Outras Notícias

Muitas foram as pessoas que,no passado dia 19 de Abril, de forma convicta e enérgica encheram a Praça Luís de Camões em Lisboa, em defesa da paz contra a agressão à Síria.

O acto público subscrito por 30 organizações, contou com intervenções as intervenções de representantes do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN), do Movimento Democrático de Mulheres (MDM) e do Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM).

Os intervenientes denunciaram a agressão contra a Síria, levada a cabo pelos EUA, Reino Unido e França, realizada no passado dia 14, com o lançamento de mais de cem mísseis e que contou com o apoio expresso da NATO, da União Europeia e de Israel, como mais um passo grave e inaceitável na guerra que estes mesmos países promovem há já mais de 7 anos contra o povo e o Estado sírios.

Criticado foi também o alinhamento do Governo português com o ataque de passado dia 14, sublinhando que se “o Governo seguisse os princípios constitucionais e o direito internacional e não os Estados Unidos, a NATO e a União Europeia, só podia condenar e exigir o fim da ingerência e agressão contra a Síria, só podia contribuir para o encontrar de uma solução negociada e para a paz.”

A mobilização em solidariedade com o povo sírio continuará nomeadamente no próximo dia 23 de Abril, com a realização de um acto público no Porto, pelas 18h na Praceta da Palestina, e de uma sessão na Escola Bento de Jesus Caraça em Lisboa pelas 18h30.

Leia o texto subscrito pelas organizações:

Pela Paz!
Fim à agressão à Síria!

As organizações abaixo-assinadas consideram que os bombardeamentos dos EUA, do Reino Unido e da França contra a República Árabe Síria na madrugada de 14 de Abril merecem a mais profunda condenação.

Trata-se de um ataque militar, em completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, sob o pretexto de uma alegada utilização de armas químicas, que não foi comprovada, e que é realizado quando a Síria e o seu povo têm obtido diversas vitórias face aos grupos terroristas.

Significativamente, este ataque ocorreu horas antes de uma equipa de peritos internacionais se ter deslocado à Síria, a convite do Governo sírio, para um trabalho de investigação relativamente à alegada utilização de armas químicas, em Douma, a 7 de Abril.

O Governo português, que afirma “compreender as razões” e a “oportunidade desta intervenção militar”, associa-se assim a uma clara violação do direito internacional.

O bombardeamento de um país, é um acto de agressão que merece a mais viva expressão de indignação e condenação.

Impõe-se a exigência da Paz, o fim das agressões e da ingerência que está a causar milhares de mortos, um imenso sofrimento, uma profunda destruição, milhões de deslocados e refugiados, e a dramática degradação das condições de vida dos trabalhadores e do povo sírio.

Apelamos a todos que efectivamente se preocupam com os direitos e bem-estar do povo sírio a expressar a exigência de uma solução negociada conforme ao Direito Internacional e da saída da Síria das forças militares de todos os países que aí se encontram ilegalmente; a afirmar que a paz significa o pleno respeito da soberania, independência e integridade territorial da Síria, dos direitos do povo sírio, incluindo o direito à paz.

Apelamos a todos os que pugnam pela paz, pelo fim da agressão à Síria, a participarem no Acto Público, que se realizará no próximo dia 19 de Abril de 2018 (Quinta-feira), pelas 18h00, no Largo Camões, em Lisboa.

Organizações signatárias:

Associação Conquistas da Revolução
Associação de Amizade Portugal-Cuba
Associação Intervenção Democrática
Coletivo Andorinha
Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional
Confederação Portuguesa de Quadros Técnicos e Científicos
Conselho Português para a Paz e Cooperação
Ecolojovem - «Os Verdes»
Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal
Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações
Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações
Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas
Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais
Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio, Escritórios e Serviços
Frente Anti-Racista
Fundação José Saramago
Juventude Comunista Portuguesa
Movimento Democrático de Mulheres
Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente
Sindicato dos Professores da Região Centro
Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Financeira
Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos
Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal
Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa
União dos Sindicatos de Aveiro
União dos Sindicatos de Aveiro
União dos Sindicatos de Lisboa
União dos Sindicatos de Santarém
União dos Sindicatos de Setúbal
União dos Sindicatos do Norte Alentejano