potências estrangeiras. Nesta acção de contacto e esclarecimento da população sobre a situação na Síria estiveram presentes representantes de várias organizações subscritoras da moção "PELA PAZ! NÃO À AGRESSÃO À SÍRIA!”, culminando nas intervenções de Ilda Figueiredo, Presidente da Direcção do CPPC, e Elisabete Silva, Coordenadora Nacional da Juventude Operária Católica.
  • «Pela salvaguarda dos direitos do povo sírio, da paz e da soberania. Fim à agressão à Síria!»

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação promove na próxima quarta-feira, 14 de Março, às 18h30, na Casa do Alentejo, em Lisboa, o debate «Pela salvaguarda dos direitos do povo sírio, da paz e da soberania. Fim à agressão à Síria!». São oradores os jornalistas José Goulão e Ribeiro Cardoso e o vice-presidente da direcção nacional do CPPC, Filipe Ferreira.

    A premência desta iniciativa prende-se com a intensificação das ameaças à Síria e com a violenta campanha mediática promovida em torno da situação em Ghouta. Numa recente tomada de posição pública, o CPPC denunciava o «conjunto de falsidades fomentadas por responsáveis da Administração norte-americana e de outros governos, amplamente propaladas em órgãos de comunicação social, sobre a situação na Síria, tentando fazer passar as vítimas por “algozes” e os algozes por “vítimas”, os agredidos por “agressores” e os agressores por “agredidos”».

    Responsabilizando os EUA e seus aliados pelo desencadear do conflito, ao terem criado e apoiado «as diversas ramificações da Al-Qaeda e o auto-denominado Estado Islâmico», na tentativa de derrubar o governo sírio, o CPPC reclama o fim da agressão externa à Síria e a retirada das forças militares estrangeiras que ocupam ilegalmente o país. O fim da ingerência e o respeito pela soberania da Síria são objectivos centrais para estabelecer a paz.

  • 25 de Abril de 2018, Lisboa

    Activistas do CPPC participaram nas comemorações populares do 25 de Abril em Lisboa, desfilando com uma faixa e pancartas "Pela paz, fim à agressão à Síria" e outra alusiva à "Campanha Pela assinatura por parte de Portugal do Tratado de Proibição de Armas Nucleares - Pela paz, pela segurança, pelo futuro da Humanidade!", os activistas da paz distribuíram documentos do CPPC e recolheram assinaturas para a petição que faz parte dessa campanha.

  • A Situação na Síria - Coimbra

    Sessão/Debate sobre “A Situação na Síria” organizada pelo Núcleo de Coimbra do Conselho Português para a Paz e Cooperação(CPPC).

    Realizou-se na sede do Ateneu de Coimbra, nesta Segunda-feira 12 de Dezembro de 2016, com o apoio do Sindicato dos Professores da Região Centro e do Ateneu de Coimbra, uma sessão sobre a situação na Síria com a participação de Ilda de Figueiredo, Presidente da Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação. Na mesa estiveram ainda representantes da Direcção do Ateneu de Coimbra, Joaquim Melo, e do Núcleo de Coimbra do CPPC, Isabel Melo.

  • Acção belicista dos EUA na Síria é uma ameaça à paz

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) denuncia a acção intervencionista e agressiva dos Estados Unidos e seus aliados na Síria, em flagrante violação da soberania, independência, integridade territorial da República Árabe Síria, ou seja, do direito internacional.

    Uma acção intervencionista que está clara e objectivamente do lado dos grupos terroristas que falsamente dizem combater – como o Estado Islâmico e a Frente Al-Nusra, braço local da denominada Al-Qaeda. Face às crescentes dificuldades que estes grupos enfrentam no campo de batalha, em resultado das sucessivas derrotas sofridas, multiplicaram-se os ataques norte-americanos e israelitas a instalações militares e aviões de combate sírios e a populações civis, procurando dar cobertura aos grupos terroristas no terreno.

  • Acto público em Lisboa Pela Paz! Fim à agressão à Síria!

    Condenando o ataque dos EUA, do Reino Unido e da França contra a República Árabe Síria, na madrugada de 14 de Abril, e que contou com o expresso apoio da NATO, da União Europeia e de Israel, um conjunto de organizações promove um acto acto público pela paz e pelo fim da agressão à Síria, no próximo dia 19 de Abril, Quinta-feira, no Largo Camões, em Lisboa.

    Esta agressão a um Estado soberano, em completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, e sob o pretexto de uma alegada utilização de armas químicas, até ao momento não comprovada, foi desencadeada quando a Síria e o seu povo têm obtido diversas vitórias face aos grupos terroristas – apoiados pelos EUA e diversos países seus aliados – e quando foram alcançados, pelo diálogo e esforços de vários países, importantes avanços no caminho da paz.

  • Acto público no Porto Pela Paz! Fim à agressão à Síria!

    Condenando o ataque dos EUA, do Reino Unido e da França contra a República Árabe Síria, na madrugada de 14 de Abril, e que contou com o expresso apoio da NATO, da União Europeia e de Israel, um conjunto de organizações promove um acto acto público pela paz e pelo fim da agressão à Síria, no próximo dia 23 de Abril, segunda-feira, pelas 18 h , na Praça da Palestina, no Porto.

    Esta agressão a um Estado soberano, em completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, e sob o pretexto de uma alegada utilização de armas químicas, até ao momento não comprovada, foi desencadeada quando a Síria e o seu povo têm obtido diversas vitórias face aos grupos terroristas – apoiados pelos EUA e diversos países seus aliados – e quando foram alcançados, pelo diálogo e esforços de vários países, importantes avanços no caminho da paz.

  • Cebrapaz manifesta grave preocupação com ameaça de guerra generalizada e agressão imperialista contra a Síria

    Divulgamos texto publicado pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) sobre a escalada de agressão dos EUA e seus aliados na Síria.

    "Cebrapaz manifesta grave preocupação com ameaça de guerra generalizada e agressão imperialista contra a Síria

    O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) soma-se a outros movimentos da paz em todo o mundo em sua profunda preocupação e advertência diante da escalda da agressão imperialista na Síria. Sumamo-nos ao apelo e ao alerta à população mundial para o risco de uma guerra generalizada, de proporções imprevisíveis. Acreditamos ser cada vez mais urgente, sob pena de nos depararmos com uma situação irreversível, a mobilização mundial contra a iminência da guerra.

  • CPPC condena ataque dos EUA, do Reino Unido e da França contra a Síria

    Pela Paz! Não à agressão à Síria!

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) condena veementemente o ataque contra a República Árabe Síria levado a cabo, na madrugada de 14 de Abril, pelas forças militares dos EUA, Reino Unido e França, e que contou com a já expressa cumplicidade da NATO, da União Europeia e de Israel.

    Esta agressão a um Estado soberano, em completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, é desencadeada quando a Síria e o seu povo têm obtido diversas vitórias face aos grupos terroristas e à sua hedionda e criminosa acção apoiada pelos EUA e diversos países seus aliados.

  • CPPC condena bombardeamento dos EUA contra a Síria

     

    O CPPC condena com veemência os bombardeamentos norte-americanos contra a Síria, na madrugada de hoje, denunciando o seu carácter ilegal e totalmente contrário ao direito internacional.
    A agressão militar directa dos EUA contra este Estado soberano, que se segue a seis anos de guerra encapotada, configura uma intolerável escalada com consequências ainda difíceis de prever, dada a elevada tensão militar que se vive no martirizado país do Médio Oriente.

    Quanto aos pretextos apresentados para o ataque, o CPPC chama a atenção para o facto de serem ainda desconhecidos os factos e os verdadeiros autores da denunciada utilização de armas químicas na província de Idlib, que terá vitimado perto de uma centena de pessoas. Manifestando o mais profundo repúdio pela utilização desse tipo de armamento, o CPPC lembra que o governo sírio já rejeitou qualquer responsabilidade pelo acto, pelo que é no mínimo prematuro definir desde já as responsabilidades pelo terrível ataque.

  • CPPC promove debate em Aveiro

    cppc promove debate em aveiro 1 20180516 2063513498

    Na passada segunda-feira, dia 14 de Maio, o Núcleo de Aveiro do Conselho Português para a Paz e Cooperação(CPPC) em parceria com o Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território(DCSPT) da Universidade de Aveiro(UA) realizou um debate sobre "A Paz, a agressão à Síria e a luta pelo Fim das Armas Nucleares".

    O debate, moderado por Teresa Forte, investigadora na Universidade de Aveiro(UA), contou com a intervenção de Carlos Jalali(Professor da UA) bem como de Ilda Figueiredo(Presidente da direcção nacional do CPPC).

  • CPPC reafirma solidariedade ao povo sírio e denuncia manipulação mediática

    O CPPC realizou no dia 14 uma sessão pública intitulada «Pela salvaguarda dos direitos do povo sírio, da paz e da soberania. Fim à agressão à Síria!». Foram oradores os jornalistas José Goulão e Ribeiro Cardoso e o vice-presidente da direcção nacional do CPPC, Filipe Ferreira, que perante uma sala cheia e participativa denunciaram a agressão externa à Síria, que dura há já sete anos, e a forma truncada e manipulada como a generalidade da comunicação social aborda o assunto.

  • Debate em Aveiro: A Paz, a agressão à Síria e a Luta pelo fim das Armas Nucleares

  • Defender a paz na Síria! - fim à ingerência!

    O CPPC condena com veemência as sucessivas violações da soberania e integridade territorial da República Árabe Síria protagonizadas nas últimas semanas pelos EUA, Israel e Turquia – através de bombardeamentos aéreos e da invasão terrestre –, países que mostram, assim, que estão apostados em obstaculizar a paz nesse país do Médio Oriente.

    Solidário com a luta do povo sírio contra a ingerência externa, contra o terrorismo, o CPPC valoriza a vitória alcançada sobre os grupos terroristas que agem neste país – desde logo o autodenominado «Estado Islâmico» e as diversas variantes da denominada «Al-Qaeda».

    A derrota da instrumentalização do terrorismo na agressão ao povo sírio e destruição do seu Estado soberano representou um importante contributo para a defesa da paz no Médio Oriente e um rude golpe nos planos de dominação daquela estratégica região do mundo por parte dos EUA, potências da União Europeia, Israel, Turquia, Arábia Saudita e outras monarquias do Golfo.

  • Defender a paz! Não à agressão à Síria!

    2013 | Setembro

    Documento sobre a tentativa de agressão militar à Síria

    TP-Siria-2-Set-2013 capa

  • Em Lisboa - Pela Paz! Fim à agressão à Síria!

    Muitas foram as pessoas que,no passado dia 19 de Abril, de forma convicta e enérgica encheram a Praça Luís de Camões em Lisboa, em defesa da paz contra a agressão à Síria.

    O acto público subscrito por 30 organizações, contou com intervenções as intervenções de representantes do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN), do Movimento Democrático de Mulheres (MDM) e do Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM).

  • Entrevista ao representante da Síria na ONU

    Representante da Síria na ONU concede entrevista sobre a geopolítica do conflito ao Conselho da Paz dos EUA

    Fonte: Conselho da Paz dos EUA / Conselho Mundial da Paz
    Tradução: Cebrapaz

  • EUA – TIREM AS MÃOS DA SÍRIA

    Preocupado com a escalada de agressão dos EUA e seus aliados na Síria, com os riscos que a situação representa para Paz mundial e consciente da necessidade de uma ampla unidade das forças que defendem a Paz o Conselho Português para a Paz e Cooperação subscreveu e divulga o apelo internacional "EUA - tirem as mãos da Síria".
    O apelo pode ser subscrito em handsoffsyriacoalition.net/

  • Folheto Siria

    Folheto distribuído com o Notícias da Paz no início de Setembro.