Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

O Conselho português para a Paz e Coooperação (CPPC) considera as recentes declarações do Secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, exigindo a Portugal – devido ao crescimento verificado na sua economia – um ainda maior aumento dos seus gastos militares no quadro da NATO, uma inaceitável pressão, contrária aos interesses do País.

Do mesmo modo, o CPPC repudia as declarações do Ministro da Defesa, Azeredo Lopes, garantindo que Portugal vai reforçar as suas despesas militares, como exige a NATO, até ao limiar de 2 por cento do PIB em 2024.

O CPPC considera que o crescimento da economia deve servir para melhorar as condições de vida do povo português e desenvolver o País e não para contribuir para o reforço da participação de Portugal na acção belicista e agressiva da NATO ou no processo de militarização da União Europeia, complementar ao reforço desse bloco político-militar.

Quaisquer gastos com as Forças Armadas nacionais devem ser decididos soberanamente pelas autoridades portuguesas e ter sempre como prioridade a missão da defesa da soberania e independência nacionais, da integridade do território nacional.

Reafirmando que um dos grandes desafios que a Humanidade enfrenta é o desanuviamento da tensão internacional, o CPPC rejeita qualquer aumento das despesas militares de Portugal no quadro da NATO e reafirma o seu apego aos desígnios constitucionais de paz, desarmamento e dissolução dos blocos político-militares.

Direcção Nacional do CPPC