Outras Notícias

europa

  • A situação na Europa e as ameaças à Paz" - Porto

    As ameaças à Paz na Europa e no mundo estiveram em debate no colóquio que o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) promoveu esta segunda-feira, 20 de Julho, na biblioteca municipal de Vila Nova de Gaia sobre o tema "A situação na Europa e as ameaças à Paz". Teve a participação de Ilda Figueiredo, presidente da direcção nacional do CPPC, e de José Goulão, jornalista e membro da Presidência do CPPC, e de muitas dezenas de pessoas.

  • A situação na Europa e as ameaças à Paz

  • Apelo aos Povos da Europa - Dar mais força à luta pela paz!

    dia internacional da paz 2017 1 20170920 1418491887

     

    No âmbito da decisão tomada pela Assembleia Mundial da Paz, ocorrida no Brasil e reafirmada pela Reunião das organizações membro do Conselho Mundial da Paz (CMP) na Europa, ocorrida em Berlim, de assinalar o Dia Internacional da Paz com iniciativas contra as armas nucleares e outras armas de destruição massiva, e contra as bases militares estrangeiras, as organizações membro do CMP na Europa unem-se e contribuem para o sucesso deste Dia de Acção ao, entre outras actividades, colectivamente redigirem e divulgarem o "Apelo aos povos da Europa - Dar mais força à luta pela paz! - 21 de Setembro —Dia de Acção contra as armas nucleares e outras armas de destruição massiva e as bases militares estrangeiras"

     

    21 de Setembro —Dia de Acção contra as armas nucleares e outras armas de destruição massiva e as bases militares estrangeiras

    As organizações membro do Concelho Mundial da Paz na Europa decidiram celebrar o Dia Internacional da Paz — proclamado pelas Nações Unidas para o dia 21 de Setembro — unindo as suas vozes num apelo aos povos da Europa para dar mais força à luta pela paz!

    Os povos da Europa e de todo o Mundo enfrentam a crescente agressividade global do imperialismo, a escalada do militarismo, o aumento da despesa militar, a corrida por novas, mais sofisticadas e destrutivas armas, incluindo armas nucleares, a instalação de novas forças militares e equipamentos em bases

  • Colóquio/Debate - "A Evolução do Capitalismo: a Europa e a Ucrânia" - Évora

    O Núcleo de Évora do CPPC, em conjunto com o Núcleo de Investigação em Ciência Política e Relações Internacionais (NICPRI), organizou, no passado dia 14 de Fevereiro, um Colóquio/Debate sobre o tema "A Evolução do Capitalismo: a Europa e a Ucrânia".

    A iniciativa, moderada pelo Dr. António Jara contou com intervenções do Prof. Dr. Avelãs Nunes e do Prof. Dr. Silvério Cunha e com a animada participação de vários elementos da assistência

     

  • Construir a Paz com os valores de Abril - Freguesia do Sado

     
    O repúdio de todos os amantes da paz no Mundo pela presença de organizações ultra-nacionalistas de inspiração fascista e nazi no governo de Kiev, foi pedra de toque na sessão que no passado domingo, 11 de Maio, no Moinho de Maré da Mourisca, no Faralhão, o CPPC e a Junta de Freguesia do Sado realizaram conjuntamente, com o apoio da Câmara Municipal de Setúbal. Ele é parte integrante da mensagem de Socorro Gomes, Presidente do Conselho Mundial da Paz, emitida logo após os massacres na Casa dos Sindicatos de Odessa, a 2 de Maio, inseridos no plano de desestabilizar a Ucrânia e nele instalar um regime fantoche que aceite alargar a NATO até às fronteiras da Rússia.
  • Contra a militarização da União Europeia!

    CPPC participou em audição parlamentar sobre Militarismo na União Europeia

  • CPPC na Cimeira dos Povos em Bruxelas

     cimeira dos povos - bruxelas - 2015 1 20150613 1169207290

     

    Nos dias 10 e 11 de Junho decorreram em Bruxelas uma Jornada de Solidariedade com a Venezuela e a Cimeira dos Povos. Estas duas iniciativas realizaram-se no momento em que decorria, também na capital belga, a Cimeira entre a União Europeia (UE) e os países da Comunidade de Estados Latino-Americanos e do Caribe (CELAC).

    A Cimeira dos Povos foi uma iniciativa promovida inicialmente por organizações e movimentos belgas, entre os quais a INTAL, movimento da paz belga membro do Conselho Mundial da Paz. Posteriormente associaram-se à realização da Cimeira dos Povos centenas de organizações da Europa e da América Latina e das Caraíbas (ver organizações promotoras - aqui).

  • Manobras da NATO no Mar Negro

    No quadro de um crescendo de acções belicistas que a NATO tem vindo a desenvolver na Europa, começaram hoje, no Mar Negro, manobras navais conjuntas, desta organização com a Ucrânia, que envolvem ainda, para além dos países membro da NATO, a Suécia e a Moldávia.

    Estas manobras, que envolvem milhares de militares e meios navais, terrestres e aéreos, decorrem ao mesmo tempo que outras duas manobras da NATO, uma no Mar Báltico e outra na Alemanha, Itália, Bulgária e Roménia.

    O CPPC condena a escalada belicista impulsionada pela NATO e recorda que a aliança realizará a partir do início de Outubro manobras de grande escala que envolverão de forma particular o nosso país. Manobras já repudiadas por um conjunto de organizações portuguesas, que promovem o abaixo assinado disponível em http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT78172
    (atenção à necessidade de confirmar a assinatura clicando no link do email de confirmação).

     

  • Movimentos pela Paz marcam 75 anos da ocupação nazista de Praga

     

    Marcando os 75 anos desde o início da 2ª Guerra Mundial, o Conselho Mundial da Paz (CMP) e organizações amigas reuniram-se em Praga, República Tcheca, neste sábado (15) e domingo (16), lembrando a data da ocupação nazista do país.

    Socorro Gomes, presidenta do CMP, reafirmou a necessidade de união entre os movimentos de paz mundiais na luta anti-imperialista e no esforço para fortalecer as lições da história contra a repetição da guerra.

  • Nos 40 anos da Acta de Helsínquia Sólido caminho para a Paz, para o futuro

     

    Em 1 de Agosto de 1975, representantes de 35 países (33 da Europa, mais os EUA e Canadá) subscreveram, em Helsínquia, a Acta Final da Conferência sobre Segurança e Cooperação na Europa, culminando um processo iniciado dois anos antes. Pela primeira vez na história, um tão elevado número de países convergiu em torno de um importante conjunto de princípios reguladores das relações internacionais, segurança colectiva e desenvolvimento de relações de cooperação entre os Estados, entre os quais se destacam matérias tão relevantes quanto: a igualdade soberana dos Estados; a não intervenção nas questões internas dos Estados; a resolução pacífica dos diferendos internacionais; o respeito pelos direitos humanos e liberdades fundamentais; ou a igualdade de direitos e a autodeterminação dos povos.

  • Organizações portuguesas expressam "Solidariedade com o povo da Ucrânia".

     

    Solidariedade com o povo da Ucrânia

    É com crescentes preocupações que assistimos à evolução da situação na Ucrânia, onde forças que se assumem como nazi-fascistas, tirando partido do agravamento de problemas sociais e do crescente e legítimo descontentamento da população desse país, fomentaram o nacionalismo xenófobo e engendraram um golpe de estado para tomar o poder, o qual, cada vez mais, recorre à violência e à repressão para se exercer, à custa de terríveis consequências, incluindo a morte indiscriminada de cidadãos indefesos.

    À tentativa de legitimar o golpe inconstitucional de Fevereiro passado e impor um novo poder dos oligarcas da Ucrânia, através de eleições presidenciais sob estado de guerra, que uma parte importante do país não aceitou, sucedem-se provocações e actos de pura barbárie e perseguição contra forças políticas e sociais que se lhes opõem e ofensivas militares sobre populações que procuram defender os seus legítimos direitos, a democracia e a Paz.

    Este recrudescimento e ascenso de forças de extrema-direita, enquanto se assinala o 69º aniversário da Vitória sobre o nazi-fascismo e o fim da II Guerra Mundial, deverá merecer séria preocupação por parte de todos os democratas e anti-fascistas, dado o que significa e o perigo que representa para a democracia, as liberdades e direitos dos cidadãos da Ucrânia e dos povos da Europa.

    A denúncia e condenação das forças fascistas, do imperialismo e da guerra, adquirem, assim, uma particular importância e actualidade, pelo que as seguintes organizações democratas e anti-fascistas, manifestam a solidariedade ao povo da Ucrânia e apelam a todos e a todas à mobilização em defesa da liberdade, da democracia e da Paz.

    Organizações subscritoras (até o momento):

    -Associação Intervenção Democrática-ID
    -Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional

    -Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos

    -Confederação Portuguesa de Quadros Técnicos e Científicos

    -Conselho Português para a Paz e Cooperação

    -Cooperativa Mó de Vida

    -Ecolojovem "Os Verdes"

    -Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal

    -Juventude Comunista Portuguesa

    -Movimento Democrático de Mulheres

    -Sindicato dos Professores da Região Centro

    -Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul

    -União dos Sindicatos de Lisboa / CGTP-IN

  • Paz Sim! NATO Não!

     

    A NATO, aliança belicista, extensão do poder militar dos EUA e que actua em função dos seus interesses, vai realizar em Portugal, Espanha e Itália, de 28 de Setembro a 6 de Novembro de 2015, manobras militares de grande envergadura, que envolverão mais de 36 000 militares de todos os ramos das forças armadas dos Estados membro desta aliança e de outros 7 "países parceiros".

    Consideradas das maiores manobras militares da NATO de sempre, estas surgem na sequência de exercícios militares dos EUA e da NATO em diversas regiões da Europa: Mar Báltico, Europa de Leste (Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia, Ucrânia), Mar Negro – que são entendidos como uma clara e continuada demonstração de hostilização à Federação Russa.

  • Por uma água mais limpa, não à cooperação Epal-Mekorot

    POR UMA ÁGUA MAIS LIMPA
    NÃO À COOPERAÇÃO EPAL-MEKOROT

    25 MARÇO | 18H | LARGO CAMÕES (LISBOA)

    Várias organizações portuguesas, entre as quais o CPPC, promovem amanhã uma iniciativa de apelo à revogação do acordo entre a EPAL e a MEKOROT (empresa de águas israelita).

    ORGANIZAÇÕES PROMOTORAS:
    Associação Agricultores do Distrito Lisboa, Associação Água Pública, Associação Intervenção Democrática, Casa Viva, Colectivo Mumia Abu-Jamal, Comité de Solidariedade com a Palestina, Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional, Conselho Português para a Paz e Cooperação, Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal, Fórum pela Paz, Grupo Acção Palestina, Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente, SOS Racismo.

  • Prémios Nobel da Paz encontram-se em Bruxelas

     

    nobel da paz encontram-se 1 20140326 1269861202

    A INTAL, organização membro do Conselho Mundial da Paz, realiza hoje em Bruxelas uma acção de protesto, para assinalar a visita de Barack Obama a instituições da União Europeia.Lembrando que tanto Obama como a UE receberam o Prémio Nobel da Paz, a INTAL denuncia que EUA e UE juntos são responsáveis por 2/3 do comércio mundial de armamentos e por 62% das despesas militares, e que os Belgas querem que a armas nucleares dos EUA saiam do seu país e não que sejam modernizadas como previsto.O CPPC envia uma calorosa saudação à INTAL e aos companheiros belgas em mais uma acção de defesa da Paz.

  • Reunião e seminário internacionais em Almada Alargar a luta pela paz

     

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação, enquanto coordenador da Região Europa do Conselho Mundial da Paz, recebe no próximo fim de semana uma reunião de movimentos da paz europeus.

  • Solidariedade com o povo da Ucrânia - Lisboa

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) e a União de Resistentes Anti-fascistas Portugueses (URAP) realizaram, no Clube Estefânia, no passado dia 27 uma sessão sobre a situação na Ucrânia.
    Nesta sessão, que contou com dezenas de participantes, ambas as organizações expressaram a sua solidariedade para com o povo da Ucrânia, assim como a sua preocupação com a escalada de violência desencadeada sobre as populações do Leste da Ucrânia que se recusam a reconhecer a legitimidade do poder exercido pelas forças golpistas de Kiev que, para defender os interesses dos grandes oligarcas, não hesitam em utilizar a força militar, recorrendo inclusive a grupos paramilitares que se reivindicam da herança nazi-fascista.

     

  • Solidariedade com os povos e reforço da luta pela paz

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) reafirma a sua preocupação com a evolução muito complexa e de grande incerteza da situação que se vive na Europa e no mundo, com a guerra e as ocupações, com os ataques aos direitos dos povos, designadamente dos refugiados e dos imigrantes de que a ordem de restrição a imigrantes de sete países pelo presidente Donald Trump é um exemplo mais recente.

    Tal como o CPPC denunciou aquando da última Cimeira da NATO, em Varsóvia, no passado mês de Julho de 2016, continua em marcha a corrida aos armamentos, de que é exemplo, na Europa, o reforço das unidades militares integradas na NATO, tendo chegado à Polónia e países nórdicos, como a Noruega, poucos dias antes da saída de Barack Obama da presidência dos EUA, um grande contingente de tropas e equipamentos bélicos norte-americanos, considerado por analistas militares como uma das maiores mobilizações de forças dos EUA na Europa desde o fim da Segunda Guerra. Estes milhares de soldados e material de guerra, designadamente tanques de última geração e mísseis de cruzeiro de longo alcance preparados para transportar ogivas nucleares, vêm reforçar o que já existe noutros países vizinhos da Federação Russa, incluindo, designadamente, Lituânia, Letónia, Estónia, Hungria Roménia e Bulgária, o que está a ser acompanhado do reforço do chamado escudo antimíssil.

  • Um ano após o golpe de Estado na Ucrânia

     

    Ao completar-se um ano do golpe de estado na Ucrânia crescem as preocupações com a evolução da situação na região, fruto da intervenção das forças fascizantes que se apoderaram do poder, das ingerências estrangeiras e do apoio das potências ocidentais ao poder dominante na Ucrânia.

    Foi no dia 22 de Fevereiro de 2014 que foi destituído o Presidente eleito Viktor Ianukovitch, na sequência de um golpe anti democrático, preparado e comandado do exterior, que teve início em Novembro de 2013 quando, num processo de negociação com a União Europeia, esta exigiu à Ucrânia a realização de profundas e incomportáveis reformas económicas e financeiras para que o país tivesse acesso aos mercados europeus. Face a essa ingerência, como alternativa, o governo ucraniano decidiu reatar as relações económicas com a Rússia, o que se traduziu na assinatura, a 17 de Dezembro desse ano, de um pacote de assistência financeira, no valor de 15 mil milhões de dólares, assim como a significativa baixa do preço do gás importado.