Outras Notícias

realizou se concentracao paz sim nato nao no porto 1 20210615 2020487181

Realizou-se no Porto a concentração « Paz Sim! NATO Não!», no passado dia 14 de Junho, na Rua de Santa Catarina onde intervieram Cristina Nogueira pela USP/CGTP-IN, Ilda Figueiredo pelo CPPC e a jovem Margarida Resende que apresentou a iniciativa.
Ali se denunciou a Cimeira da NATO, em Bruxelas, na Bélgica, onde aprofundaram o seu conceito estratégico ofensivo e a sua postura de confrontação, tornado claro que a NATO é responsável por guerras de agressão, com o seu imenso legado de morte, sofrimento e destruição, incluindo de deslocados e refugiados – como se verificou na Jugoslávia, no Afeganistão ou na Líbia.
A NATO e os seus países membros continuam a aumentar os gastos militares, que atingem novos máximos, e a promover a criação de novos e mais sofisticados armamentos, incluindo armas nucleares, num momento em que a Humanidade se vê confrontada com a pandemia da Covid-19 e são necessários investimentos para a salvaguarda da saúde – incluindo para a vacinação –, dos salários, do emprego, dos direitos sociais, do desenvolvimento.
Ali se denunciou que os EUA reafirmaram, nesta Cimeira, o alinhamento da NATO com a sua política belicista, que é dirigida contra os países que defendam a sua soberania e direito ao desenvolvimento, e particularmente com a sua escalada de confrontação dirigida à Rússia e à China, com que procura cercar e isolar estes países e condicionar o seu desenvolvimento económico e social – uma política que aumenta as tensões e o risco de guerra.
Ali se defendeu que Portugal deve estar do lado da paz e do desarmamento, rejeitando o militarismo e a guerra, incluindo a participação de forças portuguesas em operações de ingerência e agressão contra outros povos, cumprindo os princípios de paz e cooperação inscritos na Constituição da República Portuguesa – que assinala este ano os 45 anos da sua aprovação e promulgação –, que advogam a dissolução dos blocos político-militares.
E reafirmaram-se as posições das organizações subscritoras, sublinhando a necessidade de defender a causa da paz e a segurança colectiva, exigindo:
- A dissolução da NATO!
- O fim das ingerências, dos bloqueios, das guerras de agressão promovidas pela NATO e pelos seus países membros!
- O fim do processo de militarização da União Europeia!
- A assinatura e ratificação por Portugal do Tratado de Proibição de Armas Nucleares!
- A abolição das armas nucleares e de outras armas de destruição massiva!
- O fim da corrida aos armamentos e o aumento do investimento para a paz, o desenvolvimento e o progresso social!
- A defesa dos princípios da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional!