Outras Notícias

FacebookTwitterRSS Feed

Sim à Paz! Não à NATO!

Sim à Paz! Não à NATO!- Iniciativas por todo o País A campanha «Sim à Paz! N&at...

012

um ano da grande marcha de retorno a luta do povo palestino pelos seus direitos 1 20190408 1293581218

No momento em que se completa um ano do início das manifestações da população palestina na Faixa de Gaza, conhecidas como a Grande Marcha de Retorno – iniciadas a 30 de Março de 2018 –, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) saúda a resistência do povo palestino contra a ocupação e a opressão israelita e reafirma a sua solidariedade para com a sua justa causa pelo respeito e cumprimento dos seus direitos nacionais.

O dia 30 de Março marca o dia da Terra Palestina, data que recorda a greve geral e as grandes manifestações de 1976 contra a ocupação por Israel de mais terra do povo palestino, sobre as quais se abateu uma violenta repressão pelas forças militares israelitas que provocou a morte a seis jovens palestinos e centenas de feridos e presos.

 

Há um ano que, sob o título de Grande Marcha de Retorno, os habitantes palestinos da Faixa de Gaza organizam manifestações semanais para exigir o fim do criminoso bloqueio, que dura já há 12 anos contra a população palestina na Faixa de Gaza, e o direito dos refugiados a regressarem aos seus lares no território da Palestina histórica de onde foram expulsos na campanha de autêntica limpeza étnica levada a cabo pelos sionistas em 1948.

De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde da Palestina, em Gaza, as forças militares israelitas já mataram 266 palestinos, incluindo 50 menores e membros de equipas médicas devidamente identificados, e feriram mais de 30 000 palestinos, desde o início da Grande Marcha de Retorno.

Evocando o primeiro aniversário da Grande Marcha de Retorno e o Dia da Terra, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) reafirma a sua determinação em prosseguir e intensificar as acções de solidariedade com a Palestina e realça o caminho que urge seguir para garantir a paz no Médio Oriente e os direitos inalienáveis do povo palestino: o fim da ocupação israelita; o desmantelamento dos colonatos e do muro de segregação; o fim do cerco à Faixa de Gaza; a interrupção imediata de quaisquer acções militares contra o povo palestino; a libertação de todos os presos políticos palestinos dos cárceres israelitas; o estabelecimento do Estado da Palestina, nas fronteiras de 1967 e com capital em Jerusalém, e o respeito do direito de regresso dos refugiados, no cumprimento das resoluções das Nações Unidas.

Direcção Nacional do CPPC